O que são os sirfídeos?

Tendo em vista o declínio de algumas espécies de himenópteros, os sirfídeos representam uma boa alternativa como polinizadores em diversos ambientes. Saiba mais sobre eles.
O que são os sirfídeos?

Última atualização: 26 Novembro, 2021

Os insetos são inúmeros invertebrados com uma variedade de estratégias com as quais conseguem sobreviver. Entre eles, temos um grupo particular que se assemelha a abelhas e vespas na aparência física, mas não é venenoso. São moscas grandes e vistosas: você quer conhecê-las? Vamos ver o que são os sirfídeos.

Esses animais são dípteros cosmopolitas muito interessantes, principalmente pelas importantes funções que desempenham no ecossistema. Aqui, apresentamos em detalhes o que são as borboletas, como é sua aparência física, de que se alimentam e alguns aspectos de seu ciclo de vida.

O que são os sirfídeos?

Como mencionamos no início, os sirfídeos são alguns tipos de insetos incluídos na ordem Diptera e na família Syrphidae. São cosmopolitas, ou seja, podem ser encontrados em várias partes do mundo (exceto na Antártica).

Existem 284 gêneros e 6545 espécies descritas dentro de seu grupo, que são conhecidas como moscas-das-flores ou hoverflies, devido a sua capacidade de voar e seus hábitos alimentares. Esses insetos desempenham vários papéis no ecossistema: são polinizadores e algumas espécies desempenham um papel como controladoras de pragas nas lavouras.

Um sirfídeo adulto.

Os sirfídeos como polinizadores

Esses insetos se destacam por seu papel como polinizadores. Essa função é desempenhada na fase adulta devido aos hábitos alimentares.

Os sirfídeos são os segundos insetos mais importantes na polinização de algumas espécies de plantas (depois dos himenópteros). Eles também se mostraram úteis em uma ampla variedade de culturas, tanto arbóreas quanto herbáceas. Como exemplo temos o sirfídeo Eristalis tenax, um agente polinizador em plantações ao ar livre.

Esses dípteros tendem a ser generalistas, ou seja, não se limitam a um tipo específico de planta. No entanto, certas espécies têm preferências. As flores que servem como atrativos possuem características como tons claros (brancos ou amarelos), abundante produção de néctar e pólen, e fácil acesso.

Como são os sirfídeos?

As moscas-das-flores sofrem mudanças durante seu ciclo de vida. Portanto, vamos descrevê-las tanto em sua fase adulta quanto imatura.

Moscas-das-flores em sua fase adulta

Os animais adultos têm uma grande variedade de formas, tamanhos e cores. Alguns exemplares têm dimensões reduzidas, enquanto outros são maiores, com valores que variam de 4 a 25 milímetros de comprimento.

Uma das coisas mais interessantes sobre sua aparência física é sua semelhança com as abelhas e vespas. Além disso, os sirfídeos exibem uma cor marrom, laranja ou amarela que geralmente é acompanhada por faixas acentuadas em seu abdômen. Além das cores e do formato, alguns sirfídeos até mesmo as imitam no comportamento.

Tudo isso foi desenvolvido como um método de defesa contra os inimigos. Essa estratégia é conhecida como mimetismo batesiano e consiste na imitação de alguma característica de um organismo perigoso (venenoso nesse caso) por um inofensivo.

O mimetismo batesiano faz com que os sirfídeos pareçam mais temíveis e, portanto, evitam virarem presas.

As moscas-das-flores têm corpo dividido em 3 seções: cabeça com antenas reduzidas e olhos grandes (como as demais moscas), tórax com 6 patas e asas curtas (um par funcional, outro transformado em balancins) e abdômen. Algumas espécies possuem corpos delgados e outras corpos robustos, sejam peludos ou sem pelos.

Um aspecto único da família é a presença de uma veia nas asas funcionais ou membranosas, chamada de veia espúria.

Formas imaturas

Esses dípteros têm vários estágios larvais em forma de verme, sem patas ou cabeça definidas. Algumas larvas são encontradas em ambientes aquáticos e outras são terrestres. Elas também podem ter uma cauda longa, mas nada mais é do que um sifão que usam para respirar em espaços aquosos.

Os ovos são geralmente esbranquiçados e muito pequenos. As pupas são duras devido às transformações da cutícula no último estágio larval.

O que os sirfídeos comem?

Como seria de se esperar devido ao seu papel polinizador, os sirfídeos adultos consomem néctar e pólen. São visitantes constantes das flores, enquanto as larvas têm uma nutrição muito diferente. De acordo com isso, apresentam 3 tipos diferentes de alimentação:

  • Larvas fitófagas: nesse caso, temos formas imaturas que se alimentam de tecidos vegetais vivos. Alguns também podem se alimentar de fungos (micófagas).
  • Larvas saprófagas: aquelas que consomem matéria orgânica em decomposição. São encontradas em diversos ambientes aquáticos ou úmidos, como excrementos, madeira e chorume, entre outros.
  • Larvas predatórias: são aquelas que se alimentam de outros insetos, geralmente de corpos moles (afídeos ou pulgões, moscas-brancas e cochonilhas, entre outros). Estes se destacam por seu papel como biocontroladores.

Ciclo de vida

As moscas flutuantes passam por vários estágios durante seu ciclo de vida. A larva emerge do ovo, seguida de outras fases larvais consecutivas, depois ocorre a transformação em pupa e, por fim, surgem os adultos. A duração de cada período e do ciclo total variam em cada caso com base nas condições ambientais particulares.

Algumas espécies foram estudadas em condições controladas de laboratório. Um exemplo é o sirfídeo predador Pseudodoros clavatus, que tem um ciclo total de 13,6 dias (2 como ovo, 6 como larva e 5,6 na fase de pupa) a 25° C. Esse intervalo depende da espécie.

Um sirfídeo em uma folha.

Aprender o que são os sirfídeos, sua dieta e ciclo de vida é útil para melhorar os cultivos vegetais, uma vez que são dípteros importantes devido ao seu papel marcante como polinizadores. Além disso, algumas larvas são predadoras de pragas, o que aumenta sua utilidade na agroindústria.

Pode interessar a você...
Larvas de sirfídeos: o pesadelo dos pulgões
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Larvas de sirfídeos: o pesadelo dos pulgões

As larvas de sirfídeos podem ser usadas para o biocontrole de pulgões, invertebrados que causam muitos problemas em várias culturas.



  • Arcaya, E., Mengual, X., Pérez-Bañón, C., & Santos, R. (2018). Aspectos biológicos de Pseudodoros clavatus (Fabricius) (Diptera: Syrphidae) alimentado con el áfido de las leguminosas Aphis craccivora Koch (Hemiptera: Aphididae). IDESIA (Chile), 36(2), 269-274.
  • Maza, N., Sopena, Y., Assaf, M., Paz, M., & Jaime, A. (2014). Las “moscas de las flores” (Diptera: Syrphidae) en Lules, Tucumán. Revista agronómica del noroeste argentino, 34 (2), 234-235.
  • Rader, R., Howlett, B., Cunningham, S., Westcott, D., Newstrom-Lloyd, L., Walker, M., Teulon, D., & Edwards, W. (2009). Alternative pollinator taxa are equally efficient but not as effective as the honeybee in a mass flowering crop. Journal of Applied Ecology, 46(5), 1080-1087.
  • Stefanescu, C., Aguado, L., Asís, J.D., Baños-Picón, L., Cerdá, X., García, M., Micó, E., Ricarte, A., & Tormos, J. 2018. Diversidad de insectos polinizadores en la península ibérica. Ecosistemas, 27(2), 9-22.