Animais difíceis de domesticar: o polvo

junho 9, 2020
Muitos anos atrás, a ciência já havia descoberto que os polvos são provavelmente os invertebrados mais inteligentes do mundo. A grande cabeça em forma de bulbo desse animal contém o maior cérebro entre os invertebrados, mas não é fácil domesticá-los.

O polvo é um dos animais marinhos mais impressionantes devido a sua aparência inconfundível, sua grande cabeça em forma de bulbo e seus vários tentáculos. No entanto, esses moluscos também se destacam por sua grande inteligência e podem ficar facilmente entediados se não tiverem a mente bem estimulada.

Em seguida, tentaremos ir além da apresentação das características básicas e habitat dos polvos. Vamos falar sobre a incrível capacidade cognitiva do polvo e sua curiosa facilidade de entediar-se. Assim, você vai poder conhecer mais e melhor essa espécie tão interessante.

Alguns fatos básicos sobre os polvos

Os polvos são moluscos cefalópodes, que têm oito tentáculos cheios de ventosas. Assim como as lulas e as sépias, os polvos não possuem a proteção externa característica dos moluscos, como os mexilhões.

É um animal carnívoro, cuja dieta é baseada no consumo de uma grande variedade de animais marinhos. A dieta do polvo inclui crustáceos (lagostas, caranguejos e camarões), moluscos (amêijoas e mexilhões) e uma grande diversidade de peixes.

Essa curiosa espécie do mar também come algas para complementar sua nutrição. Esse alimento oferece um grande aporte de fibras, vitaminas, minerais e proteínas de alta qualidade.

Curiosamente, os impressionantes polvos gigantes podem consumir peixes grandes, como tubarões. Além disso, eles podem tirar vantagem da captura de pequenos pássaros que passam distraidamente na superfície da água.

A inteligência que o polvo demonstrou é incrível.

Habitat e longevidade do polvo

O polvo mostra preferência pelas águas salgadas das regiões tropicais e temperadas. Eles geralmente vivem perto de recifes de coral, onde encontram muitas fendas e buracos para fazerem suas “covas”. Também podem viver sob pedras para se proteger e se esconder de seus predadores.

No entanto, graças à sua capacidade adaptativa privilegiada, a população de polvos se expandiu por quase todos os oceanos do mundo. Curiosamente, observa-se que os espécimes que vivem em áreas mais quentes são pequenos ou médios, enquanto os polvos de água fria se destacam por seu grande tamanho.

A longevidade do polvo é altamente variável e depende principalmente das espécies que estão sendo analisadas. Em cativeiro, esse molusco pode viver cerca de cinco anos em ótimas condições. No entanto, sua expectativa de vida no habitat natural é calculada entre um e dois anos.

A grande inteligência que o polvo demonstrou

Segundo especialistas, a capacidade cognitiva dos polvos pode ser comparada, em alguns aspectos teóricos, à dos seres humanos. No entanto, sua evolução foi tão diferente da nossa que se torna impossível estabelecer um padrão real de comparação entre nossas inteligências.

Apenas para citar um exemplo: os polvos têm apenas um terço de seus neurônios no cérebro. Os outros dois terços são distribuídos por seus tentáculos, tornando seu sistema nervoso muito complexo. Além disso, essa característica faz com que os “braços” do polvo tenham reflexos sofisticados.

O polvo possui tentáculos.

O polvo fica entediado facilmente

Embora sua inteligência já tenha sido bem reconhecida, um fato surpreendente e curioso é que o polvo fica facilmente entediado. O motivo desse animal se entediar facilmente é precisamente a facilidade de aprender e memorizar os desafios que lhe são propostos.

Pesquisadores da Academia de Ciência da Califórnia ficaram surpresos ao perceber a alta necessidade de estimulação mental dos polvos. Eles precisam ser regularmente estimulados com novos jogos e quebra-cabeças para permanecerem mentalmente ativos e terem um comportamento estável.

O estranho e controverso experimento com ecstasy em polvos

Os biólogos Eric Edsinger e Gül Dölen propuseram uma experiência estranha e controversa sobre o sistema nervoso do polvo e suas possíveis semelhanças com os seres humanos.

Para isso, decidiram derramar ecstasy líquido na água dos polvos em um ambiente controlado. O objetivo era observar a resposta nervosa e comportamento social dos polvos após a exposição à substância alucinógena.

Eles ficaram surpresos ao observar que, como os humanos, os polvos se tornam mais amigáveis ​​ou sociáveis ​​com o efeito do ecstasy. Isso acontece porque suas moléculas se combinam com uma proteína dos neurônios, que produz altos níveis de serotonina. Esse hormônio é mais conhecido como “o hormônio da felicidade”.

O mais curioso é que essa proteína é encontrada no gene SLC6A4, que constitui o genoma de polvos e seres humanos. Portanto, essa pesquisa novamente abre as portas para a possibilidade de que haja mais coincidências entre a inteligência e o sistema nervoso de pessoas e moluscos.