Por que o pelo do meu gato não cresce?

Uma das características mais interessantes dos gatos domésticos é o pelo, por isso se estiverem saudáveis sua pelagem crescerá macia e com brilho. Você quer saber por que o pelo do seu gato não cresce e só cai?
Por que o pelo do meu gato não cresce?

Última atualização: 11 março, 2022

Se tivermos um gatinho em casa, a principal preocupação é o seu bem-estar: que seja alimentado, cresça saudável e seja bem amado. Um dos sinais mais óbvios de que algo está errado é observado em sua pelagem, por isso devemos estar sempre atentos à aparência externa do animal e é normal que nos perguntemos em certas ocasiões o seguinte: por que o pelo do meu gato não cresce?

A pele é o órgão mais notório do corpo de um ser vivo. No caso dos gatos, é coberto por uma pelagem curta ou longa, que varia entre as diferentes raças, é macio e colorido. Continue lendo para aprender todas as causas pelas quais seu bichano pode perder o pelo e assim você saberá quando procurar ajuda, pois a saúde dele é o mais importante.

Características relacionadas à pelagem dos gatos

Antes de investigar por que o pelo do seu gato não cresce, vamos citar alguns destaques relacionados à sua pelagem. Um deles é a diversidade de padrões e formas de cores. Os bichanos podem apresentar colorações uniformes ou com algumas manchas ou listras. Os tons variam, mas em geral são registrados preto, branco, creme, marrom, amarelo e cinza, entre outros.

A pele dos gatos (assim como do resto dos mamíferos) serve como proteção e isolamento térmico, por isso é frequente que no inverno fique mais densa.

Outra característica relevante é a queda: os gatos trocam os pelos de vez em quando de forma natural, ou seja, sem que a perda esteja relacionada a alguma patologia. Isso ocorre 2 vezes por ano, durante a primavera e o outono.

Os gatos passam parte do tempo cuidando de seus pelos, penteando-os com a língua. No entanto, você pode preferir escová-los para ajudar a remover pelos mortos e manchas. Essa atenção aos nossos gatinhos é muito importante durante a época da troca de pelos, pois dessa forma o bichano fica impedido de engolir os pelos caídos.

Uma das raças de gatos laranja.

Razões pelas quais o pelo do meu gato não cresce

Existem diferentes razões pelas quais o pelo desses gatos não cresce. Nós vamos mostrá-las nas linhas a seguir.

A troca de pelos

Como já mencionamos, a troca de pelo em gatos é uma razão para a queda. Isso ocorre naturalmente, portanto não há necessidade de se preocupar se notar restos de pelos de felino nos móveis ou em outras partes da casa. Uma forma de ajudar o gato nessa fase é escová-lo constantemente.

Doenças de pele causadas por fungos

Em gatos, as doenças fúngicas da pele são um problema real e afetam o crescimento dos pelos. Além disso, podem ser transmitidas aos humanos. Esses tipos de condições são chamados de dermatofitose e são causados por diferentes espécies patogênicas.

As vias de transmissão incluem o contato direto ou por meio de superfícies ou objetos contaminados (pentes, brinquedos e gaiolas, entre outros). Os esporos dos fungos podem permanecer viáveis no meio ambiente por um longo tempo — até 18 meses — por isso é importante (além da aplicação do tratamento) limpar e desinfetar os espaços.

Esse tipo de doença provoca coceira abundante e os gatinhos que sofrem com ela ficam inquietos, desesperados e se coçam, causando mais danos à pele. As áreas afetadas apresentam uma caspa fina e pelos danificados, que podem cair. No entanto, também há casos em que nenhum sintoma é evidente.

Presença de parasitas externos

Da mesma forma, os parasitas externos também afetam a bela pelagem do nosso gatinho e lhe causam muita coceira, por isso ele tende a se coçar e lamber, causando queda e falta de crescimento dos pelos. Existem diferentes tipos de organismos que vivem em sua pele, como pulgas, ácaros e piolhos.

As pulgas são as mais comuns e são vistas como pequenos pontos na pelagem. Os piolhos são menos comuns, mas também são muito irritantes. Estes últimos geralmente são vistos na cabeça e nas costas, além dos ovos ou das lêndeas.

Alguns ácaros causam sarna. Eles geram inflamação e perda de pelos. Essa condição geralmente começa atrás das orelhas e se espalha para o rosto e toda a cabeça a partir daí. Por último, afeta o resto do corpo e as pernas.

