Habitat da zibelina

maio 18, 2020
Dentro da família Mustela, a zibelina é um dos habitantes típicos da Rússia e arredores. Marrom ou preto, seu pelo ainda é, infelizmente, valorizado para fazer casacos.

Similar às lontras e texugos, a zibelina é uma espécie de origem russa, infelizmente apreciada por sua pele, usada para fabricar roupas. Hoje vamos falar não apenas sobre o habitat, mas também sobre as várias características desse mustelídeo.

Onde vive a zibelina?

Esse mustelídeo é nativo do sul da Rússia, embora também possa ser encontrado nas montanhas Urais, Mongólia, Sibéria e também na ilha japonesa de Hokkaido. Anteriormente, também viveu na Polônia e na Escandinávia, onde se extinguiu devido à caça por sua pele.

Entretanto, não sofreu o mesmo destino em terras russas devido à sua reintrodução entre as décadas de 40 e 60. Isso também fez com que estendesse seu território às áreas mais montanhosas do leste da Ásia, onde atualmente existem mais de 15 subespécies.

Por exemplo, na Mongólia, esse animal é encontrado entre as montanhas e florestas do lago Hovsgol e na região da floresta boreal de Trans-Baikal. Na China, as populações são limitadas ao Grande Khingan.

As zibelinas preferem densas florestas de cedros, bétulas e pinheiros e, embora permaneçam no mesmo território de até 30 quilômetros quadrados, quando a comida é escassa podem caminhar até 12 quilômetros por dia. Elas escolhem viver em tocas perto das margens dos rios ou nas áreas mais densas das florestas.
Onde vive a zibelina?

Como é a zibelina?

Semelhante a uma lontra, com uma cauda longa e pernas curtas, a zibelina tem pelo marrom escuro ou preto, mais “brilhante” e longo no inverno. Cada subespécie tem um tom de pelo diferente e existem até espécimes de cor marrom claro. A barriga é geralmente mais amarelada em qualquer caso.

Os machos têm cerca de 55 centímetros e as fêmeas 35, e o peso também é maior nos espécimes masculinos: quase dois quilos. Nos dois sexos, a cauda é bastante longa, mais da metade do tamanho do corpo.

Com a cabeça e o focinho curto, a zibelina tem orelhas pequenas e bigodes longos por todo o rosto.

Comportamento e reprodução

Esse mustelídeo é principalmente crepuscular, ou seja, sai da toca nas primeiras horas da manhã, especialmente durante a estação de acasalamento.

Quanto à alimentação, é um animal onívoro, cuja dieta muda de acordo com a estação do ano. No verão, podem comer pequenos mamíferos, como lebres, e no inverno consomem frutos silvestres e pequenos pássaros. Ocasionalmente, pescam usando as patas dianteiras.

Comportamento e reprodução

Para identificar suas presas, elas usam a audição e o olfato. Além disso, o olfato também é usado para marcar seu território e até para escapar dos seus predadores: lobos, tigres, raposas, linces, glutões, corujas e águias.

Em relação à reprodução, podemos dizer que o acasalamento ocorre entre junho e agosto. Nesse momento, ocorre o ‘cortejo’ dos machos, que correm e pulam ao redor da fêmea.

Eles podem brigar violentamente entre si para conseguir uma companheira e, uma vez que a ganham e se reproduzem, a fêmea não fica grávida no mesmo momento, visto que o óvulo se implanta oito meses depois.

A gestação dura um total de 10 meses, mas apenas dois são de desenvolvimento embrionário. As ninhadas podem chegar até sete filhotes, embora as mais comuns tenham até três. Os machos defendem a toca e fornecem comida, enquanto as fêmeas continuam cuidando dos filhotes, que nascem com os olhos fechados e pesando 35 gramas.

Depois de um mês, eles abrem os olhos e deixam a casa dos pais logo em seguida. No entanto, continuam se alimentando com leite materno por mais quatro semanas e com os alimentos regurgitados pela mãe até ficarem prontos para partir. Atingem a maturidade sexual aos dois anos e podem viver até os 18 anos.

A zibelina está mais do que presente na cultura russa e escandinava, e aparece em muitos romances, livros e documentários. Também tem sido relacionada às monarquias europeias porque as rainhas usavam casacos feitos com a pele desse animal.

Atualmente, não são tão caçadas para tais propósitos, mas o hábito de usar um casaco de pele de zibelina entre pessoas de certo poder econômico não foi completamente erradicado.

  • Zhang, L., Li, M., Wang, B., & Li, W. (2008). Indentification and characterization of mitochondrial DNA in Martes zibellina L. heart. Chinese Pharmaceutical Journal.