Quando e como mover uma ninhada de gatos?

setembro 29, 2019
Quando uma gata dá à luz, a ninhada nem sempre está no lugar ideal. Como dono, você deve fazer algo para resolver essa situação. Você sabe quando mover a ninhada e qual é o melhor lugar para fazê-lo?

Em geral, uma mãe procura um lugar seguro para criar seus filhotes. Quando ela procura um local para sua ninhada, geralmente escolhe um conjunto específico de condições: que seja calmo, escuro, seco, quente e livre de predadores, gatos machos ou seres humanos curiosos.

Quando o parto terminar e a mãe estiver calma e saudável, os filhotes não precisarão ser movidos imediatamente. Você pode começar a ajudar a mãe depois de duas semanas.

Às vezes, a gata não toma a decisão mais sensata com relação à escolha do local de nascimento da ninhada. Isso pode ser devido à sua ingenuidade, mudança de circunstâncias ou simplesmente por uma má escolha.

Quando e como mover uma ninhada de gatos?

Se esse for o caso, talvez seja necessário mover os gatinhos para um local melhor para protegê-los. É importante ter em mente que, se você mover os filhotes prematuramente, a mãe pode se sentir ansiosa.

Em casos extremos, uma mãe pode abandonar os filhotes quando sua ninhada é deslocada pelos seres humanos.

Conselhos para mover uma ninhada de gatos

Aqui estão algumas dicas para saber quando mover a ninhada de gatos:

1. Observe o comportamento da mãe a sua ninhada

Idealmente, sua gata já estará confortável com você e deve confiar na sua capacidade de cuidar dela. Se este for o caso, é muito provável que a mãe não se sinta ansiosa ou preocupada se você se aproximar dela e de seus bebês.

Aproxime-se lentamente da ninhada para observar sua reação antes de tentar lidar com seus filhotes.

Quando mover uma ninhada de gatos?

2. Escolha um local mais adequado

Para escolher um novo local para a ninhada, faça algumas perguntas:

  • Você pode fechar a área para impedir que a mãe mova os filhotes?
  • A área pode acomodar uma caixa de areia para a mãe atender às suas necessidades?
  • Existe um local seguro – longe da caixa de areia – para colocar recipientes com água e comida?

A área escolhida também deve ser silenciosa. Isso significa que deve estar longe do centro de atividades da casa, onde a televisão, os telefones e o rádio não podem ser ouvidos.

O local deve ser protegido contra correntes de ar. Além disso, o ambiente deve estar a uma temperatura razoável: o ideal é de cerca de 25 graus Celsius.

Você pode usar os armários dos quartos de hóspedes ou um espaço pouco utilizado. Os cantos silenciosos de uma lavanderia ou guarda-roupa também podem funcionar. Um local ideal pode ser um porão, desde que seja seco e quente.

3. Faça um novo ninho para a ninhada

Depois que a sua localização for escolhida, construa um ninho. Idealmente, uma caixa de papelão sólida, longa e larga servirá como um ótimo ninho.

As cestas de lavanderia também podem ser bons ninhos, desde que as aberturas tenham menos de 2,5 cm de altura. Se forem maiores, os gatinhos podem deslizar e se expor ao risco de ferimentos ou friagem.

4. Mantenha o ninho confortável e quente

Cubra o fundo do ninho com uma toalha grossa, um cobertor ou roupas e coloque-o no local escolhido. É importante instalar a caixa de areia para gatos, comida e recipientes com água.

Em suma, você deve criar um lugar aconchegante para a mãe, e que seja seguro e quente para os filhotes.

Filhote de gato em caixa de areia

5. Leve a mãe junto ao mover a ninhada de gatos

Peça à mãe para sair da sua posição atual seduzindo-a com uma guloseima saborosa. Pequenos pedaços de frango cozido ou uma colher de atum enlatado podem funcionar.

A ideia é tirá-la do ninho, mas não assustá-la. É importante que ela veja o que você está fazendo, mas a uma pequena distância. Tire os gatinhos do antigo ninho, tomando cuidado ao manipulá-los para evitar que caiam no chão.

Os gatinhos choram quando são manipulados para atrair a atenção da mãe. Não deixe que os miados o desencorajem a movê-los para um lugar seguro.

6. Coloque a mãe no novo local

Peça à mãe para segui-lo até o novo ninho. Deixe-a assistir enquanto você coloca os gatinhos e o ninho no novo local. Você deve sempre permitir que a mãe siga os filhotes até o novo ninho.

Algumas mães sentem que seus filhotes estão sendo afetados e podem ficar agressivas. Use mangas compridas, calças e luvas grossas se você acha que a mãe pode tentar proteger seus filhotes quando você os mover.

Mamãe gata com seu filhote

7. Mantenha-os em seu novo ninho e permita que eles se adaptem

Quando todos os filhotes e a mãe estiverem no novo ninho, feche a porta. Verifique algumas vezes durante o dia para permitir que a família se adapte ao novo ambiente.

A mãe provavelmente não vai gostar do novo lugar e vai querer tentar se mover e esconder os gatinhos novamente. Com isso em mente, escolha um local onde você possa impedir a mãe de sair.

Oferecer guloseimas saborosas à mãe uma ou duas vezes ao dia por alguns dias pode fazê-la se sentir mais receptiva ao novo local.

A mãe pode ficar chateada a princípio, mas deve se acalmar gradualmente. Certifique-se de que ela e os filhotes tenham tudo que precisam e de que a mãe cuide bem dos bebês.

9. Últimas precauções ao mover uma ninhada de gatos

Os gatinhos recém-nascidos ainda não desenvolveram seu sistema imunológico, portanto, lave suas mãos cuidadosamente antes de manusear os bebês.

Evite o contato direto com outros animais da casa para evitar a propagação de germes.

Acariciar e pegar os gatinhos recém-nascidos pode ser perigoso. Os gatinhos, assim como os bebês humanos, são extremamente frágeis.

Se você os manusear abruptamente ou se deixá-los cair acidentalmente, poderá danificar os ossos ou órgãos vitais. Você deve sempre ser muito gentil e delicado com os recém-nascidos.

Caso tenha filhos pequenos em casa, você deve monitorar de perto enquanto eles cuidam dos filhotes.

  • Moelk, M. (1979). The development of friendly approach behavior in the cat: A study of kitten-mother relations and the cognitive development of the kitten from birth to eight weeks. Advances in the Study of Behavior, Vol. 10, pp. 163-224.
  • Haskins, R. (1979). A causal analysis of kitten vocalization: an observational and experimental study. Animal Behaviour, 27, 726-736.
  • Fica, A., Gaínza, D., & Ortigosa, P. (2017). Tétanos secundario a mordedura y arañazo de gato en una paciente previamente vacunada. Revista chilena de infectología, 34(2), 181-185.
  • Sánchez, A. E. (1998). Algunos antecedentes sobre el origen y la reproducción del gato domestico (Felis catus). Tecnovet, 4(2).