10 curiosidades sobre as tarântulas

As tarântulas geram aversão em algumas pessoas, mas isso acontece porque elas não são suficientemente conhecidas. Descubra junto com a gente tudo sobre esses belos aracnídeos.
10 curiosidades sobre as tarântulas

Última atualização: 10 Setembro, 2021

Invertebrados com 8 patas geralmente não despertam admiração na população em geral, especialmente se levarmos em consideração as presas afiadas e a capacidade de inocular veneno. Os aracnídeos têm uma reputação baseada no medo, e algumas pessoas chegam a ter uma fobia real deles. Se você tem medo de aranhas e similares, conhecer 10 curiosidades sobre as tarântulas pode ajudar a perder um pouco do receio.

As tarântulas costumam ser seres pacíficos, que não atacam a menos que a insistência do agressor persista por muito tempo. Mergulhe junto com a gente no mundo dos terafosídeos e perca o medo: garantimos que esses invertebrados peludos vão surpreender você.

1. Existem muitas espécies de tarântulas

O termo “tarântula” costuma designar um grande aracnídeo preto ou marrom com muitas pilosidades. Embora esse seja o aspecto de algumas das espécies mais comuns (Grammostola rosea, Lasiodora parahybana ou Brachypelma vagans), a realidade é que existem muitos representantes dentro desse grupo.

Na verdade, quando falamos das tarântulas, estamos nos referindo à família Theraphosidae, um grupo de aracnídeos muito semelhantes entre si, compreendendo cerca de 1010 espécies divididas em mais de 124 gêneros, conforme indicam os estudos. Curiosamente, na Europa, as aranhas-lobo (Lycosidae) são chamadas de “tarântulas”, mas não fazem parte do táxon dos terafosídeos.

Existem algumas espécies conhecidas como “falsas tarântulas”, devido à sua semelhança com as reais.

2. Curiosidades sobre as tarântulas: um plano corporal comum

Como todos os artrópodes, as tarântulas têm um exoesqueleto que serve como isolante do ambiente externo e permite a inserção muscular. Além disso, o corpo é dividido em 2 tagmas bem diferenciados: o cefalotórax (prossoma) e o abdome (opistossoma). No prossoma, existem 6 pares de apêndices: um par de quelíceras (presas), um par de pedipalpos e 4 pares de patas motoras.

O tamanho e a coloração das tarântulas do mundo variam drasticamente. Por exemplo, a espécie Neoholothele incei normalmente não ultrapassa 7 centímetros de diâmetro de pata a pata, enquanto a tarântula-golias (Theraphosa blondi) atinge facilmente 30 centímetros da ponta de um membro a outro.

As cores das tarântulas geralmente são apagados, mas algumas espécies apresentam lindos tons de branco, cinza, laranja e azul metálico.

Uma das maiores espécies de tarântula do mundo.

3. Uma distribuição desigual

As tarântulas são divididas de acordo com sua distribuição em dois grupos: do Novo Mundo e do Velho Mundo. O primeiro termo se refere ao continente americano, enquanto Velho Mundo inclui espécies endêmicas da África e da Ásia. Como regra geral, as tarântulas do Velho Mundo são muito mais rápidas e agressivas, provavelmente devido às pressões ambientais que enfrentam.

Embora possa não parecer, algumas espécies estão distribuídas pela Europa, além das áreas áridas da África e das florestas úmidas da Ásia e da América do Sul. Ischnocolus valentinus é a única espécie de terafosídeo que pode ser encontrada na Espanha e na Itália, por exemplo.

4. Venenosas, mas em que medida?

Todas as tarântulas são venenosas em maior ou menor grau, pois têm quelíceras afiadas que se conectam a glândulas produtoras de toxinas. A maioria das espécies residentes nos Estados Unidos e na América Latina não produz venenos muito poderosos, mas as espécies asiáticas e africanas podem causar mais de um susto.

Um exemplo de perigo é a espécie Heteroscodra maculata, nativa da África Ocidental com uma bela tonalidade branca, mas muito temperamental. De acordo com relatos pessoais, a picada dessa espécie pode causar visão turva, palpitações, dores muito fortes e outros sinais gerais.

Nenhuma espécie de tarântula tem um veneno poderoso o suficiente para matar um humano. A maioria das espécies do Novo Mundo picam com a intensidade similar à de uma vespa.

5. As tarântulas têm uma taxa metabólica baixa

As tarântulas são animais ectotérmicos. Assim, dependem do meio ambiente para controlar sua temperatura interna, o que limita muito seus movimentos e sua energia disponível. Por esse motivo, elas apresentam taxas metabólicas excepcionalmente baixas e raramente saem de suas tocas. Um espécime adulto pode passar de 6 meses a 2 anos sem comer.

As tarântulas têm taxas metabólicas mais altas quando a temperatura geral está elevada e comem com mais regularidade.

