Alimentação do tucano

No início, acreditava-se que os tucanos eram pacíficos e não muito conflituosos, já que nenhum encontro agressivo havia sido registrado. No entanto, alguns pesquisadores relataram que essas aves usam o bico para atacar umas às outras, pois também competem por alimento em seus territórios.
Alimentação do tucano

Última atualização: 09 março, 2022

Os tucanos são caracterizados por terem um belo bico alongado e cores vistosas. Essas características os tornaram populares em diversos países, embora sua distribuição seja restrita ao ecossistema de clima tropical do continente americano. O aspecto típico do tucano é adaptado para sua alimentação, então sua aparência não é apenas uma forma de exibir características fantásticas.

Essas aves pertencem ao grupo dos ranfastídeos (Ramphastidae), que é constituído por várias espécies. Alguns deles vivem em florestas tropicais onde abundam vegetação, frutas e insetos, por isso sua dieta é geralmente adaptada ao seu modo de vida. Leia e aprenda mais sobre a alimentação do tucano.

Características do tucano

Essas aves atingem tamanhos entre 30 e 65 centímetros de altura, com grandes bicos que chegam a 20 centímetros de comprimento. Como se não bastasse, têm uma plumagem colorida e brilhante que os faz exibir tons de azul, amarelo, vermelho e verde, mas com uma elegante base de penas pretas. Além disso, em algumas espécies os olhos se destacam por estarem rodeados de cores vivas.

Os tucanos não são um grupo muito adaptado ao vôo constante, por isso suas asas são pequenas e arredondadas. Em contraste, suas pernas são muito mais fortes e eles passam a maior parte de suas vidas nas árvores. Na verdade, os dedos também desempenham um papel importante nesse caso, uma vez que metade está para a frente e a outra para trás, o que os ajuda a agarrar melhor os ramos.

O tucano é um dos animais bípedes.

O que o tucano come?

As florestas tropicais costumam ter grandes quantidades de recursos alimentares, e os tucanos têm muitas presas para escolher. No entanto, essas aves preferem consumir frutas devido ao alto teor de água e açúcar. Isso não significa que sejam completamente frugívoros, pois também consomem uma grande variedade de artrópodes, ovos, filhotes de outras aves e até algumas cobras.

Segundo artigo publicado na revista científica The Condor, a maioria das espécies de tucanos consome apenas frutas. Por esse motivo, são classificados como animais frugívoros, embora alguns se alimentem de outras presas mais ricas em proteínas. Essa estratégia parece ser uma adaptação para atender a demanda de energia durante a época de reprodução.

Mudanças na dieta devido à altura

Os tucanos também são capazes de viver em diferentes altitudes, desde cadeias de montanhas até selvas ao nível do mar. Por esse motivo, não é incomum observar que a dieta das aves muda dependendo de onde se desenvolvem. No entanto, essas modificações parecem ser um pouco mais sutis do se pode imaginar.

Em uma pesquisa realizada pela Universidade Estadual Paulista, constatou-se que os tucanos que vivem próximos ao nível do mar têm uma dieta quase inteiramente baseada em frutas. Pelo contrário, aqueles que habitam as montanhas tendem a se alimentar de insetos, plantas e frutas.

Isso parece estar relacionado à escassez de frutas nas florestas de grande altitude, o que faz com que a ave adapte sua dieta para compensar os nutrientes que faltam na forma de frutas.

Visto de outra forma, a flexibilidade da dieta dessas aves permite que elas compensem as deficiências de nutrientes em seus habitats. Graças a isso, elas são capazes de viver em muitas áreas e resistir a condições adversas.

Benefícios do tucano no ecossistema

O papel do tucano no ecossistema é muito importante, pois ele é o responsável por dispersar as sementes que estão dentro dos frutos que come. Além disso, seu pequeno estômago e seu rápido metabolismo o tornam capaz de processar os alimentos em apenas uma hora.

Consequentemente, o tucano precisa se alimentar várias vezes ao dia para manter os nutrientes necessários em sua dieta, o que melhora sua capacidade de dispersar as sementes.

O bico do tucano

O tamanho do bico do tucano permite que ele segure e coma quase qualquer tipo de fruta. Isso não se deve apenas ao comprimento, mas também a uma leve dentição que serve para cortar ou triturar alimentos. De fato, essa estrutura não é bruta nem pesada, pois possui um formato especial que favorece a leveza.

