Petauro: ficha de manutenção em cativeiro

Os petauros podem sobreviver a temperaturas relativamente baixas, mas o ideal é ficar entre 20 e 30 graus Celsius. Não é necessário adicionar um aquecedor dentro do habitat, mas é melhor cobrir as entradas de ar e mantê-los em um ambiente aquecido. Lembre-se de que a luz solar direta não é uma boa opção.
Petauro: ficha de manutenção em cativeiro

Última atualização: 28 janeiro, 2022

O petauro é um pequeno marsupial que geralmente não ultrapassa 18 centímetros de comprimento. Caracteriza-se por ter uma aparência terna e uma curiosa capacidade para planar. Graças a isso, é muito comparado aos esquilos-voadores, por isso ganhou fama e é considerado por alguns uma boa escolha como animal de estimação.

O nome científico dessa espécie é Petaurus breviceps e pertence à família Petauridae. Esses animais são endêmicos da Austrália, da Indonésia e da Nova Guiné, mas devido às suas belas características foram levados a outros países como animais de estimação. Continue lendo e saiba como é a manutenção do petauro em cativeiro.

É possível ter um petauro como animal de estimação?

Antes de adquirir um petauro, é necessário conhecer as leis que existem em seu país. Normalmente, só é permitida a aquisição de espécimes oriundos de criadouros estabelecidos, pois isso garante que não sejam vítimas de tráfico ilegal. Isso é verificado graças às licenças e à documentação fornecida pelo local onde o animal é vendido.

A maioria dos países permite que você tenha esse lindo animal de estimação se você tiver as autorizações necessárias. No entanto, as despesas iniciais são geralmente altas em comparação com qualquer outro animal de companhia. Lembre-se de que a responsabilidade de cuidar de um ser vivo é grande, então você deve pensar bem se tem tempo, dinheiro e espaço necessários para isso.

Um petauro-do-açúcar em um galho.

Essas restrições têm como objetivo garantir uma boa qualidade de vida ao petauro, embora também busquem evitar que os tutores o soltem em outros ecossistemas. De fato, em alguns lugares é proibido mantê-lo como animal de estimação devido ao perigo que representa como espécie invasora. Estas são as regiões onde sua posse não é legal:

  • Califórnia.
  • Alasca.
  • Havaí.
  • Massachusetts.
  • Várias províncias do Canadá.

O petauro como animal de estimação

De um modo geral, o petauro é um animal noturno que adora navegar e explorar todos os cantos da sua casa. Isso significa que deve ser reservado um grande espaço para que ele se sinta confortável, caso contrário, ele começará a desenvolver comportamentos agressivos e conflitivos.

Os petauros são caracterizados por serem muito afetuosos com seus tutores, uma vez que conseguem formar um vínculo forte. Na verdade, eles adoram viver em grupo e serem cuidados, e é por isso que 2 ou mais indivíduos costumam ser mantidos juntos no mesmo espaço. Isso permite que eles liberem o estresse e permaneçam saudáveis emocionalmente, não apenas fisicamente.

Os tutores devem levar em consideração que um petauro exigirá muito cuidado, pois é um animal que odeia a solidão e não suporta viver em espaços pequenos. Além disso, sua atividade noturna pode deixar a maioria das pessoas muito incomodadas. Todos esses aspectos tornam a posse desse animal de estimação exótico um pouco mais difícil do que você imagina.

Qual é o habitat adequado para o petauro?

Esses animais passam a maior parte de suas vidas entre as árvores, então seu habitat deve ser alto e amplo para tentar simular seu ambiente natural. Para isso, as gaiolas devem ter uma base mínima de 2 metros quadrados e 1,5 metro de altura, embora seja sempre melhor optar por algo maior. Isso é suficiente para manter 2 exemplares sem complicações.

A gaiola deve conter um pequeno ninho (semelhante ao dos pássaros) que sirva de abrigo para os animais de estimação. Este deve ser colocado no topo do habitat para que se sintam seguros. Da mesma forma, seus recipientes de comida e água devem ser colocados próximos a essa área, pois assim não precisarão descer e se expor para se alimentar.

Além disso, é necessário que o habitat possua ramos e amarras que passem pela gaiola e permitam a mobilidade dos petauros. Lembre-se de que eles são excelentes escaladores, então isso servirá como seu playground para mantê-los ativos. Também é possível adicionar rodas de roedores para permitir que eles se exercitem e se mantenham ocupados.

Por último, deve ser fornecido um substrato que eles possam transportar facilmente, visto que adaptam os seus abrigos de forma semelhante aos pássaros. Esse material costuma ser o papel, mas qualquer um que seja adequado para roedores como hamsters também serve para petauros. Evite usar serragem ou aparas de madeira a todo custo, pois liberam toxinas perigosas para esses animais de estimação.

O que o petauro come em cativeiro?

