Girafa-reticulada: habitat e características

A girafa-reticulada é capaz de ingerir até 66 quilos de comida por dia, mas em áreas com poucos recursos ela precisa de apenas 7 quilos de vegetais por dia para sobreviver.
Girafa-reticulada: habitat e características

Última atualização: 07 Setembro, 2021

A girafa-reticulada é reconhecida por seu grande pescoço alongado, que em algum momento foi inspiração para as teorias evolutivas mais inovadoras de sua época. Embora seja uma espécie endêmica da África, você provavelmente já a avistou em algum zoológico local. Pode parecer um animal calmo, mas em alguns momentos de sua vida exibe comportamentos agressivos, que culminam em lutas entre gigantes.

Neste espaço, vamos falar sobre uma das maiores espécies terrestres que existem, a Giraffa reticulata, um mamífero único que tem muito a contar. Leia e aprenda tudo sobre esse enorme e curioso organismo.

Habitat e distribuição da girafa-reticulada

Esse mamífero pode ser encontrado no norte e nordeste do Quênia, com algumas pequenas populações no sul da Somália e na Etiópia. No passado, acreditava-se que existia apenas uma espécie de girafa que se distribuía por toda a África, o que está longe de ser verdade. De acordo com um artigo publicado na revista Current Biology, existem 4 espécies diferentes de girafas com distintas distribuições.

Os habitats desse vertebrado são constituídos por extensas áreas desérticas com presença de árvores, cuja vegetação é dominada por acácias. As populações dessa girafa coexistem com os humanos, que nessas áreas ganham a vida com o gado e o pastoreio.

 

Um grupo de girafa-reticulada.

Características da girafa-reticulada

A girafa é o maior animal terrestre do mundo, pois chega a 5,7 metros de altura e pode pesar quase 2 toneladas. Somado a isso, ela possui na cabeça um par de pequenos chifres ossificados, geralmente envolvidos por pele e pelo, quase como um par de “antenas”. Além disso, sua cauda é tão fina que serve de chicote para afastar os insetos.

Embora o dimorfismo sexual não seja muito evidente, os machos são maiores que as fêmeas, podendo até ter um segundo par de chifres. A esse respeito, um artigo publicado na revista científica Oecologia menciona que a diferença pode ser observada na forma como eles se comportam na hora de obter os alimentos, sendo os machos mais vorazes, pois apresentem tamanhos maiores.

Esses espécimes geralmente têm uma coloração distinta,uma pele amarelo-alaranjada, com manchas em forma de polígonos ao longo do corpo. Além disso, esses polígonos, por sua vez, funcionam como uma impressão digital, uma vez que cada indivíduo apresenta um padrão único.

Comportamento

A espécie forma manadas ou grupos com 10 ou 20 indivíduos de ambos os sexos. Os espécimes mantêm um status social por meio de hierarquias, já que existe um macho dominante que determina sua posição por meio de lutas. Durante os conflitos, os machos ficam lado a lado, enquanto começam a se espancar usando o pescoço como chicote e os chifres como pregos.

Os resultados de cada batalha lhes conferem uma certa classificação dentro do rebanho, sendo o macho dominante o mais forte de todos. Essa é uma má notícia para os perdedores, já que normalmente não terão permissão para cruzar com as fêmeas do grupo. Por esse motivo, a estrutura e o número de membros mudam constantemente, devido à saída e entrada de novos integrantes.

Por outro lado, as fêmeas são mais sociáveis e menos agressivas, formando grupos sem homens. Porém, a cada estação reprodutiva, eles saem em busca de um companheiro, causando a dispersão do rebanho.

Alimentação da girafa-reticulada

As girafas-reticuladas são organismos herbívoros cujo alimento principal são as folhas das acácias. Por isso, seus pescoços alongados são uma de suas melhores adaptações, permitindo que alcancem os galhos mais altos. Além disso, às vezes elas também consomem pedras para complementar os minerais de sua dieta.

Assim como acontece com outros herbívoros, essa espécie é ruminante, o que significa que passa muito tempo moendo seu alimento, regurgitando-o e moendo-o novamente. Isso é necessário, pois é difícil obter os nutrientes de folhas, flores e vagens, por isso as girafas tentam triturá-las para tornar o processo mais eficiente. Na verdade, é exatamente por isso que elas têm um estômago de 4 câmaras.

Reprodução da girafa-reticulada

As girafas têm uma maneira curiosa de perceber se a fêmea está receptiva ou não, pois pelo reflexo de Flehmen reconhecem feromônios que as delatam. Isso acontece quando retraem os lábios e mostram as gengivas, expondo seu órgão vomeronasal, que é responsável por detectar os odores. Em outras palavras, os machos testam as urinas para saber se a parceira em potencial é fértil.

