Tubarão-boca-grande: habitat e características

Como o tubarão-boca-grande é muito lento, ele é frequentemente atacado por outro tubarão, que é capaz de rasgar pedaços de sua pele.
Tubarão-boca-grande: habitat e características

Última atualização: 31 Julho, 2021

O tubarão-boca-grande (Megachasma pelagios) é uma das espécies mais raras e menos conhecidas do mundo. Desde que foi descoberto em 1976, apenas 117 avistamentos foram relatados e a maioria deles é de organismos encalhados na praia ou de pescas acidentais. Uma das principais características é a sua boca gigante, por isso é chamado de “tubarