O escorpião Centruroides sculpturatus: tudo que você precisa saber

A picada do escorpião Centruroides sculpturatus pode ser perigosa para os humanos. Apesar disso, esse animal é pacífico e tranquilo. Ele só vai picar se for manuseado ou se sentir ameaçado.
O escorpião Centruroides sculpturatus: tudo que você precisa saber

Última atualização: 29 Maio, 2021

O Centruroides sculpturatus é uma das espécies de escorpião que pode ser encontrada no México e nos Estados Unidos. Pertence ao grupo Buthidae, a maior família de escorpiões que existe, com mais de 90 gêneros e 1000 espécies registradas até o momento.

Apesar do seu pequeno tamanho, esse escorpião é o mais venenoso da América do Norte. Sua picada é capaz de causar sintomas graves em humanos, que muito ocasionalmente podem levar à morte.

Como consequência, também é uma das espécies mais conhecidas pela população em geral, pelo menos nas áreas onde é endêmica. Convidamos você a continuar lendo se quiser aprender mais sobre a biologia desse animal.

Características do escorpião Centruroides sculpturatus

Esse escorpião tem uma aparência muito representativa de sua família. Seu tamanho é de médio a pequeno, cerca de 8 centímetros nos machos e 7 centímetros nas fêmeas. Os membros e o metassoma (cauda) são amarelo-mostarda, enquanto os segmentos que compõem o mesossomo (corpo) apresentam listras mais escuras.

Os escorpiões são aracnídeos e, como tais, têm 4 pares de patas que usam para andar. As pinças são pedipalpos desenvolvidos e modificados para serem capazes de agarrar a presa. Por outro lado, a cauda nada mais é do que uma extensão do corpo que se estreita e se alonga. Sua última divisão, chamada télson, contém o ferrão e a glândula venenosa.

Junto com o corpo achatado contra o solo, a cauda e as garras dão aos escorpiões uma aparência inconfundível. O escorpião Centruroides sculpturatus se destaca por ter uma cauda e apêndices mais finos do que outros escorpiões. Mesmo assim, essa espécie é difícil de distinguir de outros parentes próximos.

Como acontece com a maioria dos escorpiões, essa espécie emite uma fluorescência azulada quando iluminado com luz ultravioleta no escuro. Essa é uma maneira segura, simples e altamente eficaz de localizá-lo no escuro, que permite evitar encontros infelizes.

 

Um escorpião Centruroides sculpturatus andando pela areia.

Onde esse escorpião vive?

Esse butídeo ocorre principalmente no Arizona, mas tem distribuições menores em partes da Califórnia, no Novo México e em Nevada, nos Estados Unidos. Também pode ser encontrado nos estados mexicanos de Baja California, Sonora e Chihuahua.

Como é comum nesses artrópodes, o escorpião Centruroides sculpturatus está adaptado aos ecossistemas do deserto, onde é mais abundante. Ele não cava, mas é capaz de escalar. Esconde-se em fendas, sob as rochas ou na vegetação durante o dia. À noite, sai de seus esconderijos em busca de presas ou outros membros de sua espécie.

Além disso, o escorpião geralmente é encontrado dentro ou ao redor de casas e outras estruturas humanas, usadas como abrigo. Somado à sua abundância local, isso torna frequentes os encontros com humanos. Como são animais noturnos, eles preferem lugares escuros.

O escorpião mais venenoso da América do Norte

Centruroides sculpturatus é amplamente reconhecido como o escorpião mais venenoso da América do Norte. Além disso, é o único de importância médica para o ser humano nessa região. Seu veneno parece ter efeitos neurotóxicos.

Sua picada causa dor intensa, perda de sensibilidade na área afetada, formigamento e vômito, entre outros sintomas. Esses efeitos geralmente duram entre 24 e 72 horas. Em adultos, a picada é desagradável, mas geralmente não costuma desenvolver complicações.

O veneno é mais perigoso em crianças ou pessoas debilitadas. Nelas, pode provocar falta de ar, taquicardia, movimentos oculares estranhos, espasmos musculares e outros sintomas que requerem cuidados intensivos.

Décadas atrás, a picada de escorpião causava um grande número de mortes humanas, especialmente entre crianças. No entanto, hoje em dia as mortes são muito raras, graças às técnicas médicas modernas. O antídoto é muito eficaz e elimina os sintomas em questão de minutos.

As picadas são fáceis de evitar se você não tentar pegar, manipular ou deslocar os escorpiões. Esses animais não são agressivos por natureza e não tentam atacar os humanos sem provocação prévia.

Veneno vs. Evolução

O coquetel tóxico desse animal tem dupla função. Por um lado, serve para enfraquecer suas presas. Além disso, permite repelir possíveis predadores. No entanto, essa estratégia não tem efeito contra vários mamíferos do deserto, que se alimentam de escorpiões, apesar da gravidade do seu veneno.

O roedor Onychomys torridus desenvolveu adaptações evolutivas que o tornaram imune a picadas. Os canais de membrana desses animais foram modificados para que o veneno produza um efeito analgésico nos camundongos, em vez da típica dor intensa.

O ferrão do escorpião também não tem efeito no morcego Antrozous pallidus, que pode ser picado várias vezes durante a caça sem apresentar sintomas. Mesmo depois de altas concentrações de veneno administradas em laboratórios, a maioria dos morcegos fica bem.

Essa imunidade é diferente da dos camundongos. A adaptação dos morcegos evoluiu à sua maneira e, portanto, os mecanismos envolvidos não são totalmente conhecidos.

 

O ferrão do escorpião Centruroides sculpturatus

Essa adaptação ao veneno mortal é a prova de como a evolução pode ser incrível. Mesmo diante dos desafios mais improváveis, a seleção natural pode acabar produzindo uma solução inesperada.

Pode interessar a você...
O escorpião Leiurus quinquestriatus: um dos mais venenosos do mundo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O escorpião Leiurus quinquestriatus: um dos mais venenosos do mundo

O escorpião Leiurus quinquestriatus é uma das espécies mais mortíferas do mundo. Ele habita regiões áridas da África, no deserto.