Peixe Melanotaenia boesemani: características e cuidados

As cores dos peixes Melanotaenia boesemani podem refletir a saúde do animal. Se o seu ambiente estiver em más condições, suas tonalidades ficarão mais opacas. Quando os parâmetros da água estão estáveis, começa seu período reprodutivo.
Peixe Melanotaenia boesemani: características e cuidados

Última atualização: 06 Setembro, 2021

O peixe Melanotaenia boesemani é uma das espécies de aquário doce mais vistosas e queridas pelos aquaristas. Além disso, são espécimes ativos e pacíficos, e combinam bem com outros organismos ornamentais. Embora seus cuidados não sejam difíceis, a qualidade da água deve ser monitorada, o que constitui a maior complexidade de suas necessidades.

O peixe Melanotaenia boesemani pertence à família Melanotaeniidae e é o exemplar mais colorido desse grupo. Continue lendo para aprender mais sobre esse organismo que vai encher o seu aquário de vida e cor.

Características do peixe Melanotaenia boesemani

O formato do corpo desse peixe é oval e achatado, com barbatanas muito pouco desenvolvidas e tamanhos gerais pequenos, com apenas 10 centímetros de comprimento. Além disso, as barbatanas dorsal e anal são as que mais se destacam, por se assemelharem a véus ou margens com cores nas bordas, que adornam finamente o vertebrado.

As cores dessa espécie são uma das suas qualidades notáveis. Seu corpo apresenta lampejos de azul, turquesa ou violeta na primeira metade e, em seguida, aparecem o amarelo, o laranja e algumas tonalidade de vermelho.

Dimorfismo sexual

Embora todos os espécimes geralmente apresentem as mesmas cores, as fêmeas exibem tons mais opacos que os machos. Essa diferença funciona como dimorfismo sexual, pois o macho usa sua aparência para atrair a fêmea durante a época de acasalamento. Na verdade, também há pequenas diferenças na aparência do corpo, já que as fêmeas acabam tendo um formato mais fino e estilizado.

Habitat natural

O peixe Melanotaenia boesemani é nativo do Lago Ajamaru e Aitinjo (na Papua Ocidental), embora outras espécies de sua família habitem o norte da Austrália e parte da Nova Guiné. Devido à sua grande adaptabilidade, teme-se que esses organismos invadam outros ecossistemas em qualquer parte do mundo.

O habitat natural desses peixes é constituído por águas doces cristalinas, com muita vegetação e pH aproximado de 8,0. Além disso, ocupam áreas pouco profundas, de no máximo 10 metros, com temperaturas entre 25 e 28 graus Celsius, algo normal em águas tropicais.

Um peixe Melanotaenia boesemani.

Cuidados com o peixe Melanotaenia boesemani

Para estar bem de saúde em cativeiro, o peixe Melanotaenia boesemani deve ter um tanque de pelo menos 200 litros. Da mesma forma, também deve contar com uma boa quantidade de vegetação, já que normalmente a utiliza como esconderijo e permite o relaxamento.

Lembre-se de que um dos processos mais complicados para o seu peixe será se adaptar ao novo lar. Fornecer-lhe pedras ou esconderijos o ajudará a manter a tranquilidade.

Por ser um organismo gregário, recomenda-se mantê-lo com outros 6 a 8 indivíduos. Além disso, costuma ser um bom companheiro para espécies pacíficas, por isso pode ser adicionado a aquários comunitários. Antes de decidir, lembre-se de que os peixes Melanotaenia boesemani vivem em águas ligeiramente alcalinas. Portanto, você precisa se certificar de que os outros seres vivos atendem a esses requisitos também.

Parâmetros da água

Embora seu cuidado seja simples, esses peixes precisam de condições muito particulares na água, o que se considera a parte mais difícil de seus cuidados. Por esse motivo, os seguintes parâmetros devem ser tomados com extremo cuidado:

  • Temperatura: 26 a 28° C.
  • pH: 6-8 (intervalo ideal 7-8).
  • Dureza: 10-20° H.
  • Trocas de água: mínimo 25% semanalmente. Essa espécie requer um filtro no tanque.

