10 tipos de salamandras

As toxinas da salamandra não representam um perigo para a saúde humana, pois geralmente são capazes de causar apenas uma leve irritação.
10 tipos de salamandras
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 19 janeiro, 2023

As salamandras fazem parte do grupo dos anfíbios caudados, ou seja, que possuem cauda ao longo de suas fases de vida. Assim como seus parentes mais próximos, esses organismos precisam de ambientes de alta umidade para sobreviver, pois parte de sua respiração ocorre através da pele. Embora sua distribuição seja um pouco limitada, isso não impede a existência de vários tipos diferentes de salamandras.

O termo salamandra é usado para nomear diferentes espécies de anfíbios. No entanto, neste espaço serão consideradas apenas duas famílias: Salamandridae e Plethodontidae. Continue lendo e conheça 10 tipos diferentes de salamandras conosco.

Família Salamandridae

Este grupo é formado por salamandras ou tritões. Atualmente 114 espécies são reconhecidas em todo o mundo com uma distribuição que abrange Ásia, África, América do Norte e Europa. Além disso, a maioria desses anfíbios é caracterizada por ter pulmões, de modo que são capazes de respirar bem fora da água.

A forma física desses organismos se assemelha muito à dos lagartos, com a grande diferença de que sua pele não tem escamas e é úmida ao toque. Além disso, algumas espécies podem apresentar toxinas levemente venenosas e apresentar coloração brilhante do tipo aposemático. Listados abaixo estão alguns tipos de salamandras desta família.

1. Salamandra-lusitânica (Chioglossa lusitanica)

A salamandra-lusitânica é um animal esguio e alongado com uma cauda que pode ter o dobro do tamanho do seu corpo. Por outro lado, sua pele é lisa e muito brilhante, embora suas cores sejam escuras e apareçam manchas em alguns exemplares. Estes anfíbios são endémicos da Península Ibérica, sendo as Astúrias a região com mais avistamentos.

Um dos tipos de salamandras.

2. salamandra-de-costelas-salientes (Pleurodeles waltl)

A salamandra-de-costelas-salientes é um anfíbio bastante estranho, pois possui um mecanismo de defesa peculiar. Quase no estilo de um filme de ficção científica, esse organismo coloca suas costelas para fora dos lados para poder “apunhalar” seus predadores e injetá-los com toxinas. Esta espécie está distribuída por toda a Península Ibérica e oeste de Marrocos.

Um dos tipos de anfíbios.

3. Tylototriton verrucosus

Este tritão é conhecido por habitar as montanhas do sudeste da Índia, Butão, Nepal, Birmânia, Tailândia e China. Vive entre 1.200 e 2.250 metros acima do nível do mar, perto de córregos, riachos ou lagoas. O nome científico da espécie vem das verrugas claras nas laterais de seu corpo, que lembram as de um crocodilo.

Um dos tipos de salamandras.

4. Neurergus kaiseri

Este animal é bastante colorido e peculiar, pois sua pele possui uma combinação de cores vivas como vermelho, laranja, preto e branco. A espécie é nativa do Monte Zagros (Irã), onde só pode ser encontrada em alguns rios. Devido à sua aparência exótica, tem sido vítima de captura e comércio, o que provocou uma redução acentuada da sua população.

5. Tritão-ventre-de-fogo (Cynops orientalis)

O tritão-ventre-de-fogo recebe o nome do tom aposemático de sua barriga, que exibe cores vermelhas brilhantes com furos perturbadores. Por sua vez, o dorso deste organismo não é nada vistoso, pois possui tons pretos ou escuros. Esses espécimes são endêmicos da China, onde são classificados como uma espécie ameaçada pela destruição de seu habitat.

Um tritão de barriga de fogo em um fundo branco.

Família Plethodontidae

Os animais dessa família também são considerados salamandras, pois compartilham certas características com as salamandras e os tritões acima mencionados. No entanto, eles não desenvolveram pulmões como as espécies anteriores. Por esse motivo, seus tamanhos geralmente são menores e respiram pela pele. A lista a seguir agrupa alguns tipos de salamandras sem pulmões deste grupo.

