Ácaro-de-galinha: tudo que você precisa saber

As parasitoses são comuns na indústria avícola, pois os animais são frequentemente mantidos em ambientes pouco salubres e em densidades muito altas. Aprenda junto com a gente o que são os ácaros em galinhas e como evitá-los.
Ácaro-de-galinha: tudo que você precisa saber

Última atualização: 22 Julho, 2021

Assim como acontece com todos os vertebrados, as aves domésticas também podem ser infectadas por parasitas a curto e a longo prazo. O ácaro-de-galinha é um claro exemplo de parasitose nesse âmbito, uma vez que se estima que até 83% das granjas europeias, por exemplo, estejam infectadas em maior ou menor grau com esse ácaro.

O ácaro-de-galinha (Dermanyssus gallinae), também conhecido como poultry mite em inglês, afeta todos os locais de produção avícola igualmente, independentemente da concentração de animais e da função da instalação. Se você quiser saber mais sobre o ácaro-de-galinha nesses animais e em seus parentes, continue lendo.

O que é o ácaro-de-galinha?

O ácaro-de-galinha ( Dermanyssus gallinae ) é um ectoparasita sugador de sangue de aves domésticas. É um artrópode aracnídeo da subclasse Acari e, como tal, compartilha certas características com os ácaros típicos.

Em primeiro lugar, deve-se notar que o corpo dos aracnídeos é dividido em 2 seções ou tagmas : cefalotórax (prossoma) e abdômen (opistossoma), mas os ácaros experimentaram uma fusão de ambos ao longo da evolução. Essa espécie específica tem 4 pares de patas, um abdômen que incha quando o espécime se alimenta e quelíceras cefálicas marcadas.

Por outro lado, é importante notar que os espécimes adultos não ultrapassam um milímetro de comprimento. Sua cor natural é semitransparente, enegrecida ou esbranquiçada quando não estão se alimentando, mas adquirem um tom avermelhado ao se nutrir do sangue do hospedeiro.

 

Um espécime de ácaro-da-galinha sob o microscópio.

Ciclo de vida do ácaro-de-galinha

Como indica a Universidade da Flórida, essa espécie não permanece ligada ao hospedeiro durante todo o seu ciclo de vida. A seguir, apresentamos seu ciclo de vida de forma breve:

  1. Os espécimes adultos põem ovos nos locais onde se escondem. Isso inclui áreas de resíduos, lacunas nas paredes dos currais e espaços entre as rochas. As fêmeas liberam os ovos em lotes de 4 a 8 unidades, o que resulta em um total de 30 ovos ao longo de sua vida.
  2. Após a eclosão, nascem larvas de 6 patas, que são muito desajeitadas e não se alimentam. Após a primeira muda, elas adquirem as 8 patas típicas da espécie em sua forma de protoninfa em 1-2 dias e começam a se alimentar de sangue.
  3. As protoninfas vão para o estado de deuteroninfa e estas, posteriormente, viram espécimes adultos, todos alimentando-se do sangue da ave. Todo o processo da larva ao espécime adulto ocorre em no máximo 10 dias.
  4. Os adultos continuam sugando sangue e começam a produzir ovos.

O maior desafio relacionado a essa espécie no tratamento da infestação no aviário é a resistência. As deuteroninfas e os adultos são capazes de resistir à dessecação e viver fora de seu hospedeiro por até 8 meses. Portanto, remover a carga parasitária de uma galinha isolada é totalmente inútil.

Durante o dia, os espécimes adultos se refugiam nas áreas escuras do galinheiro e saem para se alimentar à noite.

Sintomas

O ácaro-de-galinha causa danos diretos e indiretos. Além de causar quantificáveis perdas de sangue em altas cargas parasitárias, também atua como vetor de doenças, incluindo o paramixovírus da doença de Newcastle, o vírus da encefalite de San Luis ou os vírus da encefalomielite equina oriental, ocidental e venezuelana.

Os sintomas de infestação em cada animal podem ser muito variados, dependendo da quantidade de ácaros presentes na sua superfície, da sua idade e do seu estado de saúde anterior, entre outros fatores. Vamos ver os mais relevantes:

  • Anemia: como indica a revista científica Parasites and Vectors, o sinal clínico mais comum é a anemia subaguda. As galinhas poedeiras podem perder até 3% de seu volume de sangue todas as noites devido a esse parasita. A falta de glóbulos vermelhos no animal se traduz em apatia, falta de atividade e mal-estar geral.
  • Lesão física visível e irritação no peito e nas patas.
  • Aumento do estresse no galinheiro e ciclos de sono perturbados.
  • Queda de penas.
  • Palidez da crista devido à anemia já mencionada.
  • Nos casos mais extremos, morte por quadros anêmicos graves.

Como detectar o ácaro-de-galinha?

