Tudo sobre a abetarda

novembro 22, 2019
A abetarda é o pássaro mais pesado de toda a Europa. Possui um dimorfismo sexual marcante e, enquanto as fêmeas pesam cerca de 4 quilos, os machos podem exceder os 20 quilos.

Pássaro lento. Da combinação dessas duas palavras em latim (Avis leva), nasceu seu nome. Embora a abetarda possua movimentos mais lentos e desajeitados, pode atingir velocidades que levantam dúvidas sobre a relevância de sua denominação.

A abetarda está entre os animais alados com maior dimorfismo sexual. Os machos medem até 105 centímetros de altura, 115 centímetros de comprimento, com uma envergadura alarmante de até 2,7 metros.

Em contraste, as fêmeas atingem até 85 centímetros de altura por 90 centímetros de comprimento, enquanto a envergadura das asas é de 180 centímetros.

Este é o pássaro mais pesado de toda a Europa. Também não existe uma espécie que precise levantar mais peso para conseguir voar. Embora as fêmeas pesem em média cerca de quatro quilos, os machos atingem 18 quilos, com exemplos de espécimes que excedem a barreira dos 20 quilos.

Elas não são tão lentos

Embora não exista um registro oficial da velocidade do pássaro, foram relatados casos de fêmeas que conseguiram fugir de raposas. Voando, podem atingir velocidades próximas a 80 km/h.

A sua existência é conhecida desde os tempos antigos, embora tenha sido incluída em um tratado de ciências naturais no século XVIII. Foi o que aconteceu em 1758, quando o botânico e zoólogo sueco Carlos Lineu fez a primeira descrição científica dessa imensa ave.

Acasalamento da abetarda

Onde a abetarda vive

A abetarda é uma ave gregária que escolhe viver em grandes planícies, principalmente em estepes e regiões de vegetação herbácea (gramíneas), onde as chuvas não são muito abundantes.

Originalmente, o maior número dessas aves estava concentrado na Ásia Central. Acredita-se que os seus deslocamentos para o oeste tenham ocorrido à medida que as plantações de cereais cresceram cada vez mais no território europeu.

Atualmente, aproximadamente 60% da população de abetardas do mundo está na Espanha. Um número equivalente a pouco mais de 23.000 exemplares no total.

Metade está localizada nos núcleos das comunidades de Castilla e León, e Castilla-La Mancha, principalmente em áreas onde a agricultura de sequeiro é praticada.

Características gerais

Inconfundível é um adjetivo que se encaixa perfeitamente para a abetarda. Sua cabeça e pescoço são cinza e variam em tons avermelhados quando a plumagem desce em direção ao tronco.

As penas na área abdominal são brancas, enquanto as das costas – incluindo as asas – são marrons e vermelhas, com uma listra preta.

Na idade adulta, os machos adquirem grandes penas que começam na mandíbula inferior. Durante o período de calor, o pescoço fica mais espesso e adquire uma tonalidade avermelhada muito marcante.

Machos e fêmeas formam grupos diferentes. Eles só interagem durante o período reprodutivo, quando o macho inicia um ritual de namoro peculiar para atrair as fêmeas, o que geralmente ocorre em abril.

Da incubação à nova prole

As fêmeas aproveitam a irregularidade do solo para depositar seus ovos, geralmente dois ou três por ano, durante o mês de maio. A incubação, um processo do qual os homens não participam, leva 21 dias.

Uma vez fora do ovo, os jovens são capazes de andar e acompanhar a mãe para onde ela for, embora só aprendam a voar depois de dois meses.

O que a abetarda come

A abetarda é um pássaro onívoro. A sua dieta se adapta à comida que tem disponível, dependendo da estação. Enquanto no inverno elas comem quase exclusivamente folhas verdes, no resto do ano também consomem insetos, pequenos roedores, sapos, lagartos e até filhotes de outras espécies.

Uma espécie em extinção

Apenas 20% dos ovos postos pelas fêmeas se tornam exemplares adultos. Essa taxa de mortalidade influencia bastante a sua própria vulnerabilidade, o que os torna presas fáceis para um bom número de predadores, como águias e javalis, entre muitos outros animais.

A culpa do pequeno número desses pássaros que sobrevivem hoje é do homem. Os motivos variam da caça ‘esportiva’ (na Espanha, essa prática é proibida desde 1980, mas em alguns países árabes ainda é permitida), à mecanização da maioria dos cultivos.