Gascão Saintongeois

· julho 21, 2018

O Gascão Saintongeois é um cão farejador de origem francesa, porém pouco conhecido fora da França. Nasceu para continuar o legado de uma raça já extinta. São excelentes animais de companhia, com uma personalidade tranquila e sem muitas exigências em seu cuidado.

O nobre Gascão Saintongeois

Esses cães são originários da região de Saintonge, como seu próprio nome indica, e nasceram no século 19, após a revolução francesa. Essa raça surgiu graças ao Conde Joseph de Carayon-Lantou, que teve a ideia de cruzar os últimos exemplares do farejador de Saintonge com o Bleu de Gascogne.

São cães com um corpo ideal para a caça de animais pequenos e médios, muito populares na região de Saintonge. Mesmo sendo caçadores natos, isso não lhes torna animais nervosos, já que são muito calmos e passivos quase todo o tempo.

Sua atitude e tamanho lhes tornaram excelentes animais de companhia ao longo dos anos. Algumas pessoas os têm para companhia, mesma razão pela qual também eram utilizados no século 19 pelos duques e barões da região. Isso por conta de seu porte elegante.

Aspectos físicos

O gascão Saintongeois é um animal de tamanho grande. Morfologicamente, é muito robusto, e é capaz de se adaptar a qualquer terreno em que se encontre. Tem um andar muito elegante, com aparência muito imponente.

Cabeça

  • Tem uma cabeça grande, com um focinho alongado.
  • Mandíbula em forma de tesoura, com a parte inferior levemente menor do que a superior.
  • As bochechas caem um pouco sobre a mandíbula inferior.
  • O nariz é preto, com abertura nasal grande.
  • Olhos grandes de cor café escuro, com uma expressão de confiança e amabilidade.
  • Orelhas de corte médio e fino, localizadas atrás da cabeça, caindo um pouco mais abaixo da altura do nariz.

Corpo

  • Medem entre 67 e 70 centímetros em média, em ambos os sexos.
  • Pesam entre 29 e 32 quilos em geral.
  • Em geral, é bem comprido e musculoso.
  • O peito é grande e amplo, não muito sobressaliente.
  • As costas são levemente arqueadas.
  • Seu rabo é grande. Começa grosso e termina fino, como um sabre.
  • Suas patas são finas, mas muito fortes. Apresenta músculos robustos e formidáveis.
  • O pelo é curto e denso, de cor branca com manchas pretas. Alguns tem cor rajada.

Temperamento

O Gascão Saintongeois é um caçador nato, capaz de andar em grupo, onde se sente mais cômodo do que quando solitário. Esse cão é muito obediente e inteligente, características estas que lhe tornam perfeito para a caça do javali e do veado. Também podemos citar o lobo cinza, se falarmos de épocas passadas.

Não é por ser um cão de caça que é um animal agressivo ou inquieto. Com certeza estamos falando de um animal muito calmo e nobre, que gosta de andar tanto na companhia de humanos quanto na de outros cães.

Vale ressaltar, além disso, que são cães muito protetores e territoriais, além de barulhentos. Essas qualidades, aliadas a seu poderoso olfato, lhes tornam cães guardiães por excelência.

Mesmo assim, seu ambiente favorito é o campo, já que é onde ele pode correr em liberdade total, algo que não pode fazer na cidade e em povoados. Sua necessidade constante de andar acompanhado lhe impede de se adaptar plenamente à vida urbana.

Treinamento

O Gascão Saintongeois não é um cão muito difícil de treinar, já que é um animal muito obediente e dócil. É preciso pontuar que o excesso de maus-tratos, ou exigir muito do cão, pode acabar provocando comportamentos indesejáveis.

A melhor forma de treiná-los é focar em exercícios físicos para desenvolver bem sua musculatura. Também é conveniente ensiná-lo exercícios de obediência básica, assim como socializá-lo desde filhote, para que ele se relacione bem com cães e humanos.

Saúde e doenças

Essa raça apresenta uma saúde formidável, que impressiona veterinários do mundo inteiro. Seus ossos robustos, junto a sua grande musculatura, lhe permite estar em ação durante horas, sem mostrar nenhum cansaço.

No entanto, por ser uma raça grande, o gascão Saintongeois apresenta doenças clássicas de cães deste porte. Estas são, entre outras, a torção de estômago e a displasia de ombro e cotovelo.

Deve-se prestar atenção a sua pele, especialmente em suas patas, onde podem entrar elementos alheios ao cão, como farpas, pulgas, parasitas e carrapatos. Os vincos na pele abrigam umidade e sujeira, que, se não forem cuidadas, podem provocar reações alérgicas.