Curiosidades sobre as cobras de duas cabeças

As duas cabeças das cobras bicefálicas têm vontade própria e entram em conflito durante muitas das tarefas essenciais para sua sobrevivência.
Curiosidades sobre as cobras de duas cabeças

Última atualização: 07 Maio, 2021

Cobras com mais de uma cabeça são um tropo comum na mitologia de diferentes culturas, mas também ocorrem excepcionalmente no mundo real. As cobras que nascem com duas cabeças são chamadas de cobras bicefálicas.

Esse fenômeno é extremamente raro, mas parece ocorrer com mais freqüência em répteis do que em outros grupos de animais. Ao longo dos anos, um número considerável de cobras de duas cabeças foi detectado, especialmente entre espécimes criados em cativeiro.

Embora a bicefalia seja um processo fascinante, geralmente tem um impacto muito negativo na vida das cobras. Se você quiser saber mais sobre essa estranha e curiosa condição, continue a leitura.

Origem das cobras de duas cabeças

As cobras de duas cabeças não são produto da evolução, mas surgem como resultado de erros durante o desenvolvimento embrionário, semelhantes aos que podem ocorrer em humanos siameses.

As cobras de duas cabeças podem se originar por meio de um processo denominado bifurcação axial, no qual o embrião começa a se dividir ao longo de seu maior eixo, mas nunca termina. Também podem se originar pelo processo oposto: a fusão de 2 embriões diferentes que não se completa, resultando em um animal com 2 cabeças.

Portanto, a bicefalia é uma malformação, que pode ser causada por fatores genéticos – como no caso da endogamia – ou por fatores ambientais que afetam o desenvolvimento embrionário.

Dependendo do momento de desenvolvimento em que esse erro ocorre e de sua magnitude, cada cobra de duas cabeças será diferente das outras. Algumas cobras têm apenas duas cabeças, enquanto outras também têm dois estômagos ou até dois corações. Além disso, o grau de separação das cabeças também varia.

É possível que esse defeito ocorra com mais frequência em répteis porque eles têm muito mais descendentes e põem ovos, que ficam mais expostos ao ambiente. Além disso, as espécies desse grupo não apresentam os mecanismos de controle embrionário presentes nos mamíferos.

Uma python com 2 cabeças.

Tudo isso significa que não existem espécies de cobras de duas cabeças, e sim indivíduos específicos que podem pertencer a qualquer espécie. Essas mutações são o resultado de um erro, e não uma característica normal.

Além disso, essas espécies provavelmente nunca venham a existir, uma vez que as cobras com duas cabeças são menos viáveis do que aquelas que têm apenas uma. A bicefalia acarreta uma série de problemas graves que causam a morte prematura de indivíduos que sofrem disso.

Portanto, as cobras de duas cabeças quase nunca têm descendência. A bicefalia geralmente não é herdada e não é selecionada pela evolução. Por esse motivo, essa característica não está presente em nenhum táxon vertebrado do reino animal.

Problemas derivados da bicefalia

Ter duas cabeças acarreta muitas dificuldades para o comportamento e a sobrevivência das cobras. Os chefes desses espécimes pensam de forma independente e frequentemente discordam.

Por esse motivo, as cobras de duas cabeças têm problemas quando se trata de se alimentar. Frequentemente, as duas cabeças lutam para consumir uma presa como se fossem animais diferentes, então a predação leva muito mais tempo do que o normal.

Além disso, as cobras confiam muito no olfato. Isso faz com que, se uma das cabeças se impregnar com o cheiro da presa, a outra possa atacá-la ou tentar consumi-la.

Esses répteis também têm dificuldade para procurar ou perseguir alimento, pois uma das cabeças pode estar interessada em caçar, mas a outra não. Esse problema se aplica até mesmo para questões como decidir em que direção se mover, como se defender contra um predador ou para onde fugir.

Além disso, a bicefalia também pode afetar os rituais de cortejo das cobras. Dependendo da espécie, os machos costumam esfregar a cabeça nas costas da fêmea. Ter duas cabeças pode dificultar esse comportamento.

Muito compreensivelmente, a vida desses animais é curta por natureza. Mesmo os indivíduos cativos muitas vezes morrem mais cedo do que o esperado e têm uma qualidade de vida inferior. Portanto, por mais chamativos que sejam, não é aconselhável tentar produzir esses animais.

Algumas espécies que apresentaram essa característica

Alguns ofídios têm maior probabilidade do que outras de apresentar esse estranho evento. Algumas delas são as seguintes:

  • Cobra-de-escada (Zamenis scalaris): em 2002, foi encontrado um espécime selvagem dessa espécie ibérica que tinha duas cabeças. Com apenas 20 centímetros de comprimento, era um jovem. Foi entregue a biólogos da Universidade de Valência para estudo.
  • Lampropeltis getula: essa cobra foi encontrada no Arizona quando era apenas um filhote e viveu por 17 anos em uma universidade. Essa longevidade raramente é alcançada por um animal com essas características.
  • Cobra do milho (Pantherophis guttatus): Um espécime de duas cabeças desta espécie teve mais de 15 filhotes normais no Zoológico de San Diego.
  • Serpente-mocassim-cabeça-de-cobre (Agkistrodon contortrix): um espécime selvagem de duas cabeças dessa espécie venenosa foi encontrado na Virgínia, EUA, em 2018. Curiosamente, uma de suas cabeças era mais dominante do que a outra.
As cobras-do-milho tendem a ter duas cabeças mais do que outras espécies.

Essa lista poderia ser muito maior, pois os exemplos são numerosos, especialmente entre as cobras domésticas. Embora muito vulneráveis, as cobras de duas cabeças oferecem a oportunidade de estudar o funcionamento do sistema nervoso e a tomada de decisões em um contexto muito especial.

Pode interessar a você...
Cobras como animais de estimação: uma boa ideia?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Cobras como animais de estimação: uma boa ideia?

Por mais que queiramos ter cobras como animais de estimação, elas ainda são animais selvagens. Leia mais sobre o assunto antes de tomar sua decisão.