Cobra-capelo: habitat e características

As antitoxinas ou antivenenos causam uma reação alérgica em 75% dos casos, razão pela qual são usados apenas em casos graves. Por esse motivo, a maioria das mordidas de coleção são tratadas com métodos ambulatoriais igualmente eficazes.
Cobra-capelo: habitat e características

Última atualização: 26 Setembro, 2021

A cobra-capelo, também chamada de naja-indiana, é um réptil peculiar, capaz de esticar bem sua pele, exibindo uma postura bastante ameaçadora. Embora sua aparência seja comum dentro do grupo das cobras, o veneno que inocula é considerado um dos mais letais, o que a torna temida pelos habitantes locais.

Existem muitas controvérsias com a taxonomia das cobras do gênero Naja, pois suas diferenças não parecem estar tão claras. No entanto, nesse espaço iremos nos concentrar na espécie Naja naja, que é considerada o exemplar basal da maioria das cobras indo-asiáticas. Continue lendo para aprender mais sobre esse perigoso e belo réptil.

Habitat e distribuição da cobra-capelo

A cobra-capelo é um réptil da Índia cuja distribuição cobre a maior parte do subcontinente. Por esse motivo, sua presença foi registrada em países como Paquistão, Sri Lanka, Nepal, Butão e Afeganistão. Essa espécie comumente habita diferentes regiões de florestas, planícies ou campos abertos, embora também possa ser encontrada em áreas com assentamentos humanos.

 

Uma cobra-capelo levantada.

Como é a cobra-capelo?

As dimensões desse animal venenoso ultrapassam os 2 metros de comprimento. Além disso, suas escamas têm acabamento liso, com colorações que variam entre o preto, o marrom e o branco. Em alguns casos, esses mesmos tons aparecem em padrões com listras intercaladas ao longo de seu corpo.

As cobras têm uma característica adicional muito distintiva, pois têm costelas flexíveis que elas podem esticar à vontade. Essa habilidade permite que elas estiquem a pele da parte superior do corpo para formar um “capuz” que se estende em forma de “asas”. O resultado é o que lhe confere sua popular postura de tocaia, que a diferencia de outras cobras.

Esse réptil se caracteriza por possuir 2 marcas pretas em seu capuz, uma nas costas que lembra um óculos e outra na barriga, cujo formato se assemelha a 2 olhos. Dessas duas, a mais fácil de reconhecer é a que está nas costas, um padrão de dois círculos unidos por uma linha curva.

Comportamento

No momento em que esse organismo se sente ameaçado, ele estica seu capuz como forma de advertência ao inimigo. Graças a isso, 1/3 de seu corpo parece mais volumoso, o que serve para tentar impactar e dissuadir seu predador. Além disso, as duas manchas na barriga também servem para simular olhos gigantes, que são um recurso extra para o agressor recuar.

Veneno

Essa espécie pertence a uma das “4 grandes cobras” da Índia, responsáveis pelo maior número de mortes humanas nessa região. A reputação que ostenta não é surpreendente, pois seu veneno contém neurotoxinas paralisantes, cujo efeito é fatal no coração. Em outras palavras, suas toxinas (cardiotoxinas) podem causar a morte por parada cardiorrespiratória.

Felizmente, hoje em dia existem antídotos eficazes contra a mordida letal desse animal. Na verdade, graças aos avanços da medicina (e com o tratamento adequado), a probabilidade de morrer é bastante baixa, mesmo sem ter o antídoto à mão.

O que a cobra-capelo come?

A dieta dessa cobra é composta por roedores, lagartos e sapos, que são perseguidos até o momento perfeito para morder. Por isso, seu veneno é uma ótima ferramenta, ajudando-a a paralisar e matar sua vítima quase imediatamente. Uma vez que a presa não consegue mais lutar, esse organismo aproveita para engoli-la por completo, como qualquer outra cobra.

Esse réptil é um caçador habilidoso, pois tem a capacidade de localizar suas presas depois de ter injetado seu veneno nelas. De acordo com um estudo conduzido pela Universidade do Colorado , a cobra persegue sua presa até conseguir injetar suas toxinas e espera que façam efeito. Dessa forma, mesmo que a vítima se mova por mais alguns centímetros, a cobra pode seguir seu rastro utilizando sua língua bifurcada.

Reprodução

Como a maioria dos répteis, essa espécie de cobra é ovípara, então a reprodução termina com a postura de seus ovos. Para isso, o macho inicia o cortejo por meio de “enrolamentos”, ou seja, ele se entrelaça com a fêmea e eles rolam várias vezes no chão. Esse processo termina com a cópula, na qual o macho penetra na fêmea, interrompendo todo o ritual.

