Mamba-negra: características, habitat e veneno

A mamba-negra é um dos répteis mais letais do planeta. O poder das toxinas que produz, sua velocidade e sua graciosidade a transformam em uma verdadeira máquina de matar.
Mamba-negra: características, habitat e veneno

Última atualização: 29 Maio, 2021

A mamba-negra (Dendroaspis polylepis) é o ofídio mais venenoso de toda a África, relatando uma taxa de mortalidade de quase 100% dos pacientes que ataca. Em um continente onde cerca de 20 000 pessoas morrem anualmente devido à inoculação de veneno de répteis, esse elapídeo ganha a questionável coroa de ser o mais perigoso.

A mamba-negra é nativa de certas áreas da África Subsaariana. Foi descrita no ano de 1864 e, desde então, tem causado terror tanto aos turistas como aos habitantes presentes em sua área de distribuição. Se você quiser saber tudo sobre esse mortal e belo réptil, continue lendo.

Mamba-negra: filogenia e taxonomia

A mamba-negra ( Dendroaspis polylepis ) é uma serpente pertencente à ordem Squamata, mais especificamente à família Elapidae. Os elapídeos são um grupo de serpentes que inclui 55 gêneros e 360 espécies, tanto terrestres quanto aquáticas, cuja fama geral é de serem animais altamente venenosos.

Os elapídeos são externamente semelhantes às cobras (Colubridae), pois têm um corpo longo e esguio coberto por escamas lisas. As espécies terrestres dessa família são encontradas nas regiões tropicais e subtropicais da Terra, geralmente no hemisfério sul. Geralmente são répteis bastante ativos e, portanto, perigosos.

Voltando à mamba-negra, dentro da família Elapidae, ela é encontrada no gênero Dendroaspis, que inclui apenas 4 espécies vivas hoje em dia. O ofídio que aqui nos interessa é a mais atípica do seu grupo, uma vez que as outras mambas são de cor verde e estão associadas a um estilo de vida arborícola.

Existem 3 espécies de mambas além da mamba-negra: Dendroaspis angusticeps, Dendroaspis jamesoni e Dendroaspis viridis. Todas elas são africanas e de cor verde.

Uma mamba-negra sobre um fundo preto.

Aparência física

Como todos os elapídeos, a mamba-negra tem formato alongado, liso e esguio. Ela tem uma cabeça em forma de caixão – sim, irônico – com olhos de tamanho médio. Os exemplares adultos têm de 2 a 3 metros de comprimento, embora tenham sido detectados indivíduos que, excepcionalmente, atingem 4 metros.

Devido ao tamanho que pode atingir, essa espécie ocupa a segunda posição como a maior serpente venenosa do mundo, só superada pela cobra-real (Ophiophagus hannah). A mamba-negra pode ser facilmente diferenciada das demais espécies com as quais compartilha o gênero, pois, como já dissemos, as demais mambas são verdes e menores.

No que diz respeito à mordida, essa espécie possui presas com 6,5 milímetros de comprimento. É uma serpente proteróglifa, ou seja, os caninos inoculadoras de veneno estão localizados na região anterior da boca e seu tamanho é relativamente curto. Devido a essa dentição, os elapídeos devem pressionar momentaneamente para inocular o veneno.

Estamos perante uma espécie charmosa, leve e muito rápida, o que a torna ainda mais letal. Nas superfícies adequadas, a mamba-negra atinge velocidades de 16 quilômetros por hora em corridas curtas. Além disso, devido ao seu comprimento, ela é capaz de percorrer longas distâncias para morder – e fazer isso de forma consecutiva.

Essas serpentes não pesam mais de 2 quilos e sua vértebra caudal representa quase 25% do corpo. Sem dúvida, seu peso-pena lhe confere uma velocidade incomum.

Distribuição

Felizmente – ou infelizmente para os habitantes – a mamba-negra é endêmica de certas regiões da África e não é encontrada fora delas. No seu mapa de distribuição, podemos destacar países como Angola, Botswana, Burkina Faso, República Centro-Africana, Eritreia, Senegal, Camarões, Etiópia e áreas acessórias.

Apesar de ser eminentemente terrestre, a mamba-negra lida bem com árvores e similares. As 4 espécies do gênero Dendroaspis são predadoras diurnas, alimentando-se de pássaros, outros répteis e pequenos mamíferos.

O veneno da mamba-negra

Não podemos deixar de destacar a capacidade neurotóxica do veneno da mamba-negra: essa espécie apresenta 100% de letalidade se o paciente não for tratado. Essa alta eficiência é muito rara no mundo dos répteis e, portanto, ela é considerada a segunda serpente mais venenosa do mundo em relação ao seu tamanho.

Curiosamente, o veneno dessa serpente não contém enzimas proteases e, portanto, não gera necrose localizada. De qualquer forma, esse líquido é rico em dendrotoxinas, que inibem os receptores e circuitos nervosos. Devido à velocidade do animal, o paciente pode nem perceber a picada, mas os sintomas chegam em cerca de 10 minutos.

Os primeiros sinais clínicos são a queda das pálpebras (ptose) e um gosto metálico na boca. Aos poucos, o paciente experimenta uma paralisia progressiva, que se manifesta com dificuldade para respirar, incapacidade de engolir, visão turva e, por fim, parada respiratória. Sem tratamento, o colapso ocorre em cerca de 45 minutos.

Uma mamba-negra em terra.

Como você viu, a mamba-negra possui ferramentas para amedrontar os mais corajosos. Seu veneno é extremamente letal por si só, mas sua velocidade e graciosidade na hora mordida transformam esse réptil em uma verdadeira máquina de matar. Como todos os animais, merece respeito e esforços de conservação, mas nesse caso, sempre à distância.

Pode interessar a você...
Venenos como medicamentos: poder peçonhento
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Venenos como medicamentos: poder peçonhento

Os venenos apresentam uma variedade incrivelmente complexa de compostos desenvolvidos ao longo de vários milênios de evolução.



  • Diochot, S., Baron, A., Salinas, M., Douguet, D., Scarzello, S., Dabert-Gay, A. S., … & Lingueglia, E. (2012). Black mamba venom peptides target acid-sensing ion channels to abolish pain. Nature, 490(7421), 552-555.
  • Laustsen, A. H., Lomonte, B., Lohse, B., Fernández, J., & Gutiérrez, J. M. (2015). Unveiling the nature of black mamba (Dendroaspis polylepis) venom through venomics and antivenom immunoprofiling: Identification of key toxin targets for antivenom development. Journal of proteomics, 119, 126-142.
  • STRYDOM, D. J. (1976). Snake Venom Toxins: Purification and Properties of Low‐Molecular‐Weight Polypeptides of Dendroaspis polylepis polylepis (Black Mamba) Venom. European journal of biochemistry, 69(1), 169-176.