A função do bico não para por aí, pois funciona como termorregulador do corpo dos tucanos. Ele trabalha de maneira semelhante à língua de um cão: o sangue passa ao longo da estrutura para resfriá-la com o ar. Com isso, a ave consegue manter sua temperatura corporal sem gastar muita energia.

Posso ter um tucano como animal de estimação?

Você talvez pode pensar que esses pássaros são uma ótima escolha como animal de estimação. No entanto, a posse desses espécimes é ilegal na maioria dos países, o que torna impossível sua aquisição. Isso não se deve apenas ao fato de algumas espécies estarem em uma categoria de risco, mas também porque as necessidades desses animais são muito caras e poucos responsáveis as atendem plenamente.

Um tucano comendo sementes.

Os tucanos escondem alguns segredos por trás de sua aparência colorida. Isso inclui sua grande capacidade de adaptação aos recursos do ambiente, bem como sua maneira de usar todas as características a seu favor para sobreviver. No entanto, isso nem sempre é suficiente para lidar com problemas como a caça ilegal e o desmatamento de seu habitat.

This might interest you...
O tucano e seu bico colorido
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O tucano e seu bico colorido

Cada uma das aves que habitam esta terra tem uma característica marcante. No caso do tucano, seu bico grande e colorido é sua carta de apresentação...



  • Ragusa-Netto, J. (2008). Toco toucan feeding ecology and local abundance in a habitat mosaic in the Brazilian cerrado. Ornitol. Neotrop, 19, 345-359.
  • Galetti, M., Laps, R., & Pizo, M. A. (2000). Frugivory by Toucans (Ramphastidae) at Two Altitudes in the Atlantic Forest of Brazil 1. Biotropica, 32(4b), 842-850.
  • Remsen Jr, J. V., Hyde, M. A., & Chapman, A. (1993). The diets of Neotropical trogons, motmots, barbets and toucans. The Condor, 95(1), 178-192.
  • McNab, B. K., & Bosque, C. (2001). Energetics of toucans, a barbet, and a hornbill: implications for avian frugivory. The Auk, 118(4), 916-933.
  • Ragusa-Netto, J. (2006). Abundance and frugivory of the toco toucan (Ramphastos toco) in a gallery forest in Brazil’s Southern Pantanal. Brazilian Journal of Biology, 66, 133-142.
  • Short, L., Horne, J., & Horne, J. F. (2001). Toucans, barbets, and honeyguides: Ramphastidae, Capitonidae and Indicatoridae (Vol. 8). Oxford University Press.
  • Matinata, B. S., & Perrella, D. F. (2020). First record of geophagy by a Ramphastidae species (Piciformes). Ornithology Research, 28(3), 174-177.
  • Arteaga-Chávez, W. A., & Togán-Murillo, D. P. (2020). DEPREDACIÓN DEL TUCÁN ANDINO PIQUILAMINADO Andigena laminirostris (RAMPHASTIDAE) A UNA SERPIENTE DEL GÉNERO Chironius (COLUBRIDAE). Revista Ecuatoriana de Ornitología, (6), 62-66.
  • Holbrook, K. M. (2011). Home range and movement patterns of toucans: implications for seed dispersal. Biotropica, 43(3), 357-364.
  • de Guaraldo, A. C., Antqueves, L. M. C., & Manica, L. T. (2019). Beyond a feeding and thermoregulatory structure: toucan’s bill as a sword and pincer. Revista Brasileira de Ornitologia, 27(3), 145-148.
  • dos Santos, A. A., & Ragusa-Netto, J. (2013). Toco-toucan (Ramphastos toco) feeding habits at an urban area in Central Brazil. Ornitología Neotropical, 24, 1-13.
  • Cove, M. V., Fernandez, C. M., Alvarez, M. V., Bird, S., Jones, D. W., & Fagan, M. E. (2017). Toucans descend to the forest floor to consume the eggs of ground-nesting birds. Food Webs, 10, 2-4.
  • Silva, P. A. (2019). Flower eating by the Toco Toucan (Ramphastos toco) in an anthropogenic landscape during the dry season. Ornitologia Neotropical, 30, 51-55.
  • Alarcón-Nieto, G. (2009). Amplitud y traslape de la dieta de los tucanes y barbudos. Estación biológica Mosiro Itajura-Caparú: Biodiversidad en el territorio Yagojé-Apaporis. Bogotá, Colombia: Conservación Internacional Colombia.