A rã de olhos vermelhos: habitat e características

Seus olhos e a bela cor da pele fazem da rã de olhos vermelhos um dos animais mais bonitos do planeta. Você quer conhecer essa espécie?
A rã de olhos vermelhos: habitat e características

Última atualização: 04 Novembro, 2021

A rã de olhos vermelhos (Agalychnis callidryas) é um pequeno anfíbio que se tornou popular ao longo dos anos por seus belos olhos. Essa particularidade ficou imortalizada nas fotos e nas propagandas veiculadas na internet e na mídia.

Consequentemente, muitas pessoas optaram por ter um espécime (ou vários) dessa espécie como animal de estimação. No entanto, sua criação em cativeiro é complexa devido às exigências específicas de sua atividade noturna e às condições ambientais de seu habitat natural. Abaixo você encontrará as informações mais relevantes sobre esse curioso anfíbio.

Habitat da rã de olhos vermelhos

Essa espécie de rã, pertencente à família Hylidae, vive em florestas tropicais de várzea e pode ser encontrada em áreas próximas a rios. Sua distribuição inclui as selvas do leste de Honduras ao nordeste da Colômbia, onde os espécimes também são frequentemente encontrados nadando entre rios e riachos.

No passado, essa espécie recebeu vários nomes. De qualquer forma, é importante esclarecer que um estudo recente baseado em características morfológicas e biogeográficas propôs não considerar a espécie Agalychnis taylori como sinônimo de A. callidryas. A decisão foi tomada devido às diferenças morfológicas e moleculares entre as duas espécies, embora à primeira vista possam ser muito semelhantes.

As rãs de olhos vermelhos costumam ficar em galhos, folhas e troncos das árvores às quais se prendem graças aos seus dedos em forma de ventosa. Por outro lado, esse anfíbio prefere temperaturas entre 25 e 30 graus Celsius durante o dia e 18 a 25 graus à noite, quando a umidade relativa do ar varia entre 80% e 100%.

Um sapo de olhos vermelhos em uma folha.

Características físicas

Como o próprio nome indica, a rã de olhos vermelhos se caracteriza principalmente pela cor verde brilhante de sua pele e pela intensidade do tom vermelho dos seus olhos. Por outro lado, as patas dianteiras e traseiras são laranja e a zona ventral destaca-se pela tonalidade azul brilhante.

As rãs jovens dessa espécie nascem castanhas e ficam verdes à medida que se tornam adultas. Curiosamente, elas podem mudar sua tonalidade para um verde mais escuro ou marrom avermelhado, dependendo do ambiente em que estiverem.

A espécie apresenta um dimorfismo sexual muito claro, já que os machos são menores que as fêmeas: medem 56 milímetros e as fêmeas 71 milímetros. Por outro lado, como mencionado acima, essa rã possui grandes almofadas nas pontas dos dedos com ventosas que permitem que ela se mova, grudando nas folhas de seu habitat.

Comportamento da rã de olhos vermelhos

A espécie A. callidryas possui hábitos noturnos e arbóreos. É em árvores altas e arbustos que encontra refúgio para se proteger de seus principais predadores como cobras, pássaros ou morcegos. Como outras espécies de rãs, as cores marcantes da sua pele alertam quem deseja caçá-la. No entanto, é importante observar que suas glândulas superficiais secretam uma pequena quantidade de toxinas.

Por outro lado, acredita-se que os belos olhos desses anfíbios sejam um mecanismo de defesa chamado coloração de sobressalto. Com esse tom impressionante, eles podem assustar seus predadores, pois abrem abruptamente os olhos e pularam em busca de abrigo.

A alimentação da rã de olhos vermelhos

A dieta dessa rã é carnívora, pois se baseia em moscas, gafanhotos, mariposas e grilos. A cor de sua pele permite que ela passe despercebida entre as folhas das árvores, onde espera que os insetos ou outros pequenos animais passem e se tornem seu alimento.

Em algumas ocasiões, essa espécie pode se alimentar de outras rãs menores, desde que caibam em sua boca. Por outro lado, as rãs mais jovens se alimentam de moscas-das-frutas e grilos. Em cativeiro, elas podem se alimentar de larvas-da-farinha, traças grandes da cera ou pequenos espécimes de várias espécies de ortópteros.

Reprodução da rã de olhos vermelhos

O ritual musical de acasalamento da rã de olhos vermelhos começa com o coaxar alto do macho, que é rapidamente acompanhado pelos vizinhos. Todos os machos começam a coaxar e pular de folha em folha para estabelecer um território e atrair as fêmeas. Curiosamente, foi demonstrado que os machos dessa espécie tremem quando o coaxar está em seu clímax.

Depois de chamar a fêmea, é provável que dois machos se enfrentem para demonstrar sua força. Por fim, e sem chamar atenção, as fêmeas descem lentamente da copa das árvores e, ao notar sua presença, os machos iniciam uma corrida para que sejam os primeiros a interceptá-las.

A rã de olhos vermelhos costuma botar seus ovos na vegetação que fica acima da água, pois na hora da eclosão os girinos deslizam pelas folhas até cair no ambiente fluido.

O macho intercepta a fêmea e a abraça em uma posição conhecida como amplexo. O casal pode permanecer nessa conformação por dias até que a fêmea decida fazer a postura. Nesse momento, ela libera os ovos sobre uma folha, e o macho imediatamente os fertiliza de forma externa. Como já dissemos, esses ovos são colocados logo acima de corpos d’água.

Uma rã com os olhos mais bonitos da natureza.

Estado de conservação

Atualmente, a rã de olhos vermelhos  não está ameaçada, pois seu status de conservação de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) é “Pouco Preocupante (LC)”. No entanto, o desmatamento e a poluição de seu habitat natural são suas principais ameaças, além das consequências do aquecimento global.

Como você pode ver, a rã de olhos vermelhos é um dos animais mais bonitos e curiosos do planeta. Seu comportamento reprodutivo e sua capacidade de defesa são alguns de seus aspectos mais marcantes. No entanto, a espécie pode ser afetada no futuro se o desmatamento de seu habitat aumentar nos próximos anos.

Pode interessar a você...
Os sapos podem respirar debaixo d’água?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Os sapos podem respirar debaixo d’água?

Os sapos podem respirar debaixo d'água através de sua pele, mas a oxigenação nesse meio é insuficiente para que permaneçam submersos.