4 mamíferos que você não sabia que eram venenosos

Existem pouquíssimos mamíferos venenosos. Além disso, alguns dos grupos considerados produtores de substâncias tóxicas atualmente não são aceitos como tal por toda a comunidade científica.
4 mamíferos que você não sabia que eram venenosos

Última atualização: 01 Abril, 2021

Alguns animais produzem toxinas químicas naturalmente, com a função de imobilizar ou matar suas presas ou, ainda, de se defender de possíveis predadores. Historicamente, toxinas inoculadas através de dentes e ferrões foram associadas a répteis e invertebrados, mas você sabia que também existem mamíferos venenosos?

O limite do que é venenoso, tóxico e nocivo às vezes é difuso no mundo natural, uma vez que inocular bactérias patogênicas com uma picada em um hospedeiro não é considerado um potencial venenoso, por exemplo. Para que um veneno animal seja considerado como tal, ele deve ser composto por uma ou mais toxinas e poder ser injetado através de uma mordida e/ou picada.

Por esse motivo, as rãs Dendrobates, por exemplo, são consideradas tóxicas, mas não venenosas. Elas são letais se ingeridas, mas não têm a capacidade de inocular voluntariamente toxinas em suas presas ou predadores. Após essa interessante reflexão, vamos apresentar 4 mamíferos que você não sabia que eram venenosos. Não perca!

Quais são os mamíferos venenosos?

Os animais venenosos na classe dos mamíferos são heterogêneos e foram detectados em 3 ordens diferentes: Monotremata, Chiroptera e Eulipotyphla. Também foi proposta a inclusão de alguns representantes da ordem Primates nessa categoria, embora haja algumas discrepâncias de acordo com as fontes bibliográficas consultadas.

As teorias evolutivas postularam que o veneno em mamíferos é raro porque esses animais já possuem mecanismos suficientes para atacar e se defender. Por exemplo, se analisarmos um leão, não é difícil perceber que com seus dentes e músculos são mais do que suficientes para enfrentar qualquer perigo ou desafio.

Um roedor ou um lagomorfo (coelho) podem não ser os animais com mais recursos para se defender fisicamente, mas possuem um sistema locomotor incomum que lhes permite fugir de forma eficaz de qualquer perigo. Assim, a necessidade de uma toxina da classe Mammalia é uma raridade. Como exceção à regra, aqui estão 4 mamíferos venenosos.

1. Ornitorrinco (Ornithorhynchus anatinus)

Começamos com um clássico, pois o ornitorrinco é um dos poucos mamíferos venenosos que permeou a cultura popular. Suas toxinas são armazenadas nas glândulas crurais, estruturas únicas desses animais que são conectadas a um esporão, localizado nas extremidades posteriores dos machos da espécie.

É importante destacar que tanto os machos quanto as fêmeas nascem com esporões, mas elas os perdem durante seu desenvolvimento. O macho apresenta um pico de atividade nas glândulas crurais durante a época de acasalamento, pois se teoriza que pode ser um mecanismo para estabelecer domínio sobre outros competidores na fase reprodutiva.

Esse veneno é composto por cerca de 19 peptídeos, moléculas compostas por um número variável de aminoácidos. Segundo quem já passou por essa situação, o contato com o esporão do ornitorrinco é extremamente doloroso, mas pelo menos não é fatal para os humanos.

Ornitorrinco: um exemplo de mamíferos venenosos.

2. Morcego-vampiro (Desmodus rotundus)

O morcego-vampiro é considerado venenoso, pois possui uma saliva com múltiplos anticoagulantes e proteolíticos. Isso tem uma função evolutiva clara: evitar que a ferida do hospedeiro cure, para que o animal possa continuar a sugar seu sangue.

Esses animais se alimentam do sangue de outros mamíferos, geralmente espécies de rebanho. Normalmente, eles esperam a noite para pousar em sua presa e, sem fazer muito barulho, cravam os dentes e causam feridas superficiais. Curiosamente, os vampiros parecem preferir o sangue de hospedeiras fêmeas, provavelmente por causa de seus hormônios.

O rosto de um Desmodus rotundus.

3. Os primatas do gênero Nyicticebus

Os primatas Nyicticebus são considerados o único gênero de primatas venenosos. Eles produzem suas toxinas na glândula braquial, localizada próximo à axila. Esses animais misturam o veneno com a saliva para se defender do perigo, já que seus predadores naturais sentem aversão ao composto quando expostos a ele.

No entanto, há alguma controvérsia sobre se os compostos desses primatas realmente são considerados venenosos ou não. Seu efeito poderia ser meramente alérgico e não tóxico por natureza, uma vez que a única morte registrada por sua mordida em humanos foi por choque anafilático.

Um exemplo incomum de mamíferos venenosos.

4. Mamíferos insetívoros

Há alguns anos, a ordem Insectivora era usada para englobar vários mamíferos pequenos, como musaranhos, ouriços e toupeiras. Atualmente, esse agrupamento está em desuso, já que muitas espécies foram catalogadas em novos clados de acordo com a filogenia.

Como menção honrosa, queremos destacar que as 2 espécies do gênero Solenodon são mamíferos venenosos, pois possuem glândulas salivares modificadas que produzem toxinas. Outros antigos representantes da ordem dos insetívoros também têm saliva tóxica, como alguns musaranhos e toupeiras.

Toupeiras no jardim.

Como você viu, na natureza não existem muitos exemplos de mamíferos venenosos. A produção e a inoculação de substâncias tóxicas consome muita energia, então apenas animais anatomicamente indefesos seguem essa intrincada rota de defesa e predação.

Pode interessar a você...
O tomate é um veneno para os cachorros
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O tomate é um veneno para os cachorros

O tomate e veneno para os cachorros. Se em seu quintal há uma plantação de tomates, é recomendável que você restrinja o acesso de seu pet, especialmente a partes como folhas e talos, pois ali são encontradas a maior parte das toxinas.



  • Whittington, C. M., Papenfuss, A. T., Locke, D. P., Mardis, E. R., Wilson, R. K., Abubucker, S., … & Warren, W. C. (2010). Novel venom gene discovery in the platypus. Genome biology, 11(9), 1-13.
  • Nekaris, K. A. I., Moore, R. S., Rode, E. J., & Fry, B. G. (2013). Mad, bad and dangerous to know: the biochemistry, ecology and evolution of slow loris venom. Journal of Venomous Animals and Toxins including Tropical Diseases, 19(1), 1-10.
  • Kakumanu, R., Hodgson, W. C., Ravi, R., Alagon, A., Harris, R. J., Brust, A., … & Fry, B. G. (2019). Vampire venom: Vasodilatory mechanisms of vampire bat (Desmodus rotundus) blood feeding. Toxins, 11(1), 26.