Os 10 animais mais perigosos do deserto

No deserto, geralmente não há pontos médios. Ao menor descuido, as espécies usam suas habilidades perigosas para acabar com suas vítimas e não deixar passar uma oportunidade.
Os 10 animais mais perigosos do deserto

Última atualização: 05 Novembro, 2021

Os desertos são um dos habitats com as condições mais severas que existem, pois o excesso de calor e a falta de água criam espaços difíceis para viver. Além disso, a variação de temperatura é exagerada, com um forte calor à tarde e um frio devastador à noite. Todas essas características fazem com que os animais do deserto desenvolvam mecanismos perigosos para lidar com o meio ambiente.

Embora o ambiente do deserto seja complexo, há um grande número de espécies que conseguem sobreviver nele. No entanto, encontrar alguns deles pode ser fatal. Leia e conheça os 10 animais mais perigosos do deserto.

1.Echis carinatus

É uma víbora venenosa encontrada na Ásia Central e no Oriente Médio e faz parte do grupo das “4 grandes cobras”, famosas por seus perigosos venenos. A picada dessa espécie é capaz de matar sua vítima, mas nem todos os espécimes injetam veneno suficiente para isso.

Essa é uma das espécies mais mortais de cobras terrestres conhecidas. Mesmo assim, o uso de antídotos reduziu muito os desfechos fatais causados pela picada dessa espécie.

Um dos animais mais perigosos do deserto.

2. Monstro-de-gila (Heloderma suspectum)

O monstro-de-gila faz parte do único gênero de lagartos venenosos que existe. Ao contrário da crença popular, esse réptil não usa o veneno para matar suas vítimas, pois suas toxinas só produzem fortes dores e paralisia. No entanto, o perigo dessa espécie não está em sua letalidade, mas na terrível experiência que ela pode fazer você passar.

Um monstro-de-gila em uma pedra.

3. Escorpiões

Apesar de seu tamanho, os invertebrados também podem representar um perigo mortal para os humanos. A maioria dos escorpiões é temida pela sociedade, pois seus venenos são responsáveis por várias mortes. Devido à sua natureza, os ambientes áridos e quentes são excelentes para o seu desenvolvimento, razão pela qual o deserto é um dos seus habitats mais recorrentes.

Um dos animais mais perigosos do deserto.

4. Loxosceles deserta

Essa aranha da Califórnia, Estados Unidos, é um dos aracnídeos mais perigosos encontrados em ambientes desérticos. Isso ocorre porque seu veneno contém componentes necróticos que podem causar complicações graves (ou morte) quando a lesão não recebe os devidos cuidados.

Uma aranha Loxosceles deserta de corpo inteiro.

5. Abelha-africanizada (Apis mellifera)

A abelha africanizada nada mais é do que uma variação da abelha-europeia, de modo que sua toxina é tão perigosa quanto a desta última. Como você pode imaginar, sua mordida não é letal por si só, mas o risco está no grande número de espécimes atacando um alvo ao mesmo tempo. Além disso, o veneno que injetam pode desencadear uma reação alérgica capaz de colocar a vida da vítima em risco.

Como as abelhas veem?

6. Onça-parda (Puma concolor)

Embora seja difícil de acreditar, as onças-pardas são animais perigosos e adaptados a vários ambientes, por isso podem ser vistos em certas áreas do deserto montanhoso. Esse felino é o segundo maior da América e é um caçador inato que não hesita em aproveitar qualquer tipo de presa. Sua força, velocidade, garras e presas a tornam uma espécie temível.

Um dos animais mais afetados pelas mudanças climáticas.

7. Formigas-lava-pés (gênero Solenopsis)

As formigas-lava-pés abrangem um grande número de espécies, entre as quais existem exemplares adaptados ao clima árido do deserto. Como se não bastasse, o veneno produzido por esses insetos causa uma grave irritação no corpo, cuja sensação é semelhante à de uma queimadura. Essas mesmas toxinas costumam causar reações alérgicas que podem ser fatais para a vítima.

As formigas-lava-pés dividem sua colônia em castas compostas por uma rainha, operárias e machos reprodutores.

Um dos animais mais perigosos do deserto.

8. Avestruz (Struthio camelus)

Você provavelmente não esperava encontrar avestruzes nesta lista, pois eles tendem a ser pássaros com comportamentos bastante dóceis. No entanto, as patas características dessa espécie em particular dão a ela uma habilidade extra de escapar de predadores. Devido a sua grande força e densidade óssea, um chute desse animal pode matar até um leão.

Um dos animais bípedes.

9. Dingo (Canis lupus dingo)

O dingo é um descendente próximo dos lobos que também possui algumas características físicas dos cães modernos. Esses canídeos são caçadores inatos em seu habitat e geralmente não são agressivos com os humanos. No entanto, a escassez de alimentos pode mudar seu comportamento e levá-los a atacar qualquer coisa viva que encontrarem.

Além do mais, ocorreu um triste acontecimento (há 40 anos) em que uma possível matilha de dingos atacou fatalmente um bebê de apenas 2 meses de idade. Esse evento foi tão chocante que foi feito um filme sobre essa história. Apesar disso, não há nenhuma evidência certa de que esses canídeos foram os culpados, mas há casos de ataques não letais a outros humanos.

Um dingo no deserto

10. Canguru-vermelho (Macropus rufus)

Apesar de esses marsupiais serem bem conhecidos e amados pela sociedade, o perigo potencial que eles representam nem sempre é pensado. Isso não significa que sejam agressivos por natureza, mas que sua reação à nossa presença pode causar desconforto. Lembre-se de que estamos falando de um animal com patas bem desenvolvidas, capaz de causar ferimentos graves se não houver cuidado.

O chute de um canguru-vermelho pode causar fraturas graves no esqueleto humano.

Cangurus-vermelhos correndo.

Cada um dos animais acima pode causar ferimentos graves (ou até mesmo a morte). Apesar disso, a maioria não atacará a menos que seja perturbada. Consequentemente, muitos acidentes fatais são causados pelo manejo impróprio de animais: considere que todo ser vivo merece seu respeito, não brinque com a vida deles, muito menos com a sua.

Pode interessar a você...
O feneco ou raposa do deserto
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O feneco ou raposa do deserto

O feneco ou raposa do deserto é o menor dos canídeos. É um exemplo perfeito de adaptação ao meio: tudo em seu corpo, em sua alimentação e em seu co...



  • Swinson, C. (1976). Control of antivenom treatment in Echis carinatus (Carpet Viper) poisoning. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, 70(1), 85-87.
  • Eng, J., Kleinman, W. A., Singh, L., Singh, G., & Raufman, J. P. (1992). Isolation and characterization of exendin-4, an exendin-3 analogue, from Heloderma suspectum venom. Further evidence for an exendin receptor on dispersed acini from guinea pig pancreas. Journal of Biological Chemistry, 267(11), 7402-7405.
  • Gilbert, M. M., Snively, E., & Cotton, J. (2016). The tarsometatarsus of the Ostrich Struthio camelus: anatomy, bone densities, and structural mechanics. PloS one, 11(3), e0149708.
  • Winston, M. L. (1992). The biology and management of Africanized honey bees. Annual review of entomology, 37(1), 173-193.
  • Knight, D., & Bangs, M. J. (2007). Case report. Cutaneous allergic vasculitis due to Solenopsis geminata (Hymenoptera: Formicidae) envenomation in Indonesia. Southeast Asian journal of tropical medicine and public health, 38(5), 808.
  • Vorhies, C. T. (1917). Poisonous animals of the desert. College of Agriculture, University of Arizona (Tucson, AZ).