10 curiosidades sobre as aranhas-camelo

As aranhas-camelo são aracnídeos pouco conhecidos pela população em geral que habitam locais secos e inóspitos. Você quer conhecê-los?
10 curiosidades sobre as aranhas-camelo

Última atualização: 20 Setembro, 2021

As aranhas-camelo ou solífugos são os grandes desconhecidos da classe Arachnida. Seu formato é muito estranho, elas formam um grupo relativamente pequeno e vivem em áreas desérticas. Então as pessoas que vivem em cidades raramente encontram um espécime em sua região. Você quer conhecer 10 curiosidades sobre as aranhas-camelo?

Esses fascinantes invertebrados são inofensivos para os humanos, seu cortejo é vertiginoso e a ciência ainda tem muito a descobrir sobre eles. Nessa ocasião, apresentaremos 10 fatos interessantes que permitirão que você se aproxime dos solífugos sem sair de casa, já que localizar um espécime vivo é bastante difícil. Continue lendo!

1. As aranhas-camelo não são aranhas

Em primeiro lugar, deve-se notar que os solífugos são aracnídeos (classe Arachnida ), mas não pertencem à ordem Araneae. Também não são escorpiões, nem ácaros, nem opiliões: apesar do nome comum, formaram seu próprio táxon batizado como ordem Solifugae.

A ordem que reúne todas as aranhas-camelo tem cerca de 1000 espécies divididas em 153 gêneros. Para se ter uma ideia, estima-se que existam mais de 49.600 espécies de aranhas, 6.500 de opiliões e 2.500 de escorpiões, portanto o grupo dos solífugos é um dos menores entre os aracnídeos.

As aranhas-camelo são aracnídeos, mas não pertencem à mesma ordem das aranhas. Não se deixe enganar pelo nome comum.

2. As aranhas-camelo têm um corpo único

Os solífugos têm um desenho corporal comum semelhante ao dos demais aracnídeos. Por exemplo, possuem cefalotórax (no qual estão os olhos, as quelíceras, os pedipalpos e os 4 pares de patas locomotoras) e abdome de 10 segmentos, com gonóporo e estigmas respiratórios em sua seção ventral.

Uma das curiosidades mais marcantes sobre as aranhas-camelo são suas quelíceras. Enquanto nas aranhas e nos escorpiões são bem pequenas, nos solífugos elas são alongadas, ocupando basicamente toda a região da cabeça e dando-lhes um aspecto bastante agressivo. Além disso, essas estruturas são biarticuladas: possuem um “dedo fixo” e um “dedo móvel”, o que lhes confere a função de pinça.

Os pedipalpos também são marcantes, pois têm uma morfologia diferente da das patas e servem, sobretudo, para sondar o terreno.

 

3. As aranhas-camelo em tamanhos variados

As aranhas-camelo têm diferentes formas e cores, embora quase todas as espécies se caracterizem por sua tonalidade creme e seus pelos no corpo e nas patas. No que diz respeito ao tamanho, existem algumas diferenças: a espécie europeia Gluvia dorsalis mede cerca de 3 centímetros de comprimento, enquanto a Galeodes arabicus atinge facilmente 15 centímetros de altura.

Esta última espécie é de grande interesse, pois também se destaca pelo tom de corpo negro e aparência robusta. Quase se parece mais com um escorpião do que com um solífugo, mas devemos lembrar que as aranhas-camelo formam sua própria ordem e os outros aracnídeos são seus parentes, não análogos.

4. As aranhas-camelo são atraídas pela secura

Os solífugos são indicadores endêmicos da presença de um deserto próximo. Isso significa que se você ver um animal desses, está em uma área seca ou prestes a chegar lá. Apesar de sua relação clara com áreas desérticas, deve-se notar que algumas espécies também colonizaram locais semiáridos e pastagens mediterrâneas. Elas se espalharam por todo o mundo, exceto Austrália e Antártica.

Algumas poucas espécies habitam florestas, mas isso não é comum.

5. Animais noturnos

As curiosidades sobre as aranhas-camelo se esfumaçam um pouco daqui, pois ainda falta muitas informações sobre a ecologia dessa ordem. Em todo o caso, sabe-se que são animais maioritariamente noturnos, embora alguns se aventurem a fazer incursões durante o dia.

Conforme indicado pela Aragonese Entomological Society, Gluvia dorsalis é uma das espécies mais estudadas em termos de hábitos, principalmente por ser o único solífugo da Península Ibérica. Na Espanha, essa aranha-camelo passa o inverno hibernando em sua toca, depois sai à noite durante os meses de primavera e verão para se alimentar e se reproduzir.