Quando o macho detecta que a fêmea está pronta, ele começa a cortejá-la para acasalar. Ele faz isso agarrando seu rabo, como se pedisse permissão. A contraparte pode ignorar ou aceitar e também segurar o rabo do parceiro. Dessa forma, o casal se forma durante pelo menos uma temporada.

O olfato desse animal desempenha um papel muito importante na reprodução. Isso porque, por meio desse sentido, os indivíduos podem reconhecer se uma fêmea é mais fértil que as outras, permitindo-lhes selecionar a mais “adequada”. A escolha da melhor pretendente é fundamental para esse mamífero, pois ele só consegue acasalar a cada 20 a 30 meses, e assim pode garantir o sucesso de sua ninhada.

Protegendo a parceira

Os exemplares dessa espécie são considerados polígamos, pois não mantêm um único parceiro por toda a vida. Na verdade, é por essa razão que os machos evitarão a todo custo a aproximação de qualquer outro pretendente para a fêmea até que seu filhote tenha nascido.

Gestação e nascimento

A gestação durará cerca de 457 dias, e o nascimento ocorrerá entre os meses de maio e agosto. A mãe pode dar à luz caminhando e em pé, então seu filhote cairá ao solo de uma altura de 2 metros, mas não sofre nenhum ferimento grave. Na verdade, logo após a queda, ele se levanta sozinho e começa a mamar.

Cuidados com o filhote e independência

Durante as primeiras semanas, os pequenos são cuidados incessantemente pelas mães. Porém, a partir do primeiro mês de vida, as fêmeas do grupo dividem o trabalho formando creches, nas quais concentram os recém-nascidos. Graças a isso, elas podem procurar água e comida sem medo de que seus filhotes fiquem sozinhos.

Por sua vez, os jovens se tornarão independentes aos 4 ou 5 anos de idade. Então, por serem organismos que seguem uma hierarquia, os machos saem em busca de um grupo onde possam ser os dominantes. Isso os induz a se separarem e ficarem solitários por um tempo, pelo menos até que encontrem um rebanho ou formem o seu próprio.

Estado de conservação

De acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza, esse mamífero está listado como espécie ameaçada. Esse status se justifica por sua população pequena e fragmentada, o que a restringe a áreas específicas da África. Além disso, seu habitat foi invadido e destruído, devido ao aumento da atividade pecuária na região, produto da quantidade de habitantes locais.

Além disso, devido ao seu enorme tamanho, essa girafa é caçada por sua carne. Na verdade, pelo menos 30% das comunidades próximas ao seu ambiente natural já consumiram carne de girafa. Ao mesmo tempo, os aldeões caçam essa espécie como parte de seus costumes, o que lhes dá um melhor status social dentro de sua comunidade.

 

As girafas são animais que dormem em pé.

Apesar da aparência amigável das girafas, todas estão classificadas em alguma categoria de risco. É por essa razão que os zoológicos funcionam como uma “Arca de Noé”, proporcionando uma chance extra de enfrentar a extinção. Infelizmente, hoje algumas espécies estão mais ameaçadas em seu habitat natural do que em cativeiro.

Pode interessar a você...
Comportamento das girafas
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Comportamento das girafas

O comportamento das girafas se destaca em várias frentes, pois são um dos mamíferos mais acostumados com o ambiente em que vivem. Confira!



  • Horová, E., Brandlová, K., & Gloneková, M. (2015). The first description of dominance hierarchy in captive giraffe: not loose and egalitarian, but clear and linear. PloS one10(5), e0124570.
  • Takagi, N., Saito, M., Ito, H., Tanaka, M., & Yamanashi, Y. (2019). Sleep‐related behaviors in zoo‐housed giraffes (Giraffa camelopardalis reticulata): Basic characteristics and effects of season and parturition. Zoo biology38(6), 490-497.
  • Muneza, A., Doherty, J. B., Hussein, A. A., Fennessy, J., Marais, A., O’Connor, D., & Wube, T. (2018). Giraffa camelopardalis ssp. reticulata. The IUCN Red List of Threatend Species.
  • Seeber, P. A., Ciofolo, I., & Ganswindt, A. (2012). Behavioural inventory of the giraffe (Giraffa camelopardalis). BMC research notes5(1), 1-9.
  • Ginnett, T. F., & Demment, M. W. (1997). Sex differences in giraffe foraging behavior at two spatial scales. Oecologia110(2), 291-300.
  • Shorrocks, B. (2016). The giraffe: biology, ecology, evolution and behaviour. John Wiley & Sons.