12 curiosidades sobre as formigas

As formigas são tão fascinantes quanto numerosas nos ecossistemas. Você sabia que elas respondem por 25% da biomassa animal terrestre?
12 curiosidades sobre as formigas

Última atualização: 21 Agosto, 2021

As formigas são insetos invertebrados que, junto com as abelhas e as vespas, representam a ordem Hymenoptera. Elas são famosas por sua capacidade de criar colônias e sua “mente comum”, mas você saberia citar 12 curiosidades das formigas?

Os fatos interessantes sobre esses insetos vão muito além do formigueiro. Devido ao seu sucesso como grupo, eles habitaram quase todos os ecossistemas do mundo ao longo da história, o que permitiu uma radiação evolutiva fascinante. Se você quiser conhecer algumas curiosidades sobre as formigas que habitam as diferentes partes do globo, continue lendo.

1. Existem mais de 10 000 espécies de formigas no mundo

Todas as formigas estão incluídas na família Formicidae, por sua vez pertencente à ordem Hymenoptera e à classe Insecta. Cerca de 13 800 espécies de formigas foram classificadas em todo o mundo, embora se estima que existam mais de 22 000, que se distinguem de outros insetos por suas antenas geniculadas, seu pequeno tamanho e seu abdômen evidente.

2. Elas colonizaram quase todo o mundo

As formigas são encontradas em todos os continentes do mundo, exceto na Antártica. São cosmopolitas e se adaptam a praticamente qualquer ambiente, mas têm uma limitação: a temperatura. Por serem animais ectotérmicos que dependem do clima para modular sua temperatura corporal, elas simplesmente não são capazes colonizar locais congelados.

Animais ectotérmicos apresentam uma relação direta entre a temperatura ambiente e seu metabolismo.

3. As formigas têm um plano corporal comum

Embora façam parte de sua própria família, não podemos esquecer que afinal estamos falando de um grupo de insetos. Todas as formigas são invertebrados hexápodes (têm 6 patas) e seu corpo é dividido em 3 tagmas ou segmentos: cabeça, mesossomo e metassomo. Elas têm antenas cefálicas segmentadas e seu abdômen é chamado de gáster.

Assim como outros insetos, esses animais possuem um exoesqueleto, um revestimento endurecido que os protege do meio ambiente e fornece um ponto de ancoragem para seus músculos. Eles não possuem pulmões ou outros elementos de um sistema respiratório complexo, por isso obtêm oxigênio do meio ambiente por meio de estruturas distribuídas por todo o corpo, chamadas de espiráculos.

 

Conheça várias curiosidades sobre as formigas

4. São insetos eussociais

O termo eussocialidade é aplicado para definir o grau máximo de interação no reino animal. Formigas e abelhas são o exemplo mais claro de interação a níveis inimagináveis, uma vez que a colmeia e o formigueiro funcionam como uma única unidade, apesar de serem compostos por centenas ou milhares de exemplares. Uma colônia eussocial é diferenciada pelos seguintes pontos:

  1. Existe uma clara sobreposição entre gerações na estrutura social.
  2. Há uma divisão reprodutiva. Nem todos os espécimes da colônia podem deixar descendentes e, portanto, são até certo ponto “obrigados” a ajudar a fértil rainha.
  3. Existem cuidados parentais compartilhados. As operárias da colônia não deixam descendência, mas cuidam das irmãs como se fossem suas próprias filhas.

5. O formigueiro é dividido em castas

O formigueiro é o sistema unitário desses himenópteros, mas deve-se notar que, dentro dele, os espécimes se diferem por casta. A rainha é o “cérebro” e o “coração” do núcleo eussocial: ela é a fundadora da colônia e a única capaz de botar ovos. Se a rainha morrer, todo o formigueiro colapsa e as operárias também morrem.

Por outro lado, as operárias são as “mãos” do organismo unitário, pois se encarregam de buscar alimento (forragear), cuidar dos filhotes, alimentar a rainha e ampliar as câmaras do formigueiro. O número médio de operárias em uma colônia é de 100 000 a 500 000, embora haja diferenças entre as espécies.

6. Existem diferenças genéticas entre as raças

A rainha é um organismo diploide (2n), ou seja, possui um conjunto completo de cromossomos em suas células. Ela foi o resultado de uma fecundação, então, basicamente, metade de sua informação genética vem de sua mãe e a outra de seu pai. As operárias também são diploides, pois vêm de ovos fecundados produzidos por uma rainha assentada.

Uma das curiosidades mais surpreendentes sobre as formigas é que os machos possuem metade da informação genética em comparação com a rainha e as operárias. Eles são organismos haploides (n) e têm apenas um conjunto de cromossomos, portanto, sua sobrevivência além de alguns dias é inviável. Os machos são concebidos apenas como sacos de esperma voadores.