6. Plethodon vandykei

Esta é uma pequena salamandra que vive em florestas úmidas com riachos, pois precisa de muita umidade para poder respirar pela pele. Além disso, seus membros são mais longos que o normal, o que também inclui sua cauda. Por outro lado, seu corpo exibe uma combinação de cores preta, amarela, rosa e vermelha. Esses organismos vivem apenas a oeste de Washington (EUA).

7. Salamandra-arbórea (Aneides lugubris)

A salamandra-arbórea recebe o nome do habitat em que prefere viver, pois é caracterizada por uma cauda preênsil que a torna uma excelente escaladora. Refugia-se durante o dia nas cavidades das árvores enquanto espera o cair da noite para sair à caça de insetos e outros invertebrados. Esses espécimes são nativos da América do Norte.

Um dos anfíbios mais ameaçados.

8. Plethodon shermani

Como o próprio nome indica, esse tipo de salamandra apresenta cores escuras em seu corpo, enquanto seus membros têm tons vermelhos brilhantes. Além disso, esses anfíbios se agrupam em habitats moderadamente frios em montanhas como Unicoi, Nantahala e as Montanhas Apalaches.

9. Nyctanolis pernix

Esses organismos são endêmicos da Guatemala e do México, onde ocupam várias florestas nubladas para viver. Entre suas características mais distintivas estão seus membros alongados, pois se estiverem esticados ao longo do corpo, eles se sobrepõem. Graças a isso, os espécimes são mais ágeis e têm melhor mobilidade do que outros de sua família.

10. Speleomantes ambrosii

A salamandra Speleomantes ambrosii é endêmica da Itália e está distribuída em uma pequena região da província de La Spezia. Apesar do nome, este anfíbio não vive especificamente em cavernas, pois também é encontrado sob pedras ou a serrapilheira. Por sua vez, apresenta uma coloração variável entre tons de preto e marrom com manchas cinza, verde, vermelho, rosa ou marrom.

Apesar de precisarem de uma área úmida para viver, as salamandras conseguiram se diversificar em quase todo o mundo. No entanto, como muitos outros anfíbios, a maior ameaça que enfrentam é a perda de habitat. O ser humano é e será a causa de muitos desses fascinantes animais estarem à beira da extinção.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Kieren, S., Sparreboom, M., Hochkirch, A., & Veith, M. (2018). A biogeographic and ecological perspective to the evolution of reproductive behaviour in the family Salamandridae. Molecular phylogenetics and evolution, 121, 98-109.
  • Vences, M. (2015). Salamandra rabilarga – Chioglossa lusitanica. En: Enciclopedia Virtual de los Vertebrados Españoles. Salvador, A., Martínez-Solano, I. (Eds.). Museo Nacional de Ciencias Naturales, Madrid. http://www.vertebradosibericos.org/
  • Kuzmin, S. L., Dasgupta, R., & Smirina, E. M. (1994). Ecology of the Himalayan newt (Tylototriton verrucosus) in Darjeeling himalayas, India. Russian Journal of Herpetology, 1(1), 69-76.
  • Guo, K., Yuan, S., Wang, H., Zhong, J., Wu, Y., Chen, W., … & Chang, Q. (2021). Species distribution models for predicting the habitat suitability of Chinese fire‐bellied newt Cynops orientalis under climate change. Ecology and evolution, 11(15), 10147-10154.
  • Nishikawa, K., Khonsue, W., Pomchote, P., & Matsui, M. (2013). Two new species of Tylototriton from Thailand (amphibia: Urodela: Salamandridae). Zootaxa3737(3), 261-279.
  • Brodie Jr, E. D., & Storm, R. M. (1970). Plethodon vandykei. Catalogue of American Amphibians and Reptiles (CAAR).

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.