5 curiosidades sobre os avestruzes

Os avestruzes são as maiores e mais pesadas aves do planeta. Sua morfologia e seus hábitos são muito diferentes do que estamos habituados a observar nas aves da cidade.
5 curiosidades sobre os avestruzes

Última atualização: 18 Abril, 2021

Os avestruzes (Struthio camelus) carregam alguns dos títulos de “o animal mais … do mundo". Claro, esses pássaros que não voam são animais realmente impressionantes: não apenas seu tamanho chama a atenção, mas também seu comportamento, sua personalidade e seu modo de vida os tornam partes essenciais do ecossistema.

A área de distribuição da espécie é muito ampla. No entanto, no passado, o número de indivíduos existentes despencou devido à caça ilegal e ao comércio de penas. Embora esses fatores não sejam mais ameaças, a destruição de seu habitat é e pode colocar essas aves em sério perigo. A seguir, confira mais curiosidades sobre os avestruzes.

1. Os avestruzes têm um cérebro menor que o globo ocular?

Sempre se disse que o cérebro do avestruz é realmente pequeno, ainda menor que seus próprios olhos. É verdade que o tamanho relativo da cabeça do animal em relação ao resto do corpo é obviamente muito menor. Por mais curioso que seja o desenho corporal dessa ave, ela não escapa de cumprir as regras morfométricas básicas.

Em geral, todos os pássaros têm olhos muito grandes em comparação com outras partes do corpo. Essas estruturas são a principal fonte de informação externa que as aves possuem, o que significa que esses órgãos devem ter um desenvolvimento maior que os outros.

Em avestruzes, acontece a mesma coisa. Os olhos devem ser – e são – maiores do que seu cérebro, uma vez que todas as informações do exterior chega através desses órgãos. Para um avestruz, enxergar um predador a tempo pode significar a diferença entre a vida e a morte.

Por outro lado, o pequeno tamanho do seu cérebro tem outra explicação. Struthio camelus é um animal precocial. Isso significa que os jovens nascem com a capacidade de ouvir, ver e andar. São seres bastante desenvolvidos que não têm necessidade de ficar em um ninho e podem seguir os pais desde o primeiro momento.

Os pássaros precociais, assim como os dinossauros, não precisam desenvolver tanto seu cérebro quanto, por exemplo, os pássaros altriciais. Portanto, o aumento da capacidade cerebral faz pouco sentido para eles. Ao contrário das aves precociais, as altriciais nascem quase sem faculdades e devem permanecer no ninho por bastante tempo.

As curiosidades sobre avestruzes são inúmeras.

2. Eles não podem voar, mas suas asas são muito importantes

Os avestruzes são aves corredoras e o grande peso que atingem na idade adulta – cerca de 180 quilos – os impede de voar. Apesar disso, esses majestosos animais usam suas asas para outras tarefas.

Por um lado, as asas dos avestruzes ajudam o equilíbrio durante as corridas, que podem ultrapassar 74 quilômetros por hora. Além disso, os apêndices das asas também têm uma função defensiva para a postura dos ovos – e depois para os filhotes, que se sentem seguros sob a asa oca de sua mãe.

Por fim, as asas dos avestruzes desempenham um papel muito importante durante o cortejo. O comportamento reprodutivo dessas aves envolve uma dança nupcial realizada com as asas que vai convencer ou não a fêmea a copular com um macho.

3. O avestruz macho tem pênis

A reprodução das aves consiste na união das cloacas de machos e fêmeas. Ambos os sexos possuem dutos chamados cloacas, onde convergem o aparelho excretor, os intestinos e o aparelho reprodutor. Isso significa que as fezes, a urina, os gametas masculinos e os ovos saem pelo mesmo orifício.

Os avestruzes machos passaram por uma adaptação e, em vez de terem apenas a cloaca, também possuem um pênis, por onde liberam esperma e também urinam. Esse é um exemplo claro de dimorfismo sexual que não pode ser visto a olho nu.

A cópula entre avestruzes é bastante curta, apenas um minuto. Depois disso, ocorre um orgasmo em ambos os sexos e a cópula termina.

4. Podem matar um leão com um chute

O corpo dos avestruzes é preparado para correr. Isso implica que os músculos das pernas são altamente desenvolvidos. Prova disso é que as patas de um avestruz devem ser capazes de fazer um corpo que pesa cerca de 180 quilos correr a mais de 70 quilômetros por hora, o que não é nada fácil.

Outra adaptação dessas aves para correr mais rápido é que elas têm apenas 2 dedos, o que facilita muito a passada.

Os avestruzes usam suas patas como armas de defesa. Um chute de um espécime adulto pode quebrar ossos e ferir gravemente grandes predadores na savana africana. Portanto, os leões, por exemplo, pensam duas vezes antes de atacar uma dessas majestosas aves.

5. Os avestruzes não escondem a cabeça por medo

Existe uma crença popular de que os avestruzes enterram a cabeça no chão quando se sentem intimidados. Isso é totalmente falso: pelo contrário, são animais bastante agressivos que não hesitarão um segundo em se defender.

Os exemplares que abaixam a cabeça para se esconder quando sentem perigo são os filhotes de avestruz. Isso nada mais é do que uma estratégia para se esconder quando seus corpos ainda não são grandes o suficiente para que consigam se defender sozinhos.

Cortejo de um avestruz.

Não há dúvida de que Struthio camelus é uma espécie incrível com adaptações para a vida na savana africana e para a sobrevivência em um ambiente cruel. Onde os recursos são escassos, a engenhosidade e a força reinam.

Pode interessar a você...
Curiosidades sobre os gatos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Curiosidades sobre os gatos

Quanto você sabe sobre gatos? São um dos animais de estimação favoritos. Encontre várias curiosidades sobre os gatos aqui!



  • Alexander, R. M., Maloiy, G. M. O., Njau, R., & Jayes, A. S. (1979). Mechanics of running of the ostrich (Struthio camelus). Journal of Zoology, 187(2), 169-178.
  • Bennett, P. M., & Harvey, P. H. (1985). Relative brain size and ecology in birds. Journal of Zoology, 207(2), 151-169.
  • Burton, R. F. (2008). The scaling of eye size in adult birds: relationship to brain, head and body sizes. Vision Research, 48(22), 2345-2351.
  • Nazer, M. B., Campos, R., & Voll, J. (2019). Systematization, description, and territory of the middle cerebral, rostral, and cerebroethmoidal arteries on the surface of the brain of the Ostrich (Struthio camelus). The Anatomical Record, 302(7), 1187-1194.
  • Romick, C. A. (2013). Ontogeny of the brain endocasts of ostriches (Aves: Struthio camelus) with implications for interpreting extinct dinosaur endocasts (Doctoral dissertation, Ohio University).
  • Sambraus, H. H. (1994). The sexual behavior of the African ostrich (Struthio camelus). Tierarztliche Praxis, 22(6), 538-541.