Tartaruga-de-couro: características, alimentação e habitat

· abril 17, 2019
Os exemplares desta espécie podem medir mais de dois metros de comprimento e atingir um peso de 600 quilos. Mesmo sendo répteis, são capazes de regular sua temperatura e mantê-la acima da do exterior, algo típico dos mamíferos.

A tartaruga-de-couro é a maior de todas as tartarugas que conhecemos. Ela viaja por todos os mares, e talvez seja por isso que ela tenha uma carapaça com uma forma tão peculiar. A seguir, conheça todas as características deste réptil.

Características da tartaruga-de-couro

A tartaruga-de-couro é a maior tartaruga conhecida: pode crescer até medir mais de dois metros de comprimento e pesar cerca de 600 quilogramas.

Já foi registrada a descoberta de uma tartaruga que atingiu quase 900, mas era uma anomalia.

Assim como todas as tartarugas, essa também pertence à família dos répteis. No entanto, tem uma característica que ainda é um mistério: esse animal consegue manter seu corpo a uma temperatura mais alta que a do exterior. 

Os répteis dependem da temperatura externa para regular seu corpo, e ser capaz de gerar seu próprio calor corporal é algo típico dos mamíferos.

Tartaruga rumo ao mar

Apesar disso, a característica mais curiosa da tartaruga-de-couro é sua carapaça: normalmente, a parte externa das tartarugas é uma carapaça dura formada por escudos ósseos. 

No entanto, a carapaça da tartaruga-de-couro é macia, composta por um tecido que lembra o couro.

Por esta razão, esta tartaruga não tem uma forma arredondada com as bordas da carapaça e do peitoral bem diferenciadas, como acontece com outros parentes próximos dela.

Seu corpo forma uma curva suave que se afina à medida que se aproxima da cauda: essa forma curiosa lembra o alaúde, o instrumento musical que lhe dá o nome em alguns países.

Alimentação

A tartaruga-de-couro não tem dentes: sua boca é formada por um bico e em sua garganta há barbas que a ajudam a engolir sua presa.

A dieta deste animal é baseada principalmente em medusas. Elas se movimentam ao redor do planeta à procura de medusas para caçar; embora, se necessário, também possam caçar pequenos peixes, crustáceos, lulas e até algas marinhas.

A tartaruga-de-couro come muitas medusas: pode comer seu próprio peso por dia.

Portanto, esses répteis são muito importantes para manter o equilíbrio ecológico e controlar o tamanho das populações de medusas.

Infelizmente, ela confunde facilmente o lixo humano com comida: os plásticos podem parecer medusas.

Inúmeras tartarugas marinhas foram encontradas mortas com um estômago cheio de sacos de plástico, fios transparentes ou pedaços de redes de pesca.

Habitat da espécie

Elas tendem a ficar em oceanos mais frios do que outras espécies de tartarugas graças à sua capacidade de manter a temperatura corporal. Talvez seja por isso que elas também estão mais distribuídas em todo o planeta do que o resto de suas famílias.

Com exceção dos polos, elas estão presentes em todos os oceanos.

Habitat da tartaruga-de-couro

Durante os meses de verão, as tartarugas-de-couro são mais frequentemente vistas nas costas da América do Norte, tanto no Atlântico quanto no Pacífico.

Quando o inverno se aproxima, elas migram e se concentram nos mares mais quentes das costas da América do Sul, enquanto as europeias viajam para o sul, em direção ao centro da África. As tartarugas asiáticas ficam concentradas em torno da Indonésia e da Austrália.

No entanto, esses animais podem mudar de oceano ao longo da vida. Tartarugas que haviam sido observadas em um continente, alguns anos depois, estavam do outro lado do planeta.

Sabemos que elas se orientam e fazem suas viagens graças aos campos magnéticos da Terra.

Elas gostam de viver e de se mover longe o suficiente da superfície do mar: sabe-se que elas podem descer até 900 metros.

Além disso, são capazes de passar longos períodos de tempo submersas, graças ao fato de poderem extrair oxigênio para respirar da água que as cerca.

Preservação da tartaruga-de-couro

As tartarugas adultas são animais grandes o suficiente para não terem predadores, mas os ovos e os filhotes são muito vulneráveis: poucos jovens se tornam espécimes adultos.

A maior ameaça que afeta as populações desses répteis vem da atividade humana: uma delas é a destruição ou alteração das praias onde as tartarugas põem seus ovos para depois seus filhotes encontrarem o mar.

Para espécimes adultos, a poluição, a ingestão de plásticos e a imobilização causada por lixo marinho é a maior ameaça. Existem poucos casos de tartarugas que colidem com barcos.

A tartaruga-de-couro é atualmente considerada um animal em perigo de extinção, mas sua situação ainda não é preocupante.

Apesar disso, sabe-se que sua população não para de diminuir e que cada vez há mais problemas para a espécie: se não for encontrada uma solução para a poluição dos oceanos, em breve soarão os alarmes.