Como os crocodilos se reproduzem?

Os crocodilos se reproduzem de uma maneira mais parecida com a dos mamíferos do que você poderia imaginar. Em todo caso, algumas das peculiaridades em relação a esse tema poderão surpreender você.
Como os crocodilos se reproduzem?

Última atualização: 23 Junho, 2021

Os crocodilos são seres imponentes, letais, rápidos e armados com dentes prontos para matar. De qualquer modo, embora estejam no topo da cadeia alimentar e dominem de forma absoluta os ecossistemas que habitam, também passam por estágios de crescimento em que são pequenos, vulneráveis e, acima de tudo, adoráveis. Você sabe como os crocodilos se reproduzem?

Embora possa não parecer, o ato que dá origem à fertilização nos crocodilos é mais semelhante do que se poderia imaginar ao praticado pelos mamíferos. Se você quiser saber tudo sobre a dança sexual desses répteis, tão arcaicos quanto fascinantes, não deixe de conferir as informações a seguir.

Características dos crocodilos

Em primeiro lugar, é importante observar que o termo “crocodilo” se refere, em seu sentido mais estrito, apenas a membros da família Crocodylidae. Esse táxon engloba 3 gêneros divididos em 15 espécies diferentes, que são consideradas as representantes dos “crocodilos típicos”. Alguns exemplos são Crocodylus niloticus, Crocodylus palustris e Crocodylus siamensis.

Se um critério de classificação mais amplo for utilizado, todos os membros da ordem Crocodilia podem ser incluídos nesse grupo. Isso engloba crocodilos, jacarés, caimões e gaviais. Seja como for, todos esses répteis são fósseis vivos, considerando que o início de sua existência remonta a 83,5 milhões de anos, têm escamas e corpos robustos, dentes afiados e estão ligados à água.

Todos os crocodilos são répteis de corpo alongado, focinho achatado e proeminente, cauda comprimida e várias adaptações ao meio aquático.

 

O rosto de um crocodilo.

Onde eles vivem?

Os crocodilos são animais eminentemente tropicais e podem ser encontrados na África, na Ásia, na Austrália e em certas regiões das Américas. Sua tendência a climas quentes não é anedótica: os répteis são ectotérmicos e, portanto, precisam do calor ambiente para funcionar. Portanto, você nunca verá um crocodilo vivendo nos polos.

Além disso, esses seres são inseparáveis dos ambientes aquáticos. Sua estratégia de caça é do tipo “sit and wait” (sentar e esperar): eles ficam escondidos e imóveis em um corpo d’água, esperando que um mamífero ou ave se aproxime para beber. Assim que capturam sua presa, eles a carregam para o fundo do corpo d’água em que estão, a afogam e a despedaçam.

Como os crocodilos se reproduzem?

Os crocodilos são geralmente políginos, o que significa que os machos tentam se reproduzir com o maior número de fêmeas possível. De qualquer modo, estudos indicam que são poucos os machos dominantes que deixam descendentes em cada ciclo reprodutivo, deslocando os mais fracos.

Quando um macho e uma fêmea receptiva se encontram, ocorre uma série de comportamentos reprodutivos (fricções faciais, poses natatórias e comportamentos de submissão, entre outros) que podem durar algum tempo. Quando a fêmea está “convencida”, ambos vão para a água e ocorre a fecundação propriamente dita.

Curiosamente, esses animais apresentam uma fecundação interna. Conforme indicado por fontes profissionais, o falo do crocodilo é um órgão em forma de cone, que termina em um septo cloacal. Ele não é visível em situações normais, pois fica retraído no orifício cloacal. A inserção do pênis ocorre após o alinhamento das cloacas e o ato dura cerca de 15 minutos.

Assim que os crocodilos se reproduzem, o macho abandona a fêmea e procura outras parceiras reprodutivas em potencial.

Quando atingem a maturidade sexual?

Os crocodilos atingem a maturidade sexual em média aos 10 anos de idade. Pode parecer um número muito alto, mas é necessário considerar o seguinte: espécimes da espécie Crocodylus porosus vivem até 70 anos e os da espécie Crocodylus niloticus variam entre 50 a 60 anos. Em outras palavras, são répteis de vida realmente longa.

Os crocodilos machos se reproduzem quando atingem 25 centímetros de comprimento, um valor ligeiramente inferior para as fêmeas.