Os petauros são animais onívoros que têm uma ampla dieta que inclui frutas, vegetais, insetos, néctares e pólen. Na verdade, em inglês, eles são conhecidos como sugar gliders por seu fascínio por coisas doces. Nesse ponto é preciso ter cuidado, pois se sua alimentação não for balanceada eles podem apresentar sérios problemas nutricionais.

De acordo com um artigo na revista Veterinary Clinics of North America: Exotic Animal Practice, os petauros devem consumir de 30 a 40% de seu peso corporal diariamente. Dessa quantidade, um terço deve conter alimentos comerciais (como de gato ou cachorro), enquanto os 2/3 restantes devem ser uma mistura de frutas e vegetais.

A dieta diária para um exemplar de 100 gramas pode ser a seguinte:

  • 10 gramas de comida para gatos.
  • 5 gramas de frutas vermelhas.
  • 5 gramas de frutas cítricas.
  • 5 gramas de outra fruta.
  • 5 gramas de batata-doce.
  • 1 grama de insetos vivos (larvas-da-farinha, grilos, tenébrios, larvas de mosca, gafanhotos ou outros invertebrados).

Os insetos são complementos muito bons para a dieta do petauro, embora não sejam essenciais. Lembre-se de adicionar o suplemento de cálcio em pó antes de comê-los, pois isso equilibrará melhor sua dieta. Lembre-se de que, apesar de seguir essa dieta, seus animais de estimação podem estar sujeitos à obesidade. Portanto, faça visitas regulares ao veterinário.

É fácil formar um vínculo com o petauro?

O processo de formação de vínculo com o petauro é simples, basta ficar perto dele sem tentar agarrá-lo e ele perderá o medo. Dessa forma, o animal começará a se acostumar com o cheiro do seu tutor e logo se permitirá ser manuseado sem problemas. É importante ressaltar que no início ele pode ser muito tímido e qualquer som pode assustá-lo.

O essencial quando se tenta criar um vínculo com um petauro em cativeiro é a paciência. Qualquer tentativa de forçar o contato pode levar ao estresse e à rejeição, atrasando o processo por muito mais tempo. É melhor que o animal de estimação comece a se aproximar de você em seu próprio ritmo. Uma boa maneira de fazer isso é dar guloseimas como insetos vivos de sua mão.

Quais são as doenças mais comuns do petauro?

Apesar das condições favoráveis ao seu bem-estar, existem algumas doenças frequentes que podem afetar o petauro em cativeiro. Algumas delas estão listadas abaixo:

  • Doença óssea metabólica: é causada pela falta de vitamina D e cálcio. Essa deficiência é muito comum devido à falta de informações sobre a dieta adequada dos petauros.
  • Parasitas intestinais: a maioria são protozoários que infectam o sistema digestivo desse animal. São causados pela falta de higiene no habitat ou pela não desinfecção dos alimentos (frutas e vegetais).
  • Enterite bacteriana: geralmente é causada por infecções oportunistas que aproveitam a depressão do sistema imunológico do animal. Isso é uma consequência do estresse causado por cuidados inadequados ou higiene inadequada em sua casa.
  • Cirrose hepática: a origem do problema é desconhecida, mas representa 5% dos casos de petauros que procuram o veterinário por problemas médicos.
  • Neoplasias: parecem ser frequentes nesses espécimes, visto que neles foram relatados pelo menos 14 tipos diferentes de tumores. Os casos mais documentados vêm de zoológicos, embora as neoplasias possam afetar igualmente qualquer petauro em cativeiro.
Um dos animais de estimação mais raros do mundo.

Como você pode ver, o petauro não tem necessidades difíceis de atender ao ser mantido em cativeiro. No entanto, exige muita atenção e requer amplo espaço para se sentir confortável. Se você acha que não pode satisfazer todas as necessidades ao ser tutor desse curioso animal, lembre-se de que existem outras opções que com certeza são mais adequadas às suas possibilidades.

This might interest you...
Habitat do petauro-do-açúcar
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Habitat do petauro-do-açúcar

O petauro-do-açúcar é um mamífero pertencente à família dos petauridae, que inclui marsupiais endêmicos da Oceania. Conheça mais!



  • Dierenfeld, E. S. (2009). Feeding behavior and nutrition of the sugar glider (Petaurus breviceps). Veterinary Clinics of North America: Exotic Animal Practice, 12(2), 209-215.
  • Campbell, C. D., Pecon-Slattery, J., Pollak, R., Joseph, L., & Holleley, C. E. (2019). The origin of exotic pet sugar gliders (Petaurus breviceps) kept in the United States of America. PeerJ, 7, e6180.
  • Garner, M. M. (2011). Diseases of pet hedgehogs, chinchillas, and sugar gliders. Proceedings of the Association of Avian Veterinarians, Seattle, WA, 351-359.
  • Booth, R. (2003, October). Sugar gliders. In Seminars in Avian and Exotic Pet Medicine (Vol. 12, No. 4, pp. 228-231). WB Saunders.
  • Brewer, P. (2007). Sugar Gliders: Living with and Caring For Sugar Gliders Is this the Right Pet for You?. Author House.