Periquito-de-Bourke: habitat e alimentação

abril 3, 2020
O periquito-de-Bourke é um pequeno pássaro reconhecido por seu temperamento doce e gentil. Ele pode viver até 25 anos.

O periquito-de-Bourke é um animal especial do grupo de pássaros herbívoros da Austrália. É uma ave relativamente calma que pode produzir um piado agradável.

Sabe-se que eles vivem em bandos nômades de até mil pássaros e preferem áreas próximas a fontes de água. Seu nome científico é Neopsephotus bourkii e não há subespécies.

Como é o periquito-de-Bourke?

Comparado a outros papagaios, a plumagem do periquito-de-Bourke é bastante sóbria. Sua aparência, principalmente marrom-acinzentada, é ornamentada apenas com penas azuis pálidas na garupa, nas laterais da cauda e nas asas. Por sua vez, o peito e a barriga são de um tom rosa pálido.

Ele também possui uma área branca proeminente ao redor dos olhos, o que lhe dá a aparência de usar óculos. A fêmea do periquito-de-Bourke é semelhante, mas mais opaca. Na vida adulta, o macho atinge de 18 a 20 centímetros.

Rosto de periquito-de-Bourke

Em conformidade com seu habitat natural, a plumagem do periquito-de-Bourke ajuda a se misturar com o solo avermelhado de seu habitat árido.

Onde vive o periquito-de-Bourke?

Na Austrália, sua terra natal, o periquito-de-Bourke habita florestas de acácias, semi-áridas, aparentemente inóspitas. Ele escapa do calor do dia repousando nas árvores com sombra e é mais ativo ao entardecer e ao amanhecer, quando procura água para beber.

Assim, é fácil encontrar essa ave em ambientes xerófilos, ricos em acácias e ciprestes nativos, bem como em florestas abertas de eucalipto. Os movimentos sazonais desta ave não são bem conhecidos. Embora eles sejam considerados nômades, é provável que sejam residentes em algumas áreas.

Quais são os hábitos alimentares desse pássaro?

Os periquitos-de-Bourke se alimentam principalmente no solo e, ocasionalmente, nas árvores. Eles se reúnem em pares ou pequenos grupos de quatro a seis exemplares. Essas aves se alimentam de sementes de plantas, complementadas com frutas, bagas e insetos. Eles devem estar perto de uma fonte de água, que costumam visitar ao amanhecer e anoitecer.

Em cativeiro, a dieta do periquito-de-Bourke deve consistir em alimentos em grãos e uma mistura de sementes para periquitos. Sua dieta deve ser complementada com frutas, como maçãs e vegetais de folhas verdes.

No entanto, a nutrição adequada para qualquer ninhada em cativeiro requer mais do que sementes. Ela deve ser uma dieta com grãos, sementes germinadas, frutas, outros vegetais e até insetos. Aves em estado reprodutivo podem comer larvas da farinha como fonte de proteína.

O estágio de crescimento é importante

É importante ter em mente que os requisitos nutricionais do periquito-de-Bourke variam dependendo do estágio de crescimento.

Espécies de aves

É importante atender às necessidades específicas da ave quando é filhote, jovem, adulta, adulta em reprodução, e até as de uma ave doente.

Reprodução

Os periquitos-de-Bourke formam pares. Eles se aninham em uma cavidade, geralmente vertical, de uma árvore morta ou tronco. Quanto aos ovos, eles os colocam em madeira podre no fundo do buraco.

Nessa espécie, apenas a fêmea incuba os ovos. Os filhotes são criados entre os dois pais. Uma vez por dia, deixam o ninho para se alimentar com sementes regurgitadas fornecidas pelo macho.

Como é a personalidade do periquito-de-Bourke?

São pássaros inteligentes, mas também silenciosos, especialmente se comparados a outras espécies de papagaios. Em cativeiro, eles tendem a não voar ou empoleirarem-se muito, mas ainda se movem pulando de trave em trave.

Em seu habitat natural, eles voam de manhã cedo e, ao entardecer, cantam e interagem com o ambiente e entre si. Embora não sejam pássaros verdadeiramente noturnos, eles são conhecidos por serem ativos muito depois do pôr do sol. Isso os diferencia da maioria dos papagaios.

É importante ter em mente que, devido à sua natureza passiva, os periquitos-de-Bourke devem ficar longe de aves maiores e mais agressivas.

  • Piñeiro, C. J. S., & Bert, E. (2011). Principios en la alimentación de psitacidas. Revista Electrónica de Veterinaria, 12(11), 1-3.
  • Kennedy, J. D. (1993). Raising the Charming Bourke’s Parakeet. AFA Watchbird20(5), 30-33.