A incubação dos ovos

Os crocodilos são ovíparos. Isso significa que, após a fertilização, as fêmeas colocam um número variável de ovos que se desenvolvem no ambiente. Antes que ocorra a oviposição, as fêmeas cavam ninhos, que podem ser definitivos ou abandonados. É possível detectar a atividade dos crocodilos sem vê-los graças a essas construções.

Uma vez que a fêmea tiver escolhido o local certo, ela passa a dar à luz seus filhotes, dependendo da espécie, serão de 7 a 95 ovos, variando entre 40 e 60 nas espécies típicas. Terminada a postura, o espaço é coberto e a fêmea não se afasta muito em nenhum momento durante todo o processo de incubação, que dura até 95 dias.

Determinação do sexo dos filhotes

Pode ser que essa informação soe familiar para você, pois é de conhecimento geral que o sexo dos filhotes de crocodilo é determinado pela temperatura. Conforme indicado por estudos publicados na Royal Society, ovos incubados a 30 ℃ darão origem a fêmeas, enquanto aqueles expostos a temperaturas mais altas (34 ℃) serão machos.

Como é muito mais fácil manter a temperatura constante em cerca de 30 ℃ do que de 34 ℃, a maioria dos filhotes que nascem são fêmeas, embora possa haver espécimes de ambos os sexos em uma única postura devido a mudanças ambientais mínimas. Portanto, fontes já citadas estimam que a razão de gênero na maioria das populações de crocodilos e jacarés é de 10:1, ou seja, 10 fêmeas para cada macho.

A taxa de mortalidade é muito alta durante a infância, mas quando os crocodilos crescem, geralmente conseguem sobreviver sem problemas.

Cuidado parental em crocodilos

Os crocodilos são os répteis mais sociais que existem. Embora não formem grupos ou manadas, os exemplares costumam se reunir nas margens dos rios, aquecendo-se com os raios de sol. De qualquer modo, existem hierarquias: os crocodilos de maior tamanho são aqueles que têm acesso às áreas mais vantajosas e a mais fêmeas na época de acasalamento.

Devido à sua sociabilidade, os crocodilos são capazes de emitir vocalizações e se comunicar entre si. Isso é muito importante durante o desenvolvimento dos filhotes, pois eles começam a produzir um som em forma de “gorjeio” antes de nascer, avisando à mãe que estão prontos para sair ao mundo. Antes desse chamado, a fêmea escava o ninho e cuida para que todos os seus filhotes nasçam sãos e salvos.

Depois que todos os ovos tiverem eclodido, geralmente quase ao mesmo tempo, a fêmea coloca os filhotes na boca e os leva para a água, onde permanecerão em grupo até atingirem tamanho suficiente para se emancipar. A título de curiosidade, estudos na revista Nature mostraram que as fêmeas prestam menos atenção aos chamados dos filhotes maiores, pois isso pode promover sua autonomia e desapego.

 

Crocodilos saindo do ovo.

As curiosidades sobre os crocodilos são inúmeras, desde a forma como se reproduzem até a determinação do sexo. Por trás dessa máquina de matar, existem mães atenciosas e cuidadosas e uma sociabilidade inusitada no mundo dos répteis. Sem dúvida, esses fósseis vivos nunca deixarão de nos surpreender.

Pode interessar a você...
6 curiosidades sobre os crocodilos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
6 curiosidades sobre os crocodilos

As curiosidades sobre os crocodilos são múltiplas, pois esses répteis são mais inteligentes e fascinantes do que podem parecer.



  • Piña, C. I., Merchant, M. E., & Verdade, L. M. (2015). Introduction: reproduction in Crocodilians. South American Journal of Herpetology, 10(1), 1-3.
  • Lang, J. W. (1987). Crocodilian thermal selection. Wildlife management: crocodiles and alligators, 301, 317.
  • Larriera, A., Simoncini, M. S., Cruz, F. B., & Piña, C. I. (2011). Climatic effects on the reproductive biology of Caiman latirostris (Crocodylia: Alligatoridae). Amphibia-Reptilia, 32(3), 305-314.
  • Chabert, T., Colin, A., Aubin, T., Shacks, V., Bourquin, S. L., Elsey, R. M., … & Mathevon, N. (2015). Size does matter: crocodile mothers react more to the voice of smaller offspring. Scientific reports, 5(1), 1-13.
  • Woodward, D. E., & Murray, J. D. (1993). On the effect of temperature-dependent sex determination on sex ratio and survivorship in crocodilians. Proceedings of the Royal Society of London. Series B: Biological Sciences, 252(1334), 149-155.