10 curiosidades sobre as vespas

As vespas são muito mais do que um incômodo em um piquenique ou uma picada desagradável e inchaço. Você quer conhecê-las junto com a gente?
10 curiosidades sobre as vespas

Última atualização: 14 Setembro, 2021

As curiosidades sobre as vespas são múltiplas, mas infelizmente muitas pessoas não querem conhecê-las. As espécies mais comuns nos centros urbanos ganharam má fama, pois interrompem as refeições ao ar livre, causam preocupações ao instalar seus favos perto de casa e podem picar com o ferrão, causando sinais de gravidade variável.

Embora sejam espécies que não convivem inteiramente bem com os humanos, as vespas sem dúvida merecem reconhecimento por sua biologia fascinante e seu trabalho ecossistêmico intransferível. Dê uma chance a esses himenópteros junto com a gente e conheça 10 curiosidades sobre as vespas que farão você amá-las (de longe) um pouco mais.

1. A diversidade de vespas é infinita

Como a revista National Geographic indica, até o momento mais de 30 mil espécies de vespas foram descritas, chegando a atingir 100 mil nos últimos tempos. O número estimado de diversidade global é ainda maior, pois há muitos espécimes a serem classificados e descobertos, principalmente em áreas tropicais e temperadas.

Para dar uma ideia da diversidade desses insetos alados no mundo todo, citamos as seguintes informações: para as mais de 1000 espécies de Ficus tropicais que existem, pode-se descrever uma vespa da superfamília Chalcidoidea única e especializada em cada árvore. Sem dúvida, esses invertebrados representam alguns dos maiores e mais diversos grupos de hexápodes do mundo.

2. Himenópteros, como abelhas e formigas

As vespas pertencem à ordem Hymenoptera, junto com as abelhas e as formigas. Todas elas têm uma série de características comuns: uma cabeça arredondada com antenas, mandíbulas proeminentes, olhos compostos e ocelos, um tórax no qual os 3 pares de patas estão inseridos e um abdômen bem visível, que pode (ou não) conter um ferrão no caso das fêmeas.

Se você tiver problemas para distinguir uma abelha de uma formiga ou vespa, aqui está uma dica simples:

  1. As formigas-rainha são aladas, mas as asas caem assim que fertilizam e fundam a colônia. Por outro lado, as vespas são caracterizadas por terem asas e hábitos de voo ao longo da vida, com exceção da família Mutilidae. As formigas-operárias ficam sem asas o tempo todo.
  2. As abelhas têm um corpo roliço e compacto, enquanto as vespas têm uma “cintura”, ou pecíolo, distinta, que une os segmentos 1 e 2 do abdômen.
  3. As vespas costumam ter cores mais marcantes do que as formigas e as abelhas. No entanto, há uma variedade tão grande de tons nesse grupo que os olhos podem enganar.

 

Conheça curiosidades sobre as vespas

3. Um habitat cosmopolita

As vespas colonizaram todos os continentes e terras do mundo, exceto a Antártica. Por serem animais ectotérmicos (de sangue frio), elas dependem da temperatura externa para regular seu metabolismo. Portanto, não se adaptam bem a ambientes extremamente frios, como dos círculos polares.

4. Animais sociais e solitários

Outra curiosidade sobre as vespas é que algumas são eussociais, embora a grande maioria exiba comportamentos solitários. Das mais de 30 mil espécies descritas, apenas a família Vespidae (com mais de 5 mil representantes) adota o modelo social típico dos himenópteros, com favos, rainhas e machos divididos em castas.

Embora as vespas mais conhecidas sejam sociais, a grande maioria dos representantes desse grupo leva uma vida muito solitária, dedicando-se à reprodução e ao cuidado de seus filhotes no ninho que constroem, mas individualmente e sem a ajuda de outros exemplares da mesma espécie. São o oposto das formigas e sua estratégia vital.

5. Um intrincado sistema de determinação de sexo

As vespas, assim como as formigas e as abelhas, têm seu sexo determinado por um mecanismo haplodiploide. As fêmeas são diploides (2n), o que significa que têm dois conjuntos de cromossomos homólogos em cada uma de suas células. Em outras palavras, uma vespa fêmea é o produto da fecundação e reprodução entre os pais (n + n = 2n).

Por outro lado, machos ou zangões são haploides (n), o que significa que vêm de ovos não fertilizados. Como a fêmea que faz a postura armazena o sêmen do parceiro em seu corpo, se ela desejar dar à luz machos, ela simplesmente deve parar de fertilizar os óvulos. Os machos, carregando metade da informação genética, vivem muito menos, e sua fisiologia é limitada.

