Por que as gaivotas são aves marinhas

· novembro 28, 2018

As gaivotas são aves marinhas que habitam em quase todos os continentes, sendo muito queridas e populares em todo o mundo.

De fato, é muito difícil pensar em uma gaivota em outro ambiente que não o imenso azul do mar. Veremos a seguir algumas razões que fazem dessas majestosas aves serem marinhas.

Gaivotas: características físicas e taxonômicas

As gaivotas são aves palmípedes pertencentes à família dos larídeos. Atualmente, são conhecidas mais de 40 espécies.

Elas habitam, em sua maioria, os litorais da Europa e América. Possuem um corpo compacto e esbelto, com asas longas e fortes. Uma gaivota adulta costuma medir entre 27 cm e 80 cm, medidos do bico até a cauda.

O bico das gaivotas é forte e robusto, com tonalidades de amarelo e laranja. Um fato curioso é que suas patas largas possuem uma membrana que conecta os dedos palmeados, permitindo que se movam sobre as águas do mar.

Essas aves passam por diversas transformações na plumagem até alcançar a idade adulta. As penas são de cor predominantemente branca ou cinza, com pequenas manchas negras nas asas ou na cabeça.

Gaivota voando

A espessura das penas da gaivota permite que possam alçar voo em superfícies planas, sem o auxílio do vento e sem submergir na água.

As asas dessas aves possuem uma estrutura perfeita para planar e voar com grande agilidade. E embora tenham essa capacidade, as gaivotas não costumam voar por grandes distâncias ou caçar nas alturas, como falcões ou águias.

A maioria dessas aves vivem em regiões costeiras, enquanto outras habitam e se alimentam no continente.

As gaivotas marinhas passam 95% do tempo de vida sobrevoando os oceanos. Alimentam-se de peixes e invertebrados, além de vegetais.

Por que dizemos que as gaivotas são aves marinhas

Estamos acostumados a associar as gaivotas ao mar, já que a maioria das espécies vivem perto da costa. Como mencionamos, o próprio corpo delas é feito para planar sobre as águas.

Essas espécies podem viver até 95% de sua vida sobrevoando os oceanos, voltando eventualmente ao continente para pôr seus ovos.

Apesar disso, existem também espécies de gaivotas que se alimentam e nidificam no continente, longe do mar.

Essas raras espécies costumam alcançar o interior dos continentes seguindo o curso dos rios.

Hoje em dia, todas as espécies de gaivotas precisam viver em regiões com boa disponibilidade de ventos. 

Caso contrário, não seriam capazes de voar, teriam a alimentação ameaçada e ficariam vulneráveis frente a possíveis predadores.

São encontradas em todos os continentes, mas são mais comuns ao longo do continente americano e costas dos mares europeus.

Além disso, a gaivota é uma das aves que melhor se adaptou à convivência com humanos. 

São capazes de viver próximas de portos, em ambientes com umidade artificial, valas, rios canalizados e até em lixões a céu aberto.

gaivotas são aves marinhas

Alimentação das gaivotas

Como a maioria das aves, as gaivotas mantêm uma dieta muito variada em habitat natural.

Seus hábitos alimentares são mais oportunistas e variam de acordo com a disponibilidade de alimento, clima e ambiente.

Ao planar sobre os mares e rios, costumam pegar peixes, insetos, moluscos, crustáceos, vegetais e vermes. 

Além disso, também podem roubar ovos de outras aves que fazem ninhos perto da costa. As espécies que habitam o interior podem se aproximar dos rios para se alimentar ou buscar ninhos em árvores, rochas ou montanhas.

Quando o alimento fica escasso, as gaivotas podem adotar hábitos carniceiros, como os abutres. 

Assim, passarão a ingerir restos deixados por outras aves ou mamíferos predadores.

As espécies que vivem próximo à cidades se adaptaram aos hábitos humanos. Podem aproveitar os dejetos da atividade pesqueira nos portos e também consumir os restos de nossa alimentação. 

Em algumas ocasiões, vemos gaivotas voando perto de depósitos de lixo em grandes cidades.

Hábitos das gaivotas

Embora possam adotar hábitos solitários, geralmente foram colônias para se proteger de predadores.

São aves inteligentes, que mantém uma estrutura social e demonstram um sofisticado sistema de comunicação. Também são animais territoriais e toda a comunidade é responsável por proteger o ambiente.

Na época de reprodução, machos e fêmeas se juntam em praias, leitos de rios ou pântanos. As gaivotas são aves marinhas monogâmicas: formam um único casal por toda a vida, responsável por cuidar dos filhotes.

Eles constroem ninhos simples, com ramos e ervas, geralmente nas falésias perto do mar.