Cuidado antes da chegada dos peixes

Se é a primeira vez que o aquário vai ser colocado em funcionamento, é necessário fazer sua maturação. Instale todos os equipamentos e coloque-os para funcionar para que o ambiente se estabilize e crie um miniecossistema funcional. Para avançar o processo, costuma-se adicionar um pouco de comida no tanque, fazendo ciclagem por algumas semanas.

A estabilização dos parâmetros do aquário geralmente leva um mês.

Antes de apresentar o seu animal de estimação ao aquário, é necessário aclimatá-lo para evitar o estresse. Para isso,o saco em que o peixe foi entregue deve ser colocado no tanque, para que a temperatura comece a se igualar. Depois disso, a água do recipiente deve ser aos poucos misturada à do aquário, lenta e continuamente, para homogeneizar os dois meios.

Esses processos são tediosos e exigem paciência, mas ajudarão seu novo animal de estimação a se adaptar melhor ao novo lar e a ter uma boa vida. Lembre-se de que um dos fatores que afetam a saúde dos peixes é o estresse: quanto mais você cuidar desse ponto, melhor responderá o sistema imunológico deles.

Dieta dos peixes Melanotaenia boesemani

Em seu estado natural, esse peixe é um organismo onívoro, então se alimenta de uma grande variedade de alimentos. Por esse motivo, em cativeiro esse aspecto não representa qualquer dificuldade, uma vez que pode ser mantido a partir de qualquer tipo de flocos processados (pellets) ou alimento vivo. Na verdade, o formato de sua boca tem uma ligeira curva para cima, permitindo que ele se alimente facilmente na superfície.

Devido à variedade de alimentos comerciais e por não haver uma opção que contenha tudo o que esse peixe precisa para sua alimentação, o melhor é oferecer os dois tipos de comida, viva e processada. Da mesma forma, pode ser um animal de estimação exigente, pois deve ser alimentado 2 ou 3 vezes ao dia.

Reprodução do peixe Melanotaenia boesemani

A reprodução dessa espécie é simples, pois não requer cuidados adicionais específicos. Além disso, a maioria dos espécimes vendidos vem de criadouros especializados. Devido ao seu sucesso e custo de manutenção relativamente baixo, essa espécie se tornou popular entre os aquaristas.

Ritual de acasalamento

O macho faz seu cortejo por meio de uma “dança”, buscando atrair a fêmea. Nesse momento, inicia-se um mergulho que alterna movimentos da esquerda para a direita, bastante lento e muito semelhante a uma valsa. Por fim, o macho ataca a fêmea de 4 a 9 vezes e, se ela aceitar, começa a desova e a fertilização.

Postura e incubação de ovos

Para começar, esses peixes são ovíparos, então colocam seus ovos diretamente nas folhas da vegetação, onde aguardam a fertilização. Sendo espécimes com fecundação externa, é o macho que termina o processo, jogando seu esperma sobre eles.

Esses organismos põem entre 19 e 56 ovos por vez e, embora possam desovar a qualquer momento, têm preferência pelas primeiras horas do dia. Na verdade, não existe um período de acasalamento específico para essa espécie, podendo acontecer em qualquer época do ano, desde que tenham alimentação e condições adequadas.

Os ovos eclodem entre 5 e 14 dias após a postura, dependendo da temperatura da água. Em temperaturas mais altas, os filhotes eclodirão mais cedo, enquanto em temperaturas mais frias sua eclosão demora mais. Como no caso dos adultos, a alimentação da prole deve ser equilibrada, entre alimentos processados e vivos.

