Milhafre-real: conheça essa ave incrível!

março 1, 2019

O milhafre-real é uma espécie de ave de rapina que se encontra em perigo de extinção. Ele se lança em queda livre sobre suas presas para capturá-las, as quais consegue detectar graças a sua ótima visão.

O milhafre-real é uma espécie de ave de rapina originária da Europa. Sua estatura e fisionomia lembram o milhafre-preto, mas ele se distingue pela cor acinzentada de sua cabeça.

Ele é acostumado a se alimentar de animais pequenos ou de cadáveres (carniça), tendo uma dieta variada.

Seu nome científico é Milvus e ele vem da família Accipitridae, que é caracterizada por seu bico curvo. Além disso, possui garras fortes, muito úteis na hora de caçar, além de um bom senso de visão, ideal para identificar suas presas a distância.

Assim como outras espécies, o milhafre-real está atualmente em perigo de extinção. A causa principal é a ação do homem em seu habitat, sendo o envenenamento induzido uma das causas mais comuns de sua morte. Sua situação atual está exposta no Livro Vermelho das Aves da Espanha.

Características do milhafre-real

O milhafre é um pássaro de caça que possui um comprimento de 60 a 65 centímetros. Enquanto voa, pode atingir uma envergadura de até 1,70 metro, graças à abertura de suas grandes asas. Seu peso pode variar entre 900 gramas a 1,2 kg.

Milhafre-real

Uma de suas principais características é a cor de suas penas. Destaca-se a presença de um castanho avermelhado que é mais escuro e alinhado na região da barriga.

Por outro lado, a plumagem de sua cabeça possui uma tonalidade grisalha pálida, que é muito mais clara nos pássaros mais jovens.

O milhafre-real é uma espécie que se destaca dentre os membros de sua família, graças à sua aparência. Suas asas possuem uma cor alaranjada e sua cauda é muito bifurcada. Trata-se de um pássaro muito estiloso.

Quais são os costumes do milhafre-real?

Por ter um tamanho médio, suas habilidades de caça são diferentes das de outros Accipitridae de maior estatura.

Geralmente, ele se aproveita de animais pequenos, como roedores, ou que passam muito tempo imóveis, como pequenos répteis.

Inclusive, ele pode atacar animais doentes que possuem mobilidade limitada, o que lhe deu uma fama de carniceiro.

O milhafre-real possui uma dieta variada. Sua alimentação inclui lebres, coelhos e ratazanas selvagens, assim como pássaros menores e pequenos mamíferos. Além disso, durante o inverno, é comum vê-lo comendo grilos ou restos de animais mortos.

Para caçar, o milhafre-real utiliza sua ótima visão. Suas grandes asas permitem que ele chegue perto de suas vítimas para capturá-las, além de conseguir pegá-las a curtas distâncias, caso tentem fugir. Dessa forma, ao capturar o alimento, ele o mantém preso até poder comê-lo com seu bico curvo.

Milhafre-real

Como a vive o milhafre-real?

O milhafre-real geralmente vive em bosques ou campinas, acompanhado de outros membros de sua família, como águias e milhafres-negros.

Sua origem é europeia e ele pode ser encontrado em grande parte da Espanha, inclusive nas Ilhas Canárias e de Cabo Verde. Além disso, também pode ser encontrado na França e Alemanha.

Durante o inverno, ele se desloca para zonas mais quentes. Entretanto, não apenas o milhafre espanhol faz isso, pássaros de outros países também migram para zonas mais quentes no inverno. Curiosamente, um grande número desses espécimes chega à África através do Estreito de Gibraltar.

Para fazerem seus ninhos, geralmente escolhem árvores nos sopés ou nas metades de montanhas, onde se escondem à espera de roedores.

Seus ninhos são elaborados com galhos e folhas, onde põem de um a três ovos. Além disso, durante o período de incubação, o macho substitui a fêmea quando ela precisa sair para comer.

O milhafre-real e o risco de extinção

Estima-se que a população total de milhafres-reais na Europa possa estar entre 19 mil e 24 mil pares. O declínio dessa espécie tem sido significativo desde a década de 90.

Por isso, ela foi incluída no capítulo “perigo de extinção” do Livro Vermelho das Aves da Espanha.

Atualmente, o milhafre-real é vítima de muitas ações que colocam em risco sua espécie. Algumas delas são a transformação de seu habitat devido ao desmatamento e até mesmo ao manuseio inadequado de restos em matadouros. Ele também é vítima de envenenamento, ao comer a isca envenenada para outros animais.