Os machos nascem de ovos inférteis. Eles possuem metade da informação genética do resto dos membros do formigueiro.

7. A expectativa de vida depende de cada casta

A expectativa de vida média de uma formiga rainha é de 7 anos. De qualquer modo, existem espécies (como Lasius niger) em que a vida da rainha pode se estender até os 30 anos. Em comparação, as operárias vivem apenas entre alguns meses e um ano e os machos raramente ultrapassam 7 dias.

8. Nem todas as formigas têm rainhas

Embora pareça estranho, uma das curiosidades das formigas é que nem todas têm uma rainha como tal. A espécie Diacamma rugosum é o exemplo mais claro dessa adaptação, pois todas as operárias são férteis ao nascer e potencialmente podem se reproduzir com um macho.

Nas colônias de Diacamma, uma operária estabelece seu domínio e se torna a única reprodutora. Para isso, ela deve mutilar algumas “papilas” presentes nas demais operárias ao nascer, tornando-as inférteis. A operária dominante ou gamergate assume o papel de rainha nesses formigueiros.

 

9. Algumas formigas têm mais de uma rainha

Do outro lado da moeda, também pode acontecer de uma colônia de formigas ter mais de uma rainha por formigueiro. Este fenômeno é conhecido como poliginia. Algumas espécies são políginas facultativas (às vezes têm mais de uma rainha e outras não), enquanto em outros casos essa adaptação é obrigatória para que a colônia se mantenha a longo prazo.

10. Existem formigas caçadoras

Outra curiosidade das formigas que você certamente não conhecia é que algumas são excelentes caçadoras e só sobrevivem graças à predação de insetos. O exemplo perfeito disso são as espécies do gênero Odontomachus, conhecidas como trap-jaw em inglês. Esses invertebrados têm mandíbulas muito fortes e um ferrão com toxinas.

11. A picada de algumas formigas pode ser fatal

Embora possa não parecer, algumas formigas têm ferrões com toxinas muito perigosas, às vezes letais para os humanos. O gênero Myrmecia, endêmico da Austrália, causou pelo menos 6 mortes por picadas nos últimos 30 anos, segundo estudos. Esse grupo de invertebrados é um dos mais agressivos, pois a sobrevivência das larvas depende da caça e da ingestão de proteínas.

12. Uma excelente fonte de biomassa

As formigas prosperam na maioria dos ecossistemas e as colônias têm um número astronômico de operárias. Portanto, não é surpreendente saber que elas respondem por até 25% da biomassa animal presente em toda a Terra. Se todas as espécies da família Formicidae fossem extintas, ocorreria um colapso do ecossistema global.

As formigas do gênero Myrmecia têm uma picada que pode ser muito perigosa.

Como você deve ter notado, esses invertebrados são essenciais em todos os ecossistemas nos quais proliferam. As curiosidades das formigas são praticamente infinitas, pois sua radiação evolutiva deu origem a algumas das adaptações mais incríveis no mundo dos insetos.

Pode interessar a você...
Qual é a importância das formigas nos ecossistemas?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Qual é a importância das formigas nos ecossistemas?

A importância das formigas não reside em seu tamanho ou sua aparência, mas no trabalho que fazem para manter funcionais os ecossistemas.



  • Robinson, S. D., Mueller, A., Clayton, D., Starobova, H., Hamilton, B. R., Payne, R. J., … & Undheim, E. A. (2018). A comprehensive portrait of the venom of the giant red bull ant, Myrmecia gulosa, reveals a hyperdiverse hymenopteran toxin gene family. Science advances, 4(9), eaau4640.
  • Win, A. T., Machida, Y., Miyamoto, Y., Dobata, S., & Tsuji, K. (2018). Seasonal and temporal variations in colony-level foraging activity of a queenless ant, Diacamma sp., in Japan. Journal of ethology, 36(3), 277-282.
  • Uematsu, J., Hayashi, M., Shimoji, H., Salazar, M. O. L., & Tsuji, K. (2019). Context-dependent aggression toward non-nestmates in the ant Diacamma sp. from Japan. Journal of Ethology, 37(3), 259-264.
  • Andersen, A. N. (2019). Responses of ant communities to disturbance: Five principles for understanding the disturbance dynamics of a globally dominant faunal group. Journal of Animal Ecology, 88(3), 350-362.
  • Ohyama, L., King, J. R., & Jenkins, D. G. (2020). Are tiny subterranean ants top predators affecting aboveground ant communities?. Ecology, 101(8), e03084.