Alergias

As alergias também causam problemas de pele e na pelagem dos gatos, entre muitos outros sinais. Sua origem pode ser diversa, desde uma fonte alimentar até ambiental. Entre as principais causas estão: poeira, pólen, produto de limpeza ou qualquer componente de alimentos, entre outros.

Estresse

O estresse causa diferentes doenças em gatos, desde vários tipos de comportamento errático até condições de pele e pelo. Inclusive, devido à ansiedade, seus pelos podem cair e não se regenerar. Nesses casos, devemos estar atentos ao elemento desencadeador do quadro para eliminá-lo e melhorar o comportamento, a estética e principalmente o bem-estar do nosso bichano.

Deficiências nutricionais

Uma dieta pobre em nutrientes também é uma das razões pelas quais o pelo de um gato não cresce e cai. As deficiências nutricionais geram diversos sintomas na pelagem, como falta de brilho, mudanças na cor, problemas de cicatrização e pele oleosa ou muito seca, entre outros sinais.

Deve-se implementar mudanças dietéticas e suplementos com minerais (como zinco) e vitaminas para prevenir a queda de pelo em gatos. Além disso, também pode ser necessário incluir ômega-3 e ômega-6 em sua dieta.

Quanto tempo o pelo do meu gato leva para crescer?

Depois de citar os motivos da queda (e falta de crescimento) dos pelos em gatos, é relevante saber quanto tempo demora para crescer para não nos desesperarmos, pois em algumas situações o processo de recuperação pode demorar alguns meses. O tempo de reparo da pele é variável com base em causas particulares.

No caso de processos naturais (como a queda), a mudança de pelagem pode ocorrer entre 2 ou 3 semanas. Em geral, em situações anormais, a restauração e recuperação da pelagem ocorre em um período de 1 a 3 meses.

Outro aspecto importante: o corte do pelo

Às vezes é fundamental cortar o pelo do gato. Destacamos os seguintes cenários:

  1. Em casos de check-ups ou exames médicos: é necessário raspar uma determinada área para que seja mais fácil para o veterinário examinar o gato. Não se preocupe, o pelo vai crescer de novo e isso é apenas temporário.
  2. Em épocas de calor ou áreas geográficas com clima quente: pode-se optar por aparar um pouco o pelo para refrescar e deixar o cão mais confortável. É importante não expor totalmente a pele, pois é muito sensível aos raios solares.
  3. Nós no pelo: quando aparecem emaranhados nos pelos dos bichanos, é melhor cortá-los. Dessa forma, o desconforto e as infecções são evitados.

Não se pode retirar o pelo de um gato sem antes buscar a orientação de um especialista, pois nem todas as partes do corpo devem ser raspadas. Normalmente, a pele do torso é aparada e a cabeça, membros e cauda são mantidos.

Da mesma forma, você deve se aconselhar sobre a quantidade de pelo a ser depilada. É melhor deixar essa tarefa delicada e relevante nas mãos de um veterinário ou tratador de felinos.

Uma mulher escovando seu gato.

Como você pode ver, os motivos pelos quais o pelo de um gato não cresce são muito diversos e vão desde algo natural (troca de pelos) até problemas relacionados à saúde. Em qualquer caso, o melhor aliado é o veterinário para fazer um diagnóstico preciso do seu gatinho e estabelecer o tratamento adequado. Com os devidos cuidados, o bichano logo recuperará sua bela pelagem.

Pode interessar a você...
Gato de oriental de pelo curto: tudo sobre essa raça
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Gato de oriental de pelo curto: tudo sobre essa raça

O gato oriental de pelo curto se destaca por ser esguio, com orelhas pronunciadas e cabeça em forma de cunha. Saiba mais sobre essa raça.



  • González-Domínguez, M. (2016). Patologías dermatológicas de origen nutricional en los pequeños animales: una revisión. Revista CES. Medicina veterinaria y Zootecnia, 11(2), 82-102.
  • Gallardo, L., & Sandoval, G. (1994). Manual de conocimientos básicos para el manejo del gato doméstico. [Tesis de pregrado inédita]. Universidad de Guadalajara.
  • Harvey, R., Mckeever, P. (2001). Manual ilustrado de enfermedades de la piel en perro y gato. Grass Edicions. http://www.rednacionaldeveterinarias.com.uy/articulos/dermatologia/Veterinaria_Enfermedades_De_La_Piel_En_Perro_Y_Gato.pdf
  • Ocaña, C. (2003). Dermatosis felinas en colectividades. Profesión veterinaria, 15(57), 6-12.