Recomendação final

Se você deseja viver a experiência de reproduzir seus espécimes, é recomendável buscar o conselho de um especialista. Embora pareça simples, os jovens requerem cuidados simples e contínuos que podem lhes custar a vida se forem negligenciados. Uma das melhores estratégias é mantê-los em um tanque diferente, para que sejam cuidados de forma específica, sem afetar os adultos.

O peixe Melanotaenia boesemani é considerado uma espécie ameaçada, pois sua população natural diminuiu de forma alarmante. No entanto, esses peixes têm se mostrado fáceis de reproduzir em cativeiro. Portanto, sua sobrevivência em ambientes artificiais está garantida.

Essa não é a melhor forma de salvar uma espécie, mas é melhor do que enfrentar a sua extinção.

Vários peixes Melanotaenia boesemani.

Além disso, você deve estar ciente da responsabilidade que envolve criar esse animal, pois ele dependerá de você durante toda sua vida. Porém, ao seguir todas as recomendações e se aconselhar com especialistas, não haverá problemas com os seus cuidados e você poderá desfrutar de um dos mais belos exemplares de aquário que existem.

Pode interessar a você...

Um terço dos peixes de água doce está ameaçado de extinção, revela um estudo
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Um terço dos peixes de água doce está ameaçado de extinção, revela um estudo

Um relatório divulgado em 2021 sobre peixes de água doce ameaçados de extinção revela que mais de um terço pode desaparecer. Saiba mais!



  • Radael, M. C., Rezende, F. P., Fosse, P. J., Vidal, J., & de Andrade, D. R. (2016). Reproductive behavior of Boeseman’s rainbowfish and fecundity in three size ranges. Revista Brasileira de Reprodução Animal40(3), 111-115.
  • Nugraha, M. F. I., Pouyaud, L., Carman, O., Widyastuti, U., Junior, M. Z., Kadarusman, & Avarre, J. C. (2015). Genetic diversity of Boeseman’s Rainbowfish (Melanotaenia boesemani) reared in Indonesian farms compared to endangered natural populations. Tropical Conservation Science8(3), 796-812.
  • Hismayasari, I. B., Marhendra, A. P. W., Rahayu, S., Saidin, S. D., & Supriyadi, D. S. (2015). Gonadosomatic index (GSI), hepatosomatic index (HSI) and proportion of oocytes stadia as an indicator of rainbowfish Melanotaenia boesemani spawning season. International Journal of Fisheries and Aquatic Studies2(5), 359-362.
  • Radael, M. C., Fosse, P. J., Silva, R. M. D., Fosse Filho, J. C., Andrade, D. R. D., & Vidal Junior, M. V. (2016). Morphological description of Melanotaenia boesemani ovaries in reproductive activity. Pesquisa Veterinária Brasileira36(9), 893-900.
  • Akhsan, W. M., Nur, B., & Dewi, N. N. (2020, February). Growth performance and survival rate of Boeseman’s rainbowfish (Melanotaenia boesemani) in natural spawning technique at Depok, West Java, Indonesia. In IOP Conference Series: Earth and Environmental Science (Vol. 441, No. 1, p. 012037). IOP Publishing.
  • Radael, M. C., Cardoso, L. D., de Andrade, D. R., Ferreira, A. V., da Cruz Mattos, D., & Vidal, M. V. (2016). Effect of temperature on embryonic development of Melanotaenia boesemani (Allen and Cross, 1982). Zygote24(2), 301-309.
  • Allen, G. R., & Cross, N. J. (1980). Descriptions of five new rainbowfishes (Melanotaeniidae) from New Guinea. Records of the Western Australian Museum8(3), 377-396.
  • Martínez-Castro, A., & Ramírez-Herrera, M. (2016). Catálogo de peces ornamentales producidos en Morelos con capacidad de ser especies exóticas invasoras (EEI) elaborado dentro del proyecto GEF 00089333 “Aumentar las capacidades de México para manejar especies exóticas invasoras través de la implementación de la Estrategia Nacional de especies Invasoras”. Morelos, México.