Cabra-de-leque: características, distribuição e habitat

A cabra-de-leque domina as savanas do sul da África, com uma graça incomum e a capacidade de pular até 2 metros acima do nível do solo.
Cabra-de-leque: características, distribuição e habitat

Última atualização: 17 Abril, 2021

A cabra-de-leque (Antidorcas marsupialis) é uma espécie de antílope de tamanho médio que pode ser encontrada no sul da África. Estamos perante um caso atípico ao nível da conservação, uma vez que não só a cabra-de-leque não corre risco de extinção, mas também as suas populações têm aumentado de tamanho com o tempo.

Estima-se que, hoje, existam 1 750 000 exemplares reprodutivos em seu ambiente natural. Além disso, essa espécie foi introduzida no México para fins de colheita, onde ocupa cerca de 17 000 hectares de terra. Se você deseja saber tudo sobre esse bovídeo tão gracioso quanto belo, encorajamos você a continuar lendo.

Taxonomia e sistemática da cabra-de-leque

Em primeiro lugar, é importante destacar que a cabra-de-leque é um mamífero, ou seja, pertence à classe Mammalia. Se continuarmos em seu ramo filogenético, veremos que essa espécie pertence à ordem dos artiodátilos (Artiodactyla), um grupo de animais ungulados cujas extremidades terminam em um número par de dedos, apoiando-se em pelo menos 2.

Esse mamífero de aparência graciosa pertence à família dos bovídeos (Bovidae), onde também estão incluídas as cabras-domésticas, as vacas, as ovelhas, os bisões e outros antílopes. A cabra-de-leque é a única representante de seu gênero, mas se divide em três subespécies diferentes. São as seguintes:

  1. Antidorcas marsupialis angolensis: pode ser encontrada no sudoeste da Angola. Tem tamanho médio, em comparação com o resto das subespécies descritas.
  2. Antidorcas marsupialis hofmeyri: pode ser encontrada no sudoeste da África, mais especificamente nas regiões de Berseba e Namaqualand. É a maior subespécie.
  3. Antidorcas marsupialis marsupialis: distribui-se principalmente pelo Cabo da Boa Esperança e áreas adjacentes. É a menor das 3 subespécies descritas.
Uma população de gazelas saltadoras.

Descrição física

A cabra-de-leque não pertence ao gênero Gazella, que reúne pequenos antílopes. Esse bovídeo é muito semelhante externamente às típicas gazelas, mas possui 5 pares de dentes mastigatórios na mandíbula, enquanto os representantes do grupo Gazella possuem 6 pares.

Além disso, as cabras-de-leque têm uma dobra cutânea que se estende ao longo de toda a linha média dorsal até a cauda, uma característica ausente em seus parentes. De resto, esses animais têm tamanho médio, medindo cerca de 70 ou 80 centímetros das extremidades aos ombros. Em termos de comprimento, atingem cerca de 150 centímetros, com cerca de 25 centímetros de cauda.

Existem diferenças de tamanho e peso entre as subespécies, mas geralmente ficam na faixa entre 27 e 40 kg de massa corporal. Sua cor geral é o marrom-canela, com uma espécie de “máscara” branca na região do nariz e dos olhos, com um par de listras marrons que vão desde o lacrimal até o canto da boca.

Além das diferenças de peso e tamanho, as distintas subespécies também apresentam variações cromáticas em sua pelagem.

Habitat e costumes

Esses animais vivem nas savanas do sul da África, por isso estão perfeitamente adaptados a suportar o calor e a falta de água. Sua atividade depende do clima, pois forrageiam à noite nos momentos mais quentes, enquanto nos meses mais frios seu pico de atividade é durante o dia.

A cabra-de-leque é eminentemente herbívora e, portanto, sua única fonte de alimento são os vegetais. Quando pode, realiza atividades de pastoreio, ou seja, se alimenta de plantas herbáceas de caule baixo. Quando a falta de água domina o ecossistema e a grama seca, ela muda de estratégia e passa a consumir as folhas de certas árvores.

Como curiosidade, é importante destacar que esses bovídeos podem ficar muito tempo sem beber água, pois são organismos totalmente adaptados às estações secas. As cabras-de-leque obtêm praticamente todo o conteúdo de água de que necessitam de sua alimentação e podem até sobreviver a vida toda sem beber água.

Os leões e os leopardos são os principais predadores dessas cabras. Para conseguir escapar, elas desenvolveram velocidades de corrida incomuns: até 88 quilômetros por hora.

Mecanismo reprodutivo da cabra-de-leque

As fêmeas são receptivas à reprodução durante todo o ano, mas são mais propensas a acasalar com um macho quando os recursos são abundantes, durante a estação chuvosa. Além disso, as fêmeas atingem a maturidade reprodutiva aos 7 meses de idade, enquanto os machos não são capazes de produzir espermatozoides até os 2 anos de idade.

Esses animais têm estruturas sociais de tipo harém, com machos dominantes e um claro desequilíbrio entre os sexos. Os machos costumam lutar entre si por fêmeas e território, e também gastam muito de sua energia a fim de impressionar parceiras em potencial, saltando até 2 metros acima do solo – comportamento conhecido como pronking.

As fêmeas prenhas têm de 1 a 2 filhotes por parto, mas o período de gestação é muito curto, cerca de 5 meses.

Uma gazela saltitante praticando pronking.

Uma espécie em estado saudável

Surpreendentemente, as populações dessa espécie hoje são consideradas estáveis. A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) considera a cabra-de-leque um animal de pouca preocupação, pois não há fatores que ameacem sua sobrevivência.

E vamos além, pois foi demonstrado que é um dos poucos antílopes que apresenta tendências populacionais positivas hoje. Felizmente, parece que a cabra-de-leque continuará a tingindo nossos ecossistemas com cores e graça por muitos anos.

Pode interessar a você...
O antílope-negro e seu ciclo reprodutivo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O antílope-negro e seu ciclo reprodutivo

O antílope-negro é uma espécie nativa das planícies da Índia. Descubra mais sobre esse animal cobiçado por causa dos seus longos chifres.



  • Cain, J. W., Krausman, P. R., & Germaine, H. L. (2004). Antidorcas marsupialis. Mammalian Species, 2004(753), 1-7.
  • Malan, C. (2020). Quantification of springbok (Antidorcas marsupialis) meat yield and meat quality.
  • Bigalke, R. C., Hartl, G. B., Berry, M. P., & Van Hensbergen, H. J. (1993). Population genetics of the springbok Antidorcas marsupialis-a preliminary study. Acta Theriologica, 38, 103-103.
  • David, J. H. M. (1978). Observations on social organization of springbok, Antidorcas marsupialis, in the Bontebok National Park, Swellendam. African Zoology, 13(1), 115-122.