Após 2 semanas, a nova mãe põe entre 12 e 20 ovos em seu ninho. Esse local consiste em uma toca, tronco ou buraco que serve para proteção. Esses pequenos ovos eclodirão após 80 dias de incubação. Na verdade, todos os filhotes nascem muito ativos. Por isso, à menor provocação, costumam esticar o capuz.

Embora a maioria das cobras tenda a abandonar seus filhotes após a oviposição, as cobras fêmeas têm algum cuidado parental. Isso é observado em seu comportamento, à medida que se tornam mais agressivas para proteger seu ninho e até mesmo se recusam a abandoná-lo apesar do perigo.

Estado de conservação

A União Internacional para a Conservação da Natureza não possui essa espécie classificada em nenhuma categoria. Pelo contrário, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Selvagem a agrupa em seu apêndice 2. Isso significa que, apesar de não estar ameaçada, pode vir a estar se a exploração de seus espécimes não for controlada.

Os indivíduos dessa espécie são muito abundantes em suas áreas nativas, por isso é comum seu uso na medicina tradicional. Além disso, há uma recente popularidade pelo seu uso em tecidos e como animais de estimação, o que faz com que essas cobras sejam caçadas em diversos locais para satisfazer o mercado.

 

Uma cobra-capelo juvenil.

É verdade que esses organismos representam um perigo para o homem, porém, por isso não é necessário matá-los. Na maioria das espécies venenosas existe um grande potencial latente, uma vez que suas toxinas podem ser utilizadas para a síntese de novos fármacos. A cobra pode deixar de ser o pior antagonista para se tornar o melhor herói, mas tudo depende se ela conseguirá sobreviver até então.

Pode interessar a você...
5 répteis domésticos para ter como animal de estimação
Meus Animais
Leia em Meus Animais
5 répteis domésticos para ter como animal de estimação

Apesar da incapacidade de domesticá-los totalmente, existem alguns répteis que podem ser mantidos como animais de estimação. Confira!



  • Akbari, A., Rabiei, H., Hedayat, A., Mohammadpour, N., ZOU, A. H., & TEYMOURZADEH, S. (2010). Production of effective antivenin to treat cobra snake (Naja naja oxiana) envenoming.
  • Britt, A., & Burkhart, K. (1997). Naja naja cobra bite. The American journal of emergency medicine15(5), 529-531.
  • Tryon, B. W. (1979). Reproduction in captive forest cobras, Naja melanoleuca (Serpentes: Elapidae). Journal of Herpetology13(4), 499-504.
  • Lance, V., & Lofts, B. (1978). Studies on the annual reproductive cycle of the female cobra, Naja naja. IV. Ovarian histology. Journal of morphology157(2), 161-179.
  • Mukherjee, A. K., & Maity, C. R. (2002). Biochemical composition, lethality and pathophysiology of venom from two cobras—Naja naja and N. kaouthia. Comparative Biochemistry and Physiology Part B: Biochemistry and Molecular Biology131(2), 125-132.
  • Shashidharamurthy, R., Jagadeesha, D. K., Girish, K. S., & Kemparaju, K. (2002). Variation in biochemical and pharmacological properties of Indian cobra (Naja naja naja) venom due to geographical distribution. Molecular and cellular biochemistry229(1), 93-101.
  • Mukherjee, A. K., & Maity, C. R. (1998). The composition of Naja naja venom samples from three districts of West Bengal, India. Comparative biochemistry and physiology part A: molecular & integrative physiology119(2), 621-627.
  • Chiszar, D., Stimac, K., Poole, T., Miller, T., Radcliffe, C. W., & Smith, H. M. (1983). Strike induced chemosensory searching in cobras:(Naja naja kaouthia, N. mossambica pallida). Zeitschrift für Tierpsychologie63(1), 51-62.
  • Deshmukh, R. V., Deshmukh, S. A., Badhekar, S. A., & Katgube, S. D. (2021). Unusual feeding behavior by a Spectacled Cobra, Naja naja (Linnaeus 1785) in India. Reptiles & Amphibians28(1), 32-33.
  • Mavromichalis, J. M., & Bloem, S. A. (1995). A successful breeding of Naja naja sputatrix atra. Litteratura Serpentium15(2), 26-30.
  • Suryamohan, K., Krishnankutty, S. P., Guillory, J., Jevit, M., Schröder, M. S., Wu, M., … & Seshagiri, S. (2020). The Indian cobra reference genome and transcriptome enables comprehensive identification of venom toxins. Nature genetics52(1), 106-117.