Esquilo-de-prevost: alimentação e habitat

março 13, 2020
A família do esquilo-de-prevost, um roedor que se destaca pela sua cor, possui 15 espécies e 300 subespécies.

Também conhecido como “esquilo tricolor asiático”, o esquilo-de-prevost é um roedor com várias subespécies. Neste artigo, compartilharemos diversas informações interessantes sobre ele.

Características, alimentação e habitat do esquilo-de-prevost

O esquilo-de-prevost, cujo nome científico é Callosciurus prevostii, é um roedor que pertence à família SciuridaeHabita as florestas do sudeste da Ásia e pode ser encontrado na península da Tailândia e Malásia, Bornéu, Sumatra e ilhas menores da região.

Além disso, há uma grande família desse esquilo que foi introduzida pelo homem no norte de Sulawesi (Indonésia).

Quanto à alimentação, o esquilo-de-prevost tem uma dieta muito variada, composta por frutas, nozes, sementes, brotos, flores, insetos e até pequenos ovos de pássaros. Ele também complementa a sua dieta com frutos de árvores da família dos durios ou graviolas.

Graças ao hábito de tirar frutas da casa e espalhar sementes por toda parte, eles são considerados uma espécie que ajuda na sobrevivência e no desenvolvimento de árvores frutíferas nessa região.

Características, alimentação e habitat do esquilo-de-prevost

São animais solitários que constroem seus ninhos nas árvores usando matéria vegetal, e a cada temporada de reprodução as fêmeas podem dar à luz entre um e cinco filhotes.

Outro dos destaques do esquilo-de-prevost é que ele é um dos mamíferos mais coloridos do mundo, principalmente a subespécie que vive na península tailandesa e malaia. Isso ocorre porque, embora as costas e a cauda sejam pretas na parte superior, a barriga e as áreas inferiores têm pelos alaranjados, vermelhos e brancos.

A tonalidade – mais ou menos chamativa – dependerá da subespécie.

A família do esquilo-de-prevost

Dentro desta grande família de roedores coloridos conhecidos como Callosciurus, podemos encontrar 15 espécies e 300 subespécies. Todos eles vivem no sudeste da Ásia e, embora prefiram bosques ou florestas tropicais, também podem ser vistos em parques e jardins da cidade.

Além disso, todos ‘coincidem’ em seu pequeno tamanho: não passam de 25 centímetros de corpo, mais outros 25 centímetros de cauda.

Já falamos sobre o esquilo-de-prevost, mas também podemos mencionar outros representantes da família Callosciurus:

1. Esquilo de Finlayson

Seu nome científico é Callosciurus Finlaysonii e é comum na Indochina, especificamente na Birmânia, Laos, Camboja, Vietnã, Singapura e Tailândia. Além disso, foi introduzido na Itália e prefere bosques, florestas abertas e coqueirais.

A família do esquilo-de-prevost

É de hábitos diurnos e arbóreos, e se alimenta de sementes e frutos. Em tempos de escassez, ele se alimenta de cascas de coníferas e árvores caducifólias, causando danos significativos. O esquilo de Finlayson é marrom com tons creme na barriga, medindo cerca de 22 centímetros, mais 24 centímetros de cauda. Ele pesa no máximo 250 gramas.

2. Esquilo-bananeira

Também conhecido como esquilo oriental (Callosciurus notatus), é encontrado na Indonésia, Tailândia, Singapura e Malásia. Pode viver em manguezais, florestas, parques, jardins e campos, sendo considerado uma praga pelos agricultores.

Esquilo-bananeira

O esquilo-bananeira mede no máximo 30 centímetros – mais outros 30 centímetros de cauda – e passa a maior parte do tempo entre as árvores: passa de uma para a outra dando grandes saltos. Alimenta-se de folhas, frutas, insetos e ovos de pássaros. Ele tem a capacidade de consumir frutas grandes, como coco e manga.

3. Esquilo de Pallas

Este roedor, cujo nome científico é Callosciurus erythraeus, é nativo da Índia, China, Taiwan, Tailândia, Hong Kong, Indochina e Malaca. Além disso, desde a década de 1970 foi introduzido na Argentina, e a União Européia o considera uma espécie exótica invasora preocupante.

Esquilo de Pallas

Assim como o esquilo-de-prevost, os outros membros da sua família têm pelos bastante marcantes, que eles podem até usar para se camuflar nas árvores quando consideram apropriado.

  • Nakagawa, M., Miguchi, H., Sato, K., Sakai, S., & Nakashizuka, T. (2007). Population dynamics of arboreal and terrestrial small mammals in a tropical rainforest, Sarawak, Malaysia. Raffles Bulletin of Zoology. https://doi.org/Cited By (since 1996) 3 Export Date 5 April 2011 Source Scopus Language of Original Document English Correspondence Address Nakagawa, M.; Laboratory of Forest Ecology and Physiology, Graduate School of Bioagricultural Sciences, Nagoya University, Nagoya 464-8601, Japan; email: [email protected] References Abe, M., Miguchi, H., Honda, A., Makita, A., Nakashizuka, T., Short-term changes affecting regeneration of Fagus crenata after the simultaneous death of Sasa kurilensis (2005) Journal of