Bacalhau comum: características e reprodução

setembro 21, 2019
O bacalhau comum habita as águas geladas do Oceano Atlântico. Predadores do fundo do mar, podem atingir até dois metros de comprimento e viver por mais de 20 anos.

O bacalhau comum é um animal marinho, também conhecido como bacalhau do Atlântico ou bacalhau norueguês. Suas populações estão concentradas no litoral do nordeste da América do Norte e da Groenlândia. Além disso, eles habitam as águas do Oceano Atlântico, perto da Islândia e do Mar do Norte.

Note que o bacalhau do Atlântico pode viver mais de 20 anos no seu habitat natural. O tamanho médio de um bacalhau adulto é de 130 centímetros, mas espécimes de quase dois metros de comprimento já foram registrados.

Uma das características mais significativas do bacalhau comum é a estrutura das suas barbatanas dorsais. Este animal é um dos poucos no oceano que possui três barbatanas dorsais, juntamente com duas barbatanas anais. Essa estrutura permite movimentos estáveis ​​e precisos, necessários nas regiões em que habita.

Embora façam parte da mesma espécie, nem todos os bacalhaus têm a mesma cor. O bacalhau comum que habita águas com mais algas geralmente têm uma cor de pele que varia entre vermelho arenoso e cinza esverdeado.

Por outro lado, o bacalhau comum que vive no fundo do oceano em maior profundidade e em águas mais frias geralmente apresenta uma cor cinza pálida. De qualquer forma, todos os bacalhaus têm uma cor mais escura na coluna do que na barriga, onde tendem a ser pálidos.

O bacalhau comum é um animal marinho

O bacalhau comum geralmente vive perto do fundo do oceano, em uma ampla variedade de habitats. Do litoral até a plataforma continental, esse animal chega até 600 metros de profundidade em águas costeiras.

O bacalhau também é encontrado em mar aberto, em águas com temperaturas entre 0 e 20 graus Celsius.

Ele atinge a idade reprodutiva entre os dois e três anos de idade. No entanto, foi registrado que as populações que vivem mais ao norte geralmente atingem a maturidade sexual entre os cinco e sete anos.

Segundo alguns estudos, os bacalhaus atingiam a maturidade sexual mais cedo um tempo atrás. Além disso, seu tamanho também foi bastante reduzido com o passar do tempo.

Hábitos reprodutivos

Não há muita informação sobre o comportamento reprodutivo do bacalhau comum. Até o momento, as informações coletadas pelos pesquisadores mostram um comportamento que não é completamente uniforme em cada grupo destes peixes.

Uma característica comum do comportamento reprodutivo de todas as comunidades é o som emitido pelos machos. Para emitir sons, os bacalhaus têm fortes “músculos de percussão” localizados perto da bexiga natatória. 

Embora esses músculos estejam presentes em machos e fêmeas, apenas os machos os usam para fins reprodutivos.

O estudo desses padrões sonoros permitiu que os pesquisadores determinassem que os machos com sons mais poderosos geralmente são aqueles que acasalam com sucesso. Quanto maiores forem os peixes, maiores e mais fortes serão os músculos de percussão, que os tornam mais atraentes.

Hábitos reprodutivos do bacalhau

De acordo com um estudo sobre o comportamento do bacalhau comum, as fêmeas são as que escolhem um companheiro durante a temporada de acasalamento. Por esse motivo, os machos tendem a nadar em círculos ao redor das fêmeas emitindo seus sons. 

Além disso, geralmente eles exibem comportamentos agressivos entre si para demonstrar superioridade.

Infelizmente, o impacto do homem no oceano parece ter afetado seriamente as populações de bacalhau. A poluição sonora produzida pela exploração do fundo do mar impede o desenvolvimento adequado dos padrões sonoros do peixe.

Consequentemente, seus padrões reprodutivos se desequilibraram nos últimos anos.

Migração do bacalhau comum

Estes são animais migratórios, que se deslocam para águas quentes no momento da reprodução. Embora um bacalhau comum possa se reproduzir em qualquer época do ano, geralmente o faz em águas mais quentes no final do inverno e no início da primavera.

As comunidades de bacalhau são organizadas hierarquicamente de acordo com o seu tamanho, que geralmente também está associado à sua idade.

As comunidades maiores costumam ter líderes que orientam a rota de migração. Alguns biólogos sugeriram que o bacalhau jovem aprende as rotas migratórias com os peixes mais velhos.

Eles chegaram a essa conclusão depois de observar as comunidades que haviam perdido a maior parte de seus peixes velhos e, consequentemente, seus líderes. Nessas comunidades, as rotas de migração mudaram significativamente.

Rowe, S., & Hutchings, J. A. (2004). The function of sound production by Atlantic cod as inferred from patterns of variation in drumming muscle mass. Canadian Journal of Zoology, 82(9), 1391-1398.

Committee on the Status of Endangered Wildlife in Canada (2003). Assessment and Update Report on Gadus Morhua (Atlantic Cod). xi + 76pp. Ottawa: COSEWIC.

Fahay, M. P., Berrien, P. L., Johnson, D. L., & Morse, W. W. (1999). Atlantic Cod, Gadus morhua, Life History and Habitat Characteristics. National Oceanic and Atmospheric Administration Technical Memorandum NMFS-NE-124.