11 curiosidades da espécie de água-viva Turritopsis dohrnii

Confira tudo sobre a espécie de água-viva Turritopsis dohrnii.
11 curiosidades da espécie de água-viva Turritopsis dohrnii

Última atualização: 30 maio, 2022

A espécie de água-viva Turritopsis dohrnii é o único ser vivo na face da Terra capaz de reiniciar seu ciclo de vida. É por isso que em alguns lugares ela é é conhecida como a água-viva imortal, e dessa vez não é um eufemismo. Se você quer conhecer melhor esse animal incrível, aqui encontrará vários fatos que vão deixar você de cabelo em pé! Não perca.

11 curiosidades sobre a água-viva Turritopsis dohrnii

Esse hidrozoário há anos surpreende os cientistas e o público em geral. A imortalidade, condição típica das lendas, torna-se realidade para esse animal marinho. Continue lendo para saber mais sobre ele.

A espécie de água-viva Turritopsis dohrnii

1. A água-viva Turritopsis dohrnii é um pólipo novamente

Como é possível renascer? Essa água-viva faz isso de uma maneira muito específica, desde qualquer um de seus estágios de vida pode se retrair de volta ao seu estado de pólipo. O sino e os tentáculos se quebram para dar lugar a um perissarco, estolões e pólipos de alimentação.

2. Essa habilidade é única no reino animal

Embora existam várias subespécies de Turritopsis dohrnii, nenhum outro animal é capaz de se retrair aos primeiros estágios de sua vida. De fato, seu ciclo sexual também recomeça e a transformação geralmente ocorre se a água-viva não tiver conseguido se reproduzir.

As subespécies mais conhecidas são Turritopsis nutricula, Turritopsis rubra e Turritopsis dohrnii.

3. Habita os mares ao redor do mundo

A maior densidade da água-viva Turritopsis dohrnii foi encontrada no Mediterrâneo e nas águas do Japão, capturada por acidente e infelizmente em redes de pesca. No entanto, pode ser encontrada em mares de todo o mundo, mas muito mais separadas.

Outras subespécies são mais abundantes em áreas tropicais, como no Mar do Caribe.

4. Sua transformação tem condições

Os experimentos realizados com essa água-viva indicam que a reversão ao estado de pólipo requer a presença de células diferenciadas da epiderme exumbral e a manutenção de parte do sistema gastrovascular. Caso contrário, não será capaz de rejuvenescer.

5. Seu ciclo de vida se repete até 60 vezes

Em um ambiente de laboratório controlado, a água-viva Turritopsis dohrnii reiniciou seu ciclo de vida mais de cinquenta vezes. No entanto, esse processo ainda não foi observado na natureza, de forma que ainda há muito a ser estudado.

6. Já era conhecida desde 1843

Essa espécie é registrada desde meados do século XIX, quando foi descoberta pelo zoólogo René-Primevère Lesson. No entanto, sua imortalidade só foi confirmada em 1996.

7. Também se regeneram

Quando espécimes da água-viva Turritopsis dohrnii eram trazidas para o laboratório, muitas vezes eram danificadas, especialmente quando eram removidas de seu ambiente quando jovens. No entanto, foi assim que sua habilidade foi descoberta. Diante desse evento estressante, os hidrozoários se regeneraram, reestruturaram seus tecidos e voltaram a ser pólipos.

8. Suas células se transformam

Observou-se que essa capacidade de rejuvenescer se deve a uma propriedade de suas células chamada transdiferenciação. Graças a ela, as fêmeas maduras mudam para adotar outras funções dentro do corpo.

Isso inclui células-tronco, que mudam sua especialização para dar origem a diferentes tecidos e células no novo ciclo de vida.

9. Por que os mares não são invadidos pela água-viva Turritopsis dohrnii?

Como é o caso de uma água-viva imortal, seria comum pensar que os oceanos deveriam ser cheios delas, pois elas não morrem e continuam se reproduzindo. No entanto, é necessário levar em conta uma coisa: esse hidrozoário mede apenas meio centímetro de diâmetro. É praticamente um zooplâncton que permanece suscetível a ser consumido por outras espécies.

10. Muito mistério

Embora todos os dados obtidos em laboratório sejam fascinantes, ainda há muito a ser respondido. A sequência de redefinições biológicas é realmente interminável? Qual é o processo químico que permite essa transformação? A água-viva Turritopsis dohrnii que emerge é uma nova versão de si mesma ou um indivíduo diferente? As perguntas não têm fim, mas estamos caminhando em direção às respostas.

Água-viva Turritopsis dohrnii

11. Aplicação em medicina e veterinária

Embora os humanos sempre tenham sonhado em escapar da morte, a maioria dos cientistas pensa em objetivos muito mais realistas como conhecer a fundo o processo biológico de regeneração, que poderia ser aplicado à medicina, especialmente no campo da regeneração de tecidos ou câncer.

Por outro lado, essas mesmas descobertas poderiam ser aplicadas a outras espécies animais, ajudando aquelas que convivem com os humanos e aquelas que sofrem com nossa ação no planeta. Seja como for, a água-viva fênix detém a chave para a imortalidade, mas nós, humanos, temos a responsabilidade de usá-la para o bem, se alguma vez a dominarmos.

Pode interessar a você...
O que as águas-vivas comem?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O que as águas-vivas comem?

Com certeza você se surpreenderá com tudo que as águas-vivas comem, dependendo da espécie e do lugar onde moram, é claro. Confira!



  • Piraino, S., Boero, F., Aeschbach, B., & Schmid, V. (1996). Reversing the life cycle: medusae transforming into polyps and cell transdifferentiation in Turritopsis nutricula (Cnidaria, Hydrozoa). The Biological Bulletin190(3), 302-312.
  • WoRMS. (s. f.). Turritopsis dohrnii (Weismann, 1883). WoRMS – World Register of Marine Species -. Recuperado 5 de abril de 2022, de https://www.marinespecies.org/aphia.php?p=taxdetails&id=151801