O abutre-barbudo: características e curiosidades

abril 5, 2019
O abutre-barbudo é um dos pássaros que gera medo e admiração, mas o que se sabe sobre ele?

O abutre-barbudo pertence à espécie Gypaetus barbatus. É uma das aves de rapina mais conhecidas na Espanha, pois, no passado, era encontrada em diferentes regiões montanhosas, todas com mais de 1000 metros de altitude.

Infelizmente, devido a diferentes circunstâncias, as populações diminuíram drasticamente nos últimos tempos. Atualmente, a única população dessa espécie existente na Espanha está localizada na Cordilheira dos Pirineus.

Características gerais

O abutre sempre gerou respeito e medo em medidas equivalentes. Suas asas estendidas alcançam uma envergadura que mede entre dois e três metros de comprimento e que, junto com seu bico forte e curvo, alimentam a lenda que paira sobre essa espécie.

Uma característica marcante dessa espécie é a sua plumagem chamativa, que sofre diferentes transformações desde o nascimento do filhote, passando pelo amadurecimento até o indivíduo atingir a idade adulta. Ao longo do seu crescimento, o abutre-barbudo experimenta dois ciclos de muda.

O primeiro ciclo começa no primeiro ano de vida e dura até o quarto ano. O segundo ciclo ocorre do terceiro ao sétimo ano, embora possa variar individualmente.

Além disso, essa espécie apresenta dimorfismo sexual. O dimorfismo sexual permite diferenciar as fêmeas dos machos graças a diferentes características que definem sua fisionomia externa.

Por exemplo, as fêmeas dessa espécie são maiores em tamanho e peso. Também no comprimento e altura do bico ou no comprimento da cauda.

Características do abutre-barbudo

Alimentação e habitat

Eles têm uma má reputação devido ao seu tipo característico de alimentação, uma vez que são necrófagos.

No entanto, sua dieta é baseada fundamentalmente no consumo de componentes ósseos para sobreviver. Esse tipo específico de dieta é chamado de osteófaga e, atualmente, essa espécie é a única reconhecida mundialmente com esse tipo de dieta.

A fim de se aprofundar quanto ao tipo de presa capturada por essa grande ave, os cientistas têm que fazer observações diretas para coletar dados mais objetivos na hora de quantificar a dieta dessa espécie.

Margalida et al. (2016) determinou que, em sua maioria, os grupos de ovinos ou caprinos, bem como o grupo cunícula (coelhos), eram as presas escolhidas.

Por outro lado, houve uma tendência negativa para os animais pertencentes aos grupos bovino, equino ou suíno.

Normalmente, os espécimes adultos são capazes de ingerir ossos com um tamanho de, no máximo, 250 milímetros de comprimento e 35 milímetros de largura.

Abutre-barbudo em pleno voo

Sua área de distribuição está localizada em áreas pouco habitadas e não em infraestruturas derivadas da ação humana. Principalmente, eles se concentram em sistemas de montanha.

Curiosidades do abutre-barbudo

Uma prática observada nos indivíduos jovens é o cleptoparasitismo. O cleptoparasitismo consiste em assediar outras aves para que estas liberem suas presas. Abutres-barbudos foram observados assediando outras aves, como a águia-real.

É um dos exemplos característicos de animais monogâmicos. No entanto, trios poliândricos foram observados nos Pireneus.

Acredita-se que seja devido à saturação do habitat, o que dificulta a colonização das aves em idade reprodutiva.

Os projetos LIFE 2013-2018 é focado na recuperação e preservação dessa ave de rapina nos Parques Nacionais de Picos da Europa, Ordesa e Monte Perdido, pertencente à rede Natura 2000.

Além desse projeto, outros programas dirigidos e gerenciados pela Fundação de Conservação de Quebrantahuesos (FCQ) foram realizados em ambos os parques por mais de 21 anos.

O objetivo principal é que essa ave de rapina, encontrada no Catálogo Nacional de Ameaças de Espécies na categoria de Espécies Ameaçadas de Extinção, reduza seu nível de risco.

Segundo os redatores desse projeto, a sobrevivência da população espanhola de abutres-barbudos está condicionada a três fatores principais:

  • Seu pequeno tamanho populacional
  • Sua restrita gama de distribuição (Pirineus)
  • Dificuldade para completar com sucesso a colonização de novos territórios

Caso tenha achado esse artigo interessante, você pode encontrar outros artigos relacionados, como o calau de capacete, um pássaro com um bico mais caro do que o mármore.

E, para saber um pouco mais sobre esse pássaro em particular, o artigo Curiosidades do abutre-barbudo é fascinante.

  • Margalida, A., Suert, E. P. De, Amigos, S. De, & Csic, M. (2016). Quebrantahuesos – Gypaetus barbatus ( Linnaeus , 1758 ).
  • Quebrantahuesos, F. P. L. C. Del. (2006). El Quebrantahuesos: apuntes sobre su biología. Ecosistemas, 15(2), 89–100. https://doi.org/10.7818/RE.2014.15-2.00
  • Gil, Juan Antonio; Pérez López-López, C. & P. (n.d.). ( Gypaetus barbatus ) REPRODUCTORES EN EL PIRINEO CENTRAL ( ARAGÓN-ESPAÑA ). Anuario Ornitológico de Aragón, viii, 1–16.