Obesidade em coelhos: sintomas e causas

novembro 6, 2019
A obesidade em coelhos é um problema de saúde que pode ter sérias consequências para o seu animal de estimação. Conheça os sintomas e causas mais comuns dessa condição

A obesidade em coelhos pode causar doenças mais graves do que você imagina. Assim como em humanos, cães, gatos e até pássaros, o excesso de peso desempenha um papel importante na saúde.

A obesidade é considerada um problema para o bem-estar dos animais de estimação e, como tal, deve ser tratada.

O que causa a obesidade em coelhos?

Comer demais geralmente é o motivo da obesidade em coelhos, mas esse fator, por si só, pode não afetar um coelho muito ativo, uma vez que o exercício pode manter o peso sob controle.

Inatividade

Se um coelho gasta menos calorias do que consome, acaba ganhando peso. Como muitos coelhos de estimação ficam engaiolados a maior parte de suas vidas, a obesidade é um problema comum.

Os coelhos são animais que gostam de pular e correr, mas nessas circunstâncias, eles não fazem a quantidade de exercícios de que precisam.

Guloseimas açucaradas

Existe um fenômeno comercial quando se trata de adquirir e fornecer guloseimas para o coelho. Muitos donos de animais se rendem aos truques publicitários e querem dar aos seus coelhos o que as lojas de animais de estimação têm a oferecer.

Como saber se o seu coelho está obeso?

Estar obeso significa que o seu coelho tem mais gordura corporal do que é saudável para o tamanho do seu corpo. Cada espécie de coelho possui um conjunto diferente de padrões que indicam o tamanho e o peso normal dessa raça em particular.

Essas regras não são rígidas, mas devem ser usadas como um guia para ajudar a julgar se o seu coelho tem ou não o peso considerado adequado.

Há uma escala que pontua a condição corporal do coelho. É uma ajuda quando se trata de monitorar o peso do seu coelhoA maioria das escalas de condição corporal vai de um a cinco. Três seria a condição ideal.

Algo proposto por esse tipo de escala é, por exemplo, apalpar as costelas. Se você conseguir senti-las, mas elas não forem vistas com facilidade, geralmente o peso será classificado como três. Se as costelas ficam salientes demais, o peso está baixo.

Se você não consegue sentir as costelas do seu coelho, ou se precisa trabalhar duro para senti-las, ele está com excesso de peso. O veterinário deve ajudá-lo a confirmar esse diagnóstico, pois isso depende da saúde do animal.

O que causa a obesidade em coelhos?

Quais as consequências da obesidade em coelhos?

A obesidade em coelhos está associada ao padecimento de muitas doenças. Entre elas estão a miíase, pododermatite, toxemia da gravidez e até íleo paralítico (ou estase gastrointestinal), entre outras.

Miíase

Também é conhecida como infestação por vermesComo coelhos com excesso de peso não conseguem ser limpos adequadamente, é mais provável que tenham áreas sujas em seus corpos que atraem moscas. Uma das áreas mais comuns é o reto e a região genital.

As moscas depositam seus ovos, que se tornam vermes. Se você não verificar e limpar regularmente seu coelho, eles podem passar despercebidos com facilidade. Infecções secundárias, feridas irreparáveis ​​e até danos internos podem ser causados ​​pelos vermes da mosca.

Pododermatite

Essa condição geralmente ocorre devido ao estilo de vida sedentário ou porque o estado de obesidade no coelho causa muita pressão nos pés.

Além disso, superfícies ásperas e impuras são fatores que contribuem para essa inflamação. As lesões de pododermatite são dolorosas e podem ser difíceis de tratar e limpar. É necessário estar ciente dos primeiros sinais, que geralmente incluem claudicação.

Estase gastrointestinal (íleo paralítico)

Este é o problema mais comum em coelhos como animais de estimação devido às suas muitas causas.

A obesidade sozinha não pode fazer com que um coelho pare de comer e desenvolva íleo paralítico, mas devido a todos os outros problemas que podem estar associados à obesidade, ela é definitivamente um fator de alto risco.

O que fazer para prevenir e reverter a obesidade em coelhos?

Obviamente, a coisa mais fácil a fazer para ajudar a prevenir a obesidade no coelho é alimentá-lo bem. É necessário escolher o tipo e a quantidade certa de comida e fornecer uma boa quantidade de exercício para manter o coelho no peso ideal.

Alimentação dos coelhos

Você precisa ter em mente que o feno é vital para a saúde do seu coelho e deve ser a parte principal da sua dieta. Alimentos humanos e guloseimas costumam ser as razões por trás do ganho de peso; portanto, devem ser sempre limitados em coelhos adultos.

Recomenda-se evitar alimentos açucarados ou gordurosos, como sementes de girassol e muitos tipos de cereais. Em vez disso, reserve um morango ou cenoura como presente especial para o seu coelho. Para ele, é um presente tão bom quanto um cubo de açúcar.

Exercício, um aliado para combater a obesidade em coelhos

Você deve deixar seu coelho correr e se exercitar. Idealmente, um coelho nunca deve ser enjaulado, mas deve ter uma ‘sala’ à prova de coelhos ou uma grande área para viver e explorar.

Coelho correndo na grama

Isso não apenas manterá a sua mente estimulada, mas também o manterá magro e feliz. Se você não tiver escolha a não ser prender o seu coelho, você ainda pode dar a ele tempo para se exercitar.

As coleiras de coelho costumam ser usadas  para garantir que o animal não entre em uma área perigosa. Eles devem ter pelo menos três horas para brincar e se exercitar, caso costumem ficar presos durante o dia.

Lembre-se de que os coelhos correm vários quilômetros por dia na natureza. Portanto, o mínimo que podemos fazer é deixá-los brincar em nossas casas por algumas horas.

  • Varga, M. (2013). Textbook of Rabbit Medicine E-Book. Elsevier Health Sciences.
  • Rooney, N. J., Blackwell, E. J., Mullan, S. M., Saunders, R., Baker, P. E., Hill, J. M., … & Held, S. D. (2014). The current state of welfare, housing and husbandry of the English pet rabbit population. BMC research notes, 7(1), 942.
  • Stapleton, N. (2014). The chubby bunny: a closer look at obesity in the pet rabbit. The Veterinary Nurse, 5(6), 312-319.