Borboleta rabo-de-andorinha: a maior e mais exótica

abril 18, 2019
Este magnífico inseto é surpreendente por causa de seu grande tamanho e beleza extravagante. Seu nome se refere às extensões nas asas posteriores que se parecem mais com o rabo de uma andorinha.

A borboleta rabo-de-andorinha gigante ou Papilio cresphontes é uma borboleta surpreendente, exótica na aparência e muito comum nas Américas. A borboleta adulta é uma visitante bem-vinda em jardins, plantações e paisagens em geral.

Em estágio de larva ou lagarta, pode ser considerada uma praga devido ao hábito de se alimentar da folhagem da maioria das espécies de Citrus. Algumas larvas podem desfolhar rapidamente plantas pequenas ou jovens. No entanto, as larvas podem ser toleradas em grandes árvores cítricas.

Distribuição geográfica da borboleta rabo-de-andorinha

Este exemplar da natureza está amplamente distribuído em todo o continente americano. Seu alcance vai do sul da Nova Inglaterra até os estados do norte dos Grandes Lagos até Ontário, passando pelas partes do sul das Planícies Centrais até as Montanhas Rochosas.

A espécie se estende ao sul até o Caribe, ao sudoeste dos Estados Unidos e, através do México, às Américas Central e do Sul. A borboleta rabo-de-andorinha é muito comum em todo o Estado da Flórida.

Características morfológicas

A borboleta rabo-de-andorinha macho adulta pode medir cerca de 14 centímetros de comprimento, e a fêmea cerca de 14,7 centímetros. As superfícies da asa dorsal desta borboleta são pretas com uma impressionante faixa amarela diagonal nas asas anteriores.

As superfícies da asa ventral são principalmente amarelas. O rabo em forma de asas de andorinha pode variar de cor dependendo da localização geográfica. Algumas caudas são preenchidas com amarelo, outras são todas pretas e algumas são mais vermelhas brilhantes na parte traseira da asa ventral.

Larva de borboleta

Os cinco estágios larvares diferem na aparência, mas todos compartilham uma semelhança com excrementos de pássaros. Em estágios mais jovens parecem-se mais com fezes de aves devido ao seu tamanho menor.

As larvas maduras geralmente descansam nos caules ou pecíolos das folhas, mas as larvas mais jovens geralmente descansam a olho nu nas superfícies superiores das folhas. As últimas são predominantemente pretas ou marrons com uma faixa branca, e têm ‘pelos’ proeminentes.

Ciclo de vida da borboleta rabo-de-andorinha

A borboleta rabo-de-andorinha bebe o néctar de muitas flores e é comum em jardins de azaleias, buganvílias, madressilvas japonesas, vara de ouro e algodão de pântano. Ela também pode beber líquido de chorume.

Machos adultos patrulham rotas migratórias por florestas de pinheiros ou pomares cítricos em busca de fêmeas. O voo é muito forte e lento, e as borboletas podem viajar longas distâncias. O namoro e a copulação ocorrem à tarde.

As fêmeas geralmente depositam seus ovos individualmente na superfície superior das folhas das plantas hospedeiras. Os ovos são esféricos, medem de 1 a 1,5 mm e são de cor creme a marrom. Eles normalmente têm um revestimento irregular de uma secreção alaranjada que lembra a aparência da casca de laranja.

Borboleta pousando em flor

As larvas podem se metamorfosear em pequenos galhos da planta hospedeira ou podem percorrer uma distância curta até uma estrutura orientada verticalmente, como uma cerca ou outra planta.

A crisálida acastanhada geralmente orienta-se a 45º em relação ao substrato da pupa. Pelo menos duas, às vezes três, reproduções ocorrem anualmente na Flórida.

Controle biológico

A larva da borboleta rabo-de-andorinha é considerada uma pequena praga da laranja doce. As plantas hospedeiras das larvas incluem membros da família dos cítricos, sapote branco e outras plantas exóticas.

As pupas ficam imóveis e indefesas contra insetos parasitas. Os estágios larvais parecem ser mais seguros contra inimigos do que o estágio de pupa. As larvas se defendem contra predadores, tanto insetos quanto invertebrados, e contra insetos parasitas, porque são menos visíveis através da coloração e do padrão críptico.

Além disso, as larvas têm uma glândula na parte média atrás da cabeça que é usada quando atacada por pequenos predadores. Essa glândula emite uma secreção de substâncias químicas muito nocivas e pungentes que cheiram a manteiga rançosa. Essa secreção é repelente e tóxica para predadores como formigas e aranhas.

  • https://ypte.org/factsheets/butterfly-swallowtail/overview#section