6. Predadores, como quase todos os aracnídeos

Talvez pelo aspecto de suas quelíceras você já tenha suspeitado que as aranhas-camelo são predadoras, certo? Embora elas não tenham glândulas venenosas como outros de seus parentes, esses invertebrados carregam uma parte bucal que pode atingir até 1/3 do comprimento do corpo. Os solífugos pegam suas presas com as quelíceras e as partem em pedaços para comê-las.

Esses aracnídeos se alimentam de cupins, besouros, gafanhotos e qualquer invertebrado terrestre que esteja em seu caminho. São também necrófagos oportunistas, já que foram vistos comendo carcaças de camundongos, cobras e até pequenos pássaros. No deserto, nada se perde.

7. Aracnídeos velozes

Outra curiosidade sobre as aranhas-camelo é que são bastante rápidas, pelo menos se as compararmos com outros aracnídeos do seu tamanho. Como indica a National Geographic, elas podem atingir a velocidade de 16 km/h. São seres ectotérmicos (de sangue frio) que vivem em lugares muito quentes, então podem “se dar ao luxo” de gastar sua energia correndo.

A temperatura das aranhas-camelo depende do ambiente. Como tende a ser muito alta em ambientes secos, seu metabolismo pode acelerar.

8. Sabe-se muito pouco sobre sua reprodução

Até o momento, não foram detectadas situações que indiquem a possibilidade de reprodução dessa espécie em cativeiro. Acredita-se que os machos de cada espécie se sincronizam e buscam desesperadamente as fêmeas, pois durante esse tempo eles não se alimentam, não se abrigam em tocas, nem param para descansar. Vivem muito pouco, então sua única missão é a fertilização.

A reprodução das aranhas-camelo ocorre em 3 etapas: “assalto”, “colocação da fêmea” e “inseminação”. Todo o procedimento pode ser feito em questão de meio minuto: o macho surpreende a fêmea, a coloca em posição de submissão absoluta e a fecunda. Depois disso, ele foge em busca de outra parceira.

9. Curiosidades sobre as aranhas-camelo: mães em tocas

Uma vez fertilizada, a fêmea continua com sua vida normal. No entanto, aumenta drasticamente sua voracidade e começa a construir uma toca muito ampla, usando suas quelíceras como escavadeiras. A mãe bota de 50 a 200 ovos em um curto espaço de tempo e fica com eles até a eclosão, cerca de 12 horas depois.

Os filhotes ainda não se desenvolveram totalmente quando eclodem do ovo, por isso apresentam uma forma larval e imóvel e se alimentam das reservas vitelinas. É a partir da primeira muda de exoesqueleto que começam a levar uma vida normal, embora com um tamanho bem menor que o dos adultos.

As aranhas-camelo mudam de 9 a 10 vezes antes de atingir a maturidade sexual.

 

As curiosidades das aranhas-camelo são múltiplas.

10. São animais inofensivos

Como última curiosidade sobre as aranhas-camelo, queremos enfatizar que elas são animais inofensivos, pois carecem de glândulas venenosas ou ferrões que injetam toxinas. Sua mordida é muito dolorosa, mas um espécime nunca atacará um humano, a menos que você coloque os dedos em suas quelíceras ou tente pisar no animal.

Por isso, se um dia você tiver a sorte de encontrar um exemplar dessa ordem na sua casa, não o mate em hipótese alguma. Pegue-o com um copo ou uma caixa e leve-o para o quintal, pois ele manterá afastados os insetos que possam surgir.

Pode interessar a você...
Aranhas-saltadoras: as aranhas mais adoráveis do reino animal
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Aranhas-saltadoras: as aranhas mais adoráveis do reino animal

As aranhas-saltadoras são aranhas de tamanho pequeno e hábitos saltadores. Suas principais características incluem uma excelente visão. Veja!



  • Orden Solifugae, Sociedad Entomológica Aragonesa. Recogido a 18 de agosto en http://sea-entomologia.org/IDE@/revista_19.pdf
  • Hrušková-Martišová, M., Pekár, S., & Cardoso, P. (2010). Natural history of the Iberian solifuge Gluvia dorsalis (Solifuges: Daesiidae). The Journal of Arachnology, 38(3), 466-474.
  • Maury, E. A. (1982). Solifugos de Colombia y Venezuela (Solifugae, Ammotrechidae). Journal of Arachnology, 123-143.
  • de Armas, L. F. (2004). Arácnidos de República Dominicana: Palpigradi, Schizomida, Solifugae y Thelyphonida (Chelicerata: Arachnida). Sociedad Entomológica Aragonesa, Grupo Ibérico de Aracnología.