6. As vespas picam, mas nem todas

Dentro dos himenópteros, algumas famílias formam um grupo específico, denominado Aculeata. Todas as espécies aqui incluídas têm uma característica comum: o ovipositor das fêmeas foi modificado para dar origem a um ferrão, capaz de injetar diferentes toxinas com características globais do táxon (aculeatoxinas).

Outra curiosidade sobre as vespas é que, segundo essa regra simples, os machos nunca picam. Eles não têm um dispositivo para botar ovos, que, consequentemente, não foi capaz de evoluir para um ferrão capaz de inocular veneno. Se você for mordido por um desses himenópteros alados, saiba que com certeza é uma fêmea.

Formigas e abelhas também têm ferrão, ou seja, ovipositores modificados para ferrão.

 

7. Uma dieta que muda ao longo da vida

A maioria das vespas solitárias se alimenta de néctar das flores, mas constantemente requer proteína e a procura em insetos vivos ou mortos e em qualquer carne no solo. Por que fazem isso, sendo elas mesmas cobrem suas necessidades dietéticas com os açúcares produzidos pelas plantas?

A resposta está nas larvas. Como a prole das vespas, em forma de verme, requer um suprimento constante de proteína para crescer e se metamorfosear em adultos, a mãe (ou as operárias em espécies sociais) deve procurar continuamente por matéria orgânica de origem animal. As fêmeas até mastigam a carne antes de oferecê-la aos filhos.

8. Matadores necessários para os ecossistemas

As vespas dos grupos Vespidae, Crabronidae, Sphecidae e Pompilidae são caçadoras ativas, pois inoculam o veneno com o ferrão em suas presas, inutilizam-nas e as levam para o ninho, onde as mastigam para alimentar suas larvas. O trabalho de polinização desses himenópteros não é tão grande quanto se pensa, mas eles são excelentes controladores de pragas de insetos e outros invertebrados.

Como não têm pelos no corpo (ao contrário das abelhas), o pólen não adere bem ao corpo das vespas e elas não fertilizam as flores de forma eficaz.

9. Vespas parasitoides: um pesadelo vivo

As curiosidades sobre as vespas parasitoides caberiam em um espaço à parte, mas não podemos terminar este artigo sem mencioná-las. Especificamente, as tarantula hawks, da família Pompilidae, apresentam uma das estratégias de vida mais aterrorizantes que um ser humano pode imaginar.

Graças ao seu veneno extremamente poderoso, essas vespas enfrentam tarântulas muito maiores do que elas, paralisando-as assim que podem. Depois disso, elas levam sua presa para o ninho e colocam um único ovo em seu abdômen. A larva recém-eclodida entra no corpo da tarântula e se alimenta dela enquanto ela ainda está viva (embora não possa se mover).

A larva vira pupa dentro da tarântula e emerge de seu abdômen como um indivíduo formado.

10. Animais com os quais se pode viver

O que você achou desta lista? Como última curiosidade sobre as vespas, queremos enfatizar que seu veneno não é fatal, a menos que a pessoa seja alérgica e receba várias picadas. Além disso, um grupo delas só vai atacar se houver tentativas de destruição do seu ninho ou de aniquilação de sua prole, por isso é possível evitar confrontos.

As vespas não são pragas, pois não destroem as safras agrícolas nem matam as plantas. Eles podem simplesmente ser um pouco irritantes por causa de sua potencial mordida, mas todos devemos aplicar a mesma regra nesses casos: se as deixarmos sozinhas, elas não precisarão nos atacar.

Pode interessar a você...
A picada de abelha ou vespa no cão: como agir
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A picada de abelha ou vespa no cão: como agir

Se a picada for dentro da boca ou se eles forem alérgicos ao veneno que foi injetado, as consequências podem ser graves para seu cachorro..



  • Thomas, C. R. (1960). The European wasp (Vespula germanica Fab.) in New Zealand. The European wasp (Vespula germánica Fab.) in New Zealand., (27).
  • Archer, M. E. (1985). Population dynamics of the social wasps Vespula vulgaris and Vespula germanica in England. The Journal of Animal Ecology, 473-485.
  • Landolt, P. J. (1998). Chemical attractants for trapping yellowjackets Vespula germanica and Vespula pensylvanica (Hymenoptera: Vespidae). Environmental Entomology, 27(5), 1229-1234.
  • Wasps, National Geographic. Recogido a 16 de agosto en https://www.nationalgeographic.com/animals/invertebrates/facts/wasps