Dermatite estival equina : causas, sintomas e tratamento

A dermatite estival equina é um problema de pele que afeta cada vez mais cavalos domésticos. Você quer aprender a lidar com isso?
Dermatite estival equina : causas, sintomas e tratamento

Última atualização: 10 Setembro, 2021

A dermatite estival equina é uma condição cada vez mais comum em equinos em todo o mundo. É a doença alérgica cutânea mais relatada em cavalos e um dos principais motivos de consulta no veterinário, pois surge com recorrência a cada verão. Sua etiologia está associada à picada de certos insetos, que proliferam em climas quentes e com alta umidade relativa.

O tratamento dessa condição é multifatorial, pois exige do responsável o controle da presença de insetos, o manejo dos sintomas do animal e a prevenção de futuras exposições ao agente biológico conflitante. Se você quiser saber tudo sobre a dermatite estival equina, continue lendo.

O que é a dermatite estival equina?

O termo “dermatite” refere-se a qualquer tipo de inflamação alérgica da pele, conforme indicado pelo site MSD Veterinary Manuals. A dermatite pode ser de vários tipos: causada por alimentos, por falhas no sistema imunológico, pela exposição excessiva ao sol, pelo contato com certos produtos químicos e muitas outras coisas.

O sinal clínico mais comum de dermatite é a coceira ou o prurido constantes. Além disso, à medida que a inflamação progride nas diferentes camadas da pele, costuma-se observar o aparecimento de “escamas” epidérmicas e crostas. Se a condição atingir a camada mais interna (derme), o animal sente dor, desenvolve secreções purulentas e  apresenta queda de pelo fora da estação.

A dermatite favorece o estabelecimento de infecções secundárias, pois a pele fica lesionada e funciona como porta de entrada para vários patógenos.

 

O agente causador da dermatite estival equina

Existem algumas divergências sobre o que desencadeia a dermatite estival equina. O site veterinário Girovet indica que pode ser causada pela exposição ao sol, pelo consumo de determinados alimentos, por picadas de insetos ou por muitos outros processos alérgicos. No entanto, a maioria das fontes consultadas concorda que a condição se caracteriza por um gatilho específico.

Em geral, foi estabelecido que a doença é uma reação alérgica causada por compostos da saliva de invertebrados do gênero Culicoides. Esse táxon inclui um grupo de moscas dípteras que se alimentam do sangue do cavalo e, nesse processo, promovem o aparecimento de lesões locais, transmitindo várias doenças.

Como indicam os estudos, o corpo do cavalo pode reagir à picada liberando imunoglobulinas do tipo E. Esse composto se liga a seus receptores e promove a liberação de citocinas e moléculas pró-inflamatórias, que geram a resposta alérgica propriamente dita. Em outras palavras, o sistema imunológico do animal reage de forma exagerada a um evento levemente prejudicial em primeira instância.

Outros artrópodes hematófagos que não pertencem ao gênero Culicoides também podem desencadear essa hipersensibilidade.

Sintomas

O sintoma mais comum da dermatite estival equina é o aparecimento de coceira constante no animal, seguida de feridas com crostas na pele e infecções secundárias. Outros sinais clínicos que devem ser levados em consideração nesse quadro são os seguintes:

  • Bolhas no local da picada.
  • Lesões com secreções purulentas, principalmente ao redor da cabeça e das orelhas.
  • Perda de cabelo em manchas, produto da coceira do cavalo.
  • Engrossamento da pele nas áreas afetadas.
  • Perda de pigmentação do pelo.

De acordo com estudos, 75% dos cavalos com dermatite estival equina apresentam sintomas moderados, 16% graves e 9% leves. Sem dúvida, o quadro se torna muito mais complicado quando o animal desenvolve uma infecção secundária devido à presença de ferimentos.

Diagnóstico e tratamento

Assim que o paciente chegar ao veterinário, o profissional perguntará ao tutor sobre todos os sintomas e fará um exame físico geral. Uma vez que se conclui que se trata de uma alergia, o diagnóstico é bastante complicado, pois o problema reside em encontrar o tipo de alérgeno que causou o aumento dos anticorpos no sangue do cavalo.

Por esse motivo, geralmente é recomendável reunir as moscas ou qualquer tipo de artrópode que esteja no animal e levá-los ao ambulatório.

Por outro lado, os anti-histamínicos são a primeira via de tratamento em quase todos os casos. Esses fármacos bloqueiam os receptores de histamina, um dos compostos essenciais no desenvolvimento de respostas alérgicas. Após sua administração, o quadro clínico do cavalo deve melhorar, mas nem sempre os resultados esperados são obtidos.

Os antibióticos também costumam ser prescritos nos casos mais graves, pois evitam que infecções secundárias desenvolvidas nas feridas do animal se espalhem pelo corpo. Não há cura para a reação alérgica em si, então o responsável deve se preparar para tratá-la em ocasiões futuras.

Como prevenir a dermatite estival equina?

Como não se pode impedir o corpo do animal de responder à mordida, o melhor que o tutor pode fazer é evitar o contato entre a mosca e o cavalo em primeiro lugar. Para isso, as dicas a seguir são muito úteis:

  1. Limitar a exposição do cavalo: as larvas desses dípteros se desenvolvem em corpos d’água. Portanto, é necessário manter o cavalo longe de qualquer ecossistema que contenha poças, rios ou lagoas. Os prados secos são a melhor opção durante a primavera, pois neles se evita ao máximo a exposição do animal aos invertebrados.
  2. Comprar roupas e coberturas de proteção: existem produtos especiais para cavalos que protegem toda sua pele das mordidas. Nas épocas mais problemáticas do ano, essa pode ser a única opção 100% eficaz.
  3. Usar repelentes de insetos: é necessário usar repelentes no ambiente do cavalo para matar todas as moscas que possam habitar a área. Alguns deles são específicos para equinos e podem ser aplicados em sua pele.

Além dessas medidas preventivas, deve-se observar que manter a pele do cavalo saudável evitará o desenvolvimento de muitos sintomas dermatológicos. Uma alimentação balanceada e a aplicação de cremes específicos para equinos vão ajudar muito nesse aspecto.

 

Um cavalo relinchando com um sorriso.

A dermatite estival equina é uma doença que dura a vida toda. Se o seu cavalo apresentou sintomas durante a primavera e o verão em um ano, é provável que os manifeste novamente no ano seguinte e durante toda a vida. Portanto, a melhor abordagem é sempre a prevenção: proteja seu equídeo e evite as picadas das moscas em primeiro lugar.

Pode interessar a você...
Glaucoma em cavalos: causas, sintomas e tratamento
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Glaucoma em cavalos: causas, sintomas e tratamento

O glaucoma em cavalos é uma doença grave que requer cuidado veterinário em todos os casos. Se você quiser saber mais, continue lendo.