6. Curiosidades sobre as tarântulas: são seres de covil

Vinculando ao ponto anterior, uma das características mais marcantes das tarântulas é que elas passam a maior parte do tempo em seu covil. Pode ser um buraco de profundidade variável no solo em determinadas espécies ou um buraco em um tronco ou árvore em outras. Esses aracnídeos preenchem seus esconderijos com teias para perceber as vibrações do ambiente externo e agir em consequência.

Todas as espécies de tarântulas produzem seda, sejam arborícolas ou terrestres.

7. Predadoras pacientes e calmas

Como outros aracnídeos, as tarântulas são carnívoras estritas. Isso significa que se alimentam exclusivamente de seres vivos, sejam insetos, vermes, outros aracnídeos, pequenos vertebrados, anfíbios e até pássaros. Espécies maiores podem enfrentar presas mais suculentas, mais por causa do tamanho de suas quelíceras (até 4 centímetros) do que de seu veneno.

Por serem animais com um metabolismo muito baixo, as tarântulas não perseguem ativamente suas presas. Elas aguardam pacientemente em seu covil e, ao perceberem as vibrações de uma possível presa, se lançam sobre ela e a imobilizam com suas quelíceras e seu veneno. As toxinas liberadas dissolvem o tecido da vítima, pois esses aracnídeos só podem consumir alimentos líquidos.

8. As tarântulas têm um período muito vulnerável

Embora sejam predatórias e tenham quelíceras invejáveis, uma das curiosidades das tarântulas é que elas passam por um período muito delicado, conhecido como muda ou ecdise. Nele, elas precisam se desfazer completamente do exoesqueleto externo para continuar crescendo, um processo que pode levar horas e deixa o animal indefeso.

Antes da muda, as tarântulas param de comer por um período variável de tempo, até mais de 2 semanas. Assim, elas evitam que seu abdômen cresça tanto a ponto de ficar preso em sua velha armadura. Quando estão prontas, vão para o abrigo, cobrem-no com terra e deitam-se sobre si mesmas para a muda.

Demora várias horas para o “novo” exoesqueleto começar a endurecer. Durante esse período, a tarântula fica muito vulnerável.

9. Curiosidades sobre as tarântulas: o som do amor

Por mais arcaicas que possam parecer em um nível evolutivo, as tarântulas têm uma maneira realmente fascinante de se reproduzir. Quando um macho adulto encontra uma fêmea, ele começa a executar um movimento com os pedipalpos conhecido como “drumming“. As vibrações avisam a fêmea que um pretendente está perto de seu covil, então ela sai para analisá-lo.

Esse processo é muito delicado, uma vez que o macho tem que esfregar seus pedipalpos modificados (previamente cobertos de sêmen) com uma estrutura especializada da fêmea no abdômen. A posição que o macho adota é de total vulnerabilidade e, em muitos casos, acaba se tornando o lanche de sua pretendente.

Curiosidades sobre as tarântulas
O macho está à esquerda na imagem, tentando alcançar o abdômen da fêmea com seus pedipalpos.

10. As tarântulas podem ser mantidas como animais de estimação!

É cada vez mais comum ver pessoas que amam animais exóticos entrando no mundo das tarântulas como animais de estimação. São aracnídeos fáceis de cuidar, pois podem ser alojados em pequenos terrários (com 20 centímetros de comprimento, largura e altura para um adulto). Além disso, seu veneno não é extremamente poderoso, e elas aceitam grande variabilidade ambiental.

De qualquer modo, como nota final, é importante ressaltar que nem todas as espécies são fáceis de cuidar e que as fêmeas podem viver por até 15 anos. Como sempre, ao adotar um animal de estimação, é necessário ter consciência da responsabilidade de longo prazo exigida.

Pode interessar a você...
As aranhas-marrons: habitat e características
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
As aranhas-marrons: habitat e características

Os aracnídeos do gênero Loxosceles são chamados de 'aranhas-marrons'. Conheça mais sobre a espécie Loxosceles rufescens em especial.



  • Wilson, D. M. (1967). Stepping patterns in tarantula spiders. Journal of Experimental Biology, 47(1), 133-151.
  • Dor, A., & Hénaut, Y. (2012). Silk use and spiderling behavior in the tarantula Brachypelma vagans (Araneae: Theraphosidae). Acta zoológica mexicana, 28(1), 1-12.
  • Ferretti, N. E., & Ferrero, A. A. (2008). Courtship and mating behavior of Grammostola schulzei (Schmidt 1994)(Araneae, Theraphosidae), a burrowing tarantula from Argentina. The Journal of Arachnology, 36(2), 480-483.
  • Blatchford, R., Walker, S., & Marshall, S. (2011). A Phylogeny‐Based Comparison of Tarantula Spider Anti‐Predator Behavior Reveals Correlation of Morphology and Behavior. Ethology, 117(6), 473-479.