7 dicas para cuidar de um louva-a-deus

Os louva-a-deus são insetos fascinantes e variados, mas de vida curta. Aprenda junto com a gente a cuidar de um desses lindos animais.
7 dicas para cuidar de um louva-a-deus

Última atualização: 18 Novembro, 2021

Os louva-a-deus (ordem Mantodea) são fascinantes em todos os sentidos, desde o estético (por causa de sua aparência alienígena) até o etológico (por causa da forma como eles caçam e se reproduzem). Esse termo abrange cerca de 2400 espécies diferentes, divididas em 33 famílias e 460 gêneros. Sem dúvida, a espécie emblemática desse táxon é a Mantis religiosa.

Quando falamos louva-a-deus, estamos nos referindo a todas as espécies presentes na ordem Mantodea, não apenas ao típico espécime de tamanho médio, asas dobradas e cores verdes. Continue lendo e aprenda junto com a gente uma série de dicas para cuidar de um louva-a-deus independentemente de sua espécie.

1. Não pegue o louva-a-deus da natureza

Você pode ficar tentado a pegar seu primeiro louva-a-deus que encontrar na natureza, pois muitas regiões do mundo têm pelo menos uma espécie endêmica. Contudo, você deve saber que esse ato é prejudicial aos ecossistemas e certamente acabará com a vida do espécime.

Nunca é uma opção remover animais de seu ambiente natural. Muito provavelmente, eles são idosos ou que estão com algum tipo de parasita (interno ou externo), mas acima de tudo isso significa que não poderão se reproduzir e dar origem a novas gerações em seu ecossistema. Pode parecer um ato inofensivo, mas caçar um louva-a-deus adulto é muito negativo em termos ambientais.

O rosto de um louva-a-deus de perto.
Um macho de Idolomantis diabolica.

2. Escolha bem as espécies que você vai manter

Como dissemos nas linhas anteriores, existem mais de 2400 espécies de louva-a-deus, e cada uma delas tem uma série de requisitos únicos. A diferença de tamanho entre os táxons também é um fator a ser levado em consideração: enquanto o Creoboter gemmatus não ultrapassa os 4 centímetros de comprimento, o Tenodera sinensis fica maior do que 11 centímetros.

É importante escolher a espécie também com base na experiência do tutor. Enquanto as espécies mais “típicas” (Hierodula membranacea e Rhombodera basalis, por exemplo) são razoavelmente fáceis de manter, outras espécies anatomicamente mais chamativas (Phyllocrania paradoxa, Hymenopus coronatus ou Idolomantis diabolica) têm requisitos bastante específicos.

Os louva-a-deus tropicais e desérticos são mais difíceis de cuidar do que aqueles encontrados em ecossistemas temperados.

3. Mantenha o terrário simples

A maioria dos tutores opta por usar recipientes de plástico modificados para manter seus louva-a-deus em seus estágios juvenis. Isso pode parecer arriscado, mas é muito pior colocar o espécime em um ambiente enorme quando ele ainda mede apenas meia polegada de altura. Um terrário excessivamente complexo promoverá quedas, perdas e afogamentos desnecessários.

Quando o louva-a-deus estiver adulto, ele pode ser transferido para um terrário de vidro (apenas 1 espécime por instalação ou eles se matarão). A regra geral é que o espaço tenha 3 vezes a altura do inseto alto e de 2 a 3 vezes o seu comprimento e largura. Em geral, uma urna de vidro ou plástico medindo 30 x 20 x 20 centímetros de altura, largura e comprimento é mais do que suficiente para um louva-a-deus médio.

Mantenha a decoração simples. Coloque substrato, alguns galhos onde o louva-a-deus poderá se pendurar e, se quiser, uma planta viva ou morta.

4. Priorize a ventilação

Esse é um dos erros mais comuns que tutores iniciantes cometem ao cuidar de um louva-a-deus. Os animais pertencentes à ordem Mantodea habitam os galhos dos arbustos e árvores de pequeno porte. Portanto, estão em um substrato ecossistêmico no qual geralmente há vento. Para imitar seu ambiente natural, você deve manter a ventilação no terrário.

Isso não significa que você deva colocar um ventilador na frente da instalação. Simplesmente faça (ou compre) um terrário que tenha uma parte superior de malha e algumas outras aberturas de ventilação na seção inferior. Isso criará correntes, e o ar ficará em movimento contínuo, sem a necessidade de mobilização ativa.

5. Mantenha a umidade

Os louva-a-deus passam por um período conhecido como ecdise em que trocam de exoesqueleto exterior para crescer. Eles precisam de alta umidade nesse momento, pois isso amolece sua casca externa e permite que o inseto finalize esse processo o mais rápido possível. É muito comum que um jovem louva-a-deus morra durante a muda.

Embora muitos louva-a-deus suportem amplas faixas térmicas (20-30 ° C), muitas espécies requerem altas umidades relativas (60, 70 e até 80%). É necessário borrifar o terrário de acordo com as necessidades de cada espécie, pois esses animais também aproveitam o orvalho para beber água.

6. Você vai querer reproduzir seu louva-a-deus

A grande maioria dos louva-a-deus vive muito pouco, cerca de 12 meses para as fêmeas e um pouco menos para os machos. Eles são animais de estimação muito efêmeros, por isso certos tutores se aventuram a reproduzi-los assim que atingem a maturidade sexual (1-2 semanas após a queda das asas).

Os machos são mais magros e menores do que as fêmeas, por isso sua diferenciação é fácil. Simplesmente coloque dois espécimes do mesmo sexo em um terrário espaçoso e deixe o macho realizar a fecundação. Claro, mantenha a fêmea ocupada com uma presa. Caso contrário, ela provavelmente acabará comendo seu parceiro.

As fêmeas férteis possuem ootecas férteis de onde emergem dezenas de ninfas muito pequenas.

7. Os louva-a-deus são caçadores e só aceitam alimento vivo

Cuidar de um louva-a-deus em termos de instalação não é difícil, mas sua dieta é outra história. Esses animais têm excelente visão e membros dianteiros modificados, indicando que são excelentes caçadores. Eles ficarão interessados apenas em presas que se movimentem e, portanto, você deve criar insetos vivos em casa para alimentá-los.

Os grilos, os tenebrios, as baratas runner e as baratas Blaptica dubia serão a base nutricional das espécies de médio e grande porte. Por outro lado, alguns louva-a-deus menores (como Hymenopus coronatus) requerem presas menores, como moscas, microgrilos e traças.

Os louva-a-deus adultos costumam comer 1 a 2 vezes por semana.

O louva-a-deus é venenoso?

Cuidar de um louva-a-deus não é uma tarefa excessivamente complexa, mas alguns conceitos devem estar claros antes de embarcar em um projeto desse tipo. Discuta com o vendedor (sempre autorizado) qual é a espécie mais indicada para você e pergunte sobre seus requisitos vitais. Informe-se antes e não pegue o animal até que você tenha estudado tudo sobre sua vida.

Pode interessar a você...
Idolomantis diabolica: tudo que você precisa saber
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Idolomantis diabolica: tudo que você precisa saber

Idolomantis diabolica é um predador mortal que espreita sua presa, confundindo-se perfeitamente com seu entorno. Saiba mais aqui!