Os sintomas em galinhas infectadas são muito evidentes se a carga de parasita for alta, mas em momentos prévios a infestação pode ser um pouco difícil de detectar. Se você suspeita da presença do ácaro-de-galinha em seu galinheiro, recomendamos seguir estas etapas:

  1. Tente procurar sinais de colônias de ácaros-de-galinha perto da área de descanso das galinhas. Se o galinheiro tiver poleiros e outros acessórios, tire-os e examine-os. Às vezes, os próprios ovos apresentam pequenos pontos avermelhados móveis na superfície da casca. Estes são ácaros adultos.
  2. Examine o galinheiro à noite. Como já dissemos, os espécimes tornam-se ativos à noite. Usando uma lanterna, procure evidências de ácaros-de-galinha na superfície das galinhas quando já estiver escuro.
  3. Conte o número de ovos produzidos diariamente. Galinhas anêmicas põem menos.
  4. Passe um pano branco sobre as superfícies mais utilizadas pelos animais. Se houver ácaros neles, você encontrará sangue no pano.

Em resumo, a melhor maneira de detectar o ácaro-de-galinha é examinar as galinhas e todo o galinheiro periodicamente. Acima de tudo, tente fazer incursões noturnas de vez em quando, pois é o momento em que os ácaros são mais facilmente observados.

Tratamentos para o ácaro-de-galinha

Agora você já sabe detectar a infestação de ácaro-de-galinha e os principais danos que esse parasita pode causar. Acabar com essa praga é uma tarefa complexa, mas é possível se livrar dela com os seguintes tratamentos multidisciplinares.

Spinosad (Elector PSP®)

De acordo com fontes profissionais, o Spinosad é um inseticida natural produto da fermentação da bactéria Saccharopolyspora spinosa. Sua toxicidade é muito baixa para grandes vertebrados e é muito útil para matar pragas de artrópodes. Nesse caso, é necessário aplicá-lo em forma de spray em todas as superfícies do galinheiro.

Fluralaner (Exzolt®)

Esse fármaco é comumente usado para matar infestações de ácaros em cães e gatos. Deve ser adicionado à água das galinhas em 2 doses, sendo a segunda 7 dias após a primeira dose. É considerado um composto 99% eficaz nesses quadros clínicos.

Ivermectina

Esse medicamento deve ser administrado topicamente a galinhas com cargas parasitárias óbvias. A dose é isolada, mas deve ser repetida após 10-14 dias, a fim de combater possíveis gerações sobreviventes.

Enxofre 80%

Os pós e as soluções de enxofre são comumente usados em pragas de ácaros agrícolas. Nesse caso específico, o pó de enxofre é aplicado diretamente nas galinhas, em todas as superfícies do galinheiro e nas áreas onde as aves tomam “banhos de lama”.

Aumento de temperatura

Em grandes áreas, por vezes opta-se por aumentar a temperatura do galinheiro para cerca de 45º C de forma sustentada, para além de outras soluções já mencionadas. Essas condições climáticas matam todos os ácaros e larvas sobreviventes.

Existem mais de 30 acaricidas diferentes para tratar essa condição. Discuta a melhor opção com o seu veterinário de confiança antes de usar alguma dessas opções.

 

Galinhas no gramado.

Como você deve ter visto, o ácaro-de-galinha é evasivo, prejudicial e difícil de erradicar. Se você detectar esse incômodo artrópode em seu galinheiro, recomendamos procurar um profissional em parasitose no setor avícola. Antes de iniciar o tratamento de longo prazo, certifique-se de que é seguro para os seus animais.

Pode interessar a você...
Como escolher o galinheiro perfeito para suas galinhas?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Como escolher o galinheiro perfeito para suas galinhas?

Quais são as perguntas mais importante ao escolher o galinheiro certo? Aqui, vamos falar mais sobre as suas opções. Não perca!



  • UF/IFAS, Featured creatures. Recogido a 1 de julio en https://entnemdept.ufl.edu/creatures/livestock/poultry/chicken_mite.htm
  • Flochlay, A. S., Thomas, E., & Sparagano, O. (2017). Poultry red mite (Dermanyssus gallinae) infestation: a broad impact parasitological disease that still remains a significant challenge for the egg-laying industry in Europe. Parasites & Vectors, 10(1), 1-6.
  • Nordenfors, H. (2000). Epidemiology and control of the poultry red mite, Dermanyssus gallinae (No. THESIS SUAC 93).
  • Sparagano, O. A. E., George, D. R., Harrington, D. W. J., & Giangaspero, A. (2014). Significance and control of the poultry red mite, Dermanyssus gallinae. Annual review of entomology, 59, 447-466.
  • Chauve, C. (1998). The poultry red mite Dermanyssus gallinae (De Geer, 1778): current situation and future prospects for control. Veterinary parasitology, 79(3), 239-245.
  • Bellanger, A. P., Bories, C., Foulet, F., Bretagne, S., & Botterel, F. (2008). Nosocomial dermatitis caused by Dermanyssus gallinae. Infection Control & Hospital Epidemiology, 29(3), 282-283.