9 tipos de caramujos

Os caramujos são animais que produzem sua própria casa, pois sua concha é feita de carbonato de cálcio. Seu formato é específico de cada espécie.
9 tipos de caramujos

Última atualização: 23 Abril, 2021

Os caramujos são animais que sobrevivem graças à umidade no ambiente, o que significa que podem viver tanto na água como fora dela. Por isso, existem diferentes tipos de caramujos e é provável que você já tenha encontrado alguns deles no seu jardim, quintal ou parque.

Os moluscos, especialmente, são muito diversos, existindo diferentes espécies de invertebrados com conchas que podemos encontrar em quase todos os lugares. Se você quiser conhecer algumas espécies que são como modelos, continue a leitura.

Quais tipos de caramujos existem?

Esses organismos pertencem à família dos gastrópodes, que são moluscos que possuem uma casa integrada e, além disso, apresentam formas muito diversas. A concha, o tamanho, o meio que habitam e o método de defesa são algumas das coisas que podem variar entre as espécies.

Os gastrópodes são muito abundantes nos diferentes ecossistemas, mas dependendo do habitat que ocupam, podemos dividi-los em vários grupos. Neste espaço, vamos mostrar 9 tipos de caramujos , compartimentados de acordo com seu habitat. Não perca!

Terra à vista: caramujos terrestres

Começamos com os mais famosos: como seu próprio nome sugere, os caramujos terrestres são animais que tiveram muito sucesso na colonização do ambiente terrestre. Eles tiveram que se adaptar fisicamente a um ambiente eminentemente seco, o que gera uma grande variedade de tipos de caramujos.

Esses gastrópodes habitam áreas tropicais ou subtropicais e desérticas. Para se ter uma ideia, estima-se que mais de 80% dos caramujos medem menos de 5 centímetros, enquanto cerca de 5% têm mais de 8 centímetros.

Você pode encontrar caramujos terrestres na versão de bolso ou no formato gigante. Existem diferentes tipos, basta procurá-los.

1. Caramujo-africano-gigante (Achatina fulica)

Com conchas que podem atingir até 20 centímetros de altura e 12 centímetros de comprimento, esse gigante nativo da África pode comer quase qualquer planta e pesar até 200 gramas. Por isso, em várias áreas da América ele é considerado uma importante praga para muitas culturas.

Um dos tipos de caramujos: Achatina fulica
O gênero Achatina inclui os maiores caramujos terrestres.

2. Caracoleta (Helix aspersa)

Sendo o mais comum, esse caramujo é o que habitualmente encontramos nos jardins. Embora possa atingir apenas 8 centímetros de comprimento, está espalhado por todo o mundo. Essa espécie nativa da Europa é temida em outros países como uma praga, pois sua dieta é baseada principalmente em plantas.

Um dos tipos de caramujos: caracoleta (Helix aspersa)

3. Iberus gualtieranus

Embora os caramujos adorem a umidade, alguns são aventureiros o suficiente para viver em áreas áridas. Esse gastrópode se destaca por habitar áreas montanhosas, rochosas e com vegetação escassa.

Como ele sobrevive ao calor? Principalmente, esse caramujo consegue isso graças à sua morfologia, pois seu formato achatado permite que se infiltre nas fissuras das rochas. Dessa forma, consegue se manter fresco e evita desperdiçar energia ao se mover.

Um dos tipos de caramujos: Iberus gualtieranus

Concha salgada: caramujos do mar

Se em terra são bastante diversos, na água os gastrópodes se adaptaram ainda mais. Esses moluscos têm sua origem evolutiva dentro do mar, portanto não é difícil imaginar onde eles são mais abundantes. Aquelas conchas que você encontra na areia e com as quais pode ouvir o som do mar um dia pertenceram a um caramujo.

4. Conus magus

Se você achou que todos os caramujos iriam se deixar tocar sem qualquer defesa, você se enganou. Essa espécie é conhecida por ser capaz de injetar toxinas em suas presas, com as quais as paralisa e as ataca. Todo o gênero Conus é capaz de produzir veneno.

Esse molusco em particular está na mira das grandes farmacêuticas, já que a partir de seu veneno foi produzido o medicamento Zicotonoid, que ajuda a reduzir a dor crônica em pacientes oncológicos.

Um tipo de caramujo marinho

5. Abalones (Haliotis)

Desejados para fazer parte de cardápios, os abalones são caramujos que podem atingir até 30 centímetros de comprimento. Pelo seu tamanho e sabor, são bastante procurados para satisfazer os paladares. Embora sejam parentes distantes de amêijoas, ostras e mexilhões, dizem que o seu sabor é completamente diferente, sendo considerado gourmet.

Assim como outras espécies, a sobre-exploração o levou a estar em risco iminente de extinção.

6. O búzio Buccinum undatum

Esse pequeno gastrópode é o exemplo perfeito de uma concha, sim, do tipo que você costuma encontrar nas praias. Medindo cerca de 10 centímetros de tamanho, esse molusco é bastante comum em áreas costeiras arenosas.

Como esses invertebrados são bastante suscetíveis a secar ao sol, se chegarem à costa, é provável que morram. Ao deixar suas conchas vazias quando morrem, os caranguejos-eremitas podem usá-las para se esconder.

Conchas de caramujo

Os tipos de caramujos doces como mel: caramujos de água doce

Como se não bastasse, os caramujos também são capazes de alcançar e ocupar parte de rios ou lagos. Além disso, algumas dessas espécies também são utilizadas em aquários e são mantidas como animais de estimação, uma vez que atuam como excelentes limpadores de resíduos orgânicos. No entanto, alguns deles se tornam pragas, então você deve ter cuidado.

7. O caramujo Neritina natalensis

Como o próprio nome sugere, esse molusco listrado é capaz de viver tanto em água doce quanto em ambientes salobros. Dentro dos aquários é um grande aliado, pois é capaz de comer o excesso de algas, mantendo a água limpa por mais tempo.

Um dos tipos de caramujos: Neritina natalensis

8. O caramujo Tylomelania orange

Com seus olhos esticados que parecem orelhas e seu corpo laranja fosforescente, esse caracol é perfeito para aquários. Esse molusco pode medir mais de 10 centímetros de comprimento e é uma verdadeira máquina comedora de algas. É hermafrodita, então com 2 organismos você pode facilmente fazer com que eles se reproduzam.

Tylomelania orange

9. O caramujo Anentome helena ou Clea helena

Embora seja conhecido como “caramujo assassino” em muitos países, a realidade é que pode se tornar um grande aliado. Esse gastrópode é um predador de outros caramujos, por isso tem uma excelente utilidade quando há pragas. Apesar de não ser tão esteticamente bonito, seu potencial está na capacidade de regular a população de seus congêneres.

Um dos tipos de caramujos.

Como você deve ter visto, a diversidade de caramujos é extensa. As suas diferentes formas, cores e tamanhos nos proporcionam uma grande seleção de espécies úteis em várias áreas da sociedade humana, desde a gastronomia até a aquariofilia. Além disso, seu trabalho de reciclagem em ecossistemas é inestimável.

Pode interessar a você...
Limpadores naturais para o seu aquário
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Limpadores naturais para o seu aquário

As algas podem ser um problema comum. Felizmente, existem vários animais, limpadores naturais, capazes de manter essa praga sob controle.



  • Santana Teles, H. M., Faria Vaz, J., Fontes, L. R., & Domingos, M. D. F. (1997). Registro de Achatina fulica Bowdich, 1822 (Mollusca, Gastropoda) no Brasil: caramujo hospedeiro intermediário da angiostrongilíase. Revista de Saúde Pública31, 310-312.
  • Roberson, M., & Moorhead, D. L. (1999). Growth patterns and morphological features of juvenile Helix aspersa from West Texas. The Southwestern Naturalist44(1), 93-96.
  • Pinzón Pinto, Á., & Romero Pinto, M. (2004). Los caracoles terrestres (Helix aspersa) y su actividad en el suelo UDIC Haplustalf.
  • Moreno-Rueda, G. (2011). Revisión del estatus de conservación del caracol amenazado Iberus gualtieranus gualtieranus. Zoologica baetica22, 69-85.
  • Silva, N. G. R., Silva, J. D. R., & Bernal, C. V. C. (2015). Compuestos con potencial actividad farmacológica obtenidos a partir de conotoxinas de animales marinos (moluscos gasterópodos Conus magus). Biociencias10(2), 51-63.
  • Leighton, D., & Boolootian, R. A. (1963). Diet and growth in the black abalone, Haliotis cracerodii. Ecology44(2), 227-238.
  • Carter, Z. 2000. “Buccinum undatum” (On-line), Animal Diversity Web. Consultado el 05 de Abril 2021, disponible en: https://animaldiversity.org/accounts/Buccinum_undatum/
  • Koizumi, Y., & Tsuji, Y. (2017). Abalone Haliotis spp. In Application of Recirculating Aquaculture Systems in Japan (pp. 175-211). Springer, Tokyo.
  • DEKKER, H. (2000). The Neritidae (Gastropoda) from the circumarabian seas. Vita Marina47(2), 29-64.
  • von Rintelen, T., Bouchet, P., & Glaubrecht, M. (2007). Ancient lakes as hotspots of diversity: a morphological review of an endemic species flock of Tylomelania (Gastropoda: Cerithioidea: Pachychilidae) in the Malili lake system on Sulawesi, Indonesia. Hydrobiologia592(1), 11-94.
  • Ng, T. H., Foon, J. K., Tan, S. K., Chan, M. K., & Yeo, D. C. (2016). First non-native establishment of the carnivorous assassin snail, Anentome helena (von dem Busch in Philippi, 1847). BioInvasions Record5(3).
  • Strong, E. E., Galindo, L. A., & Kantor, Y. I. (2017). Quid est Clea helena? Evidence for a previously unrecognized radiation of assassin snails (Gastropoda: Buccinoidea: Nassariidae). PeerJ5, e3638.