O que as joaninhas comem?

As joaninhas comem pequenos insetos que geralmente podem se tornar pragas. Portanto, são biocontroladoras que exercem um trabalho inestimável no setor agrícola.
O que as joaninhas comem?

Última atualização: 12 Maio, 2021

As joaninhas são seres bonitos e apreciados na cultura em geral, pois sua aparência bonita e sua natureza inofensiva costumam atrair a atenção de adultos e crianças igualmente. No entanto, existe a ideia incorreta de que esses insetos comem plantas e vegetais para se alimentarem. Nada está mais longe da realidade, pois essa família é composta de predadores natos.

As joaninhas são besouros alados muito marcantes, mas suas peculiaridades vão muito além de sua aparência física. Se você continuar lendo, descobrirá que o método de alimentação desses insetos é muito útil para os humanos.

Características das joaninhas

Quando nos referimos a “joaninhas”, certamente estamos nos referindo à espécie Coccinella septempunctata, a mais difundida dessa categoria em toda a Europa. Em todo caso, é importante notar que esse termo abrange todos os membros da família Coccinellidae, um táxon de insetos coleópteros que inclui 360 gêneros.

Os joaninhas são uma família de invertebrados de muito sucesso. Devido à sua radiação evolutiva, mais de 6000 espécies foram descritas até hoje. A morfologia que vem à mente quando se pensa nesses insetos é a de um pequeno besouro de cor vermelha com manchas pretas, mas a realidade é que existe uma variedade fenotípica muito ampla.

Todos os coccinelídeos são pequenos – de 0,8 a 18 milímetros – e têm formato esférico ou oval, mas a coloração das diferentes espécies é altamente variável. Algumas têm fundo amarelo com pontos pretos (Psyllobora vigintiduopunctata), outras são douradas com linhas pretas (Brumoides suturalis) e outras são quase totalmente pretas (Axion tripustulatum).

A coloração das joaninhas é considerada aposemática, pois os tons e padrões extravagantes que elas exibem alertam os predadores em potencial para seu sabor desagradável.

 

Uma joaninha amarela em uma folha.

O que as joaninhas comem?

Como mencionamos em linhas anteriores, as joaninhas são invertebrados eminentemente predadores. Na maioria dos casos, os coccinelídeos atacam populações de insetos hemípteros do gênero Sternorrhyncha, geralmente conhecidos como pulgões.

Estudos em revistas entomológicas estudaram o conteúdo estomacal de várias espécies de coccinelídeos. Com base nesses resultados, os cientistas descobriram que mais de 80% da dieta de C. septempunctata consiste em pequenos pulgões nos meses mais quentes do ano. Quando as presas ficam escassas, elas recorrem ao consumo de pólen.

No entanto, é importante notar que muitas outras espécies de joaninhas aumentam consideravelmente seu repertório alimentar. Por exemplo, joaninhas do gênero Coleomegilla são excelentes controladoras de populações de traças, pois se alimentam de suas larvas e ovos. Algumas espécies, inclusive, se alimentam de larvas de outros coccinelídeos.

Benefícios das joaninhas para os ecossistemas

Os afídeos, mais conhecidos como pulgões, causam grandes danos às plantas nas quais se hospedam. Suas colônias crescem muito rapidamente e eles se alimentam da seiva da planta, o que pode reduzir a sobrevivência das plantações, tanto naturais quanto plantadas pelo ser humano.

Vamos além, pois alguns afídeos atuam como vetores de doenças, pois injetam vírus no sistema vascular das plantas e disseminam patologias nas populações. Eles também atraem formigas— que se alimentam de suas secreções —, o que contribui para que a planta infestada se degrade ainda mais rápido.

Os joaninhas são um biocontrolador excelente para evitar que as populações de afídeos se multipliquem descontroladamente. Como esses pequenos predadores caçam incansavelmente pequenos insetos, eles evitam que estes se tornem pragas em ecossistemas naturais e plantações para uso humano.

Em relação a esse aspecto, não é preciso dizer que nossa espécie se aproveitou do controle biológico dos coccinelídeos. Por exemplo, joaninhas do gênero Stethorus se alimentam de ovos e larvas da espécie Ostrinia nubilalis, uma traça que causa mais de 1 bilhão de perdas monetárias anuais nos Estados Unidos devido ao seu potencial como praga agrícola.

Joaninhas que comem pulgões, ácaros e traças são excelentes controladoras de pragas.

 

Você sabe o que as joaninhas comem?

Nem tudo o que brilha é ouro

Infelizmente, às vezes o resultado da introdução de coccinelídeos como biocontroladores não foi tão boa quanto o esperado. Espécies como Harmonia axyridis – nativa da Ásia – foram introduzidas na América do Norte para controlar pragas, mas elas mesmas se tornaram pragas. Por serem mais resistentes que as espécies endêmicas, elas os deslocaram do ecossistema.

Portanto, é necessário conhecer muito bem a dinâmica em qualquer ambiente antes de introduzir uma espécie como controladora. Além disso, é necessário garantir que, em nenhum caso, essa espécie saia dos limites da plantação e se integre na cadeia trófica do ecossistema. Caso contrário, encoraja-se que se torne uma espécie invasora.

Pode interessar a você...
Tudo sobre o besouro-de-ouro
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Tudo sobre o besouro-de-ouro

Na nomenclatura dos nomes dos animais existem alguns termos tão curiosos como o besouro-de-ouro. Leia mais sobre esse inseto aqui!



  • Hodek, I., & Michaud, J. P. (2013). Why is Coccinella septempunctata so successful?(A point-of-view). EJE, 105(1), 1-12.
  • Zhu, J., & Park, K. C. (2005). Methyl salicylate, a soybean aphid-induced plant volatile attractive to the predator Coccinella septempunctata. Journal of chemical ecology, 31(8), 1733-1746.
  • Peisker, H., Michels, J., & Gorb, S. N. (2013). Evidence for a material gradient in the adhesive tarsal setae of the ladybird beetle Coccinella septempunctata. Nature communications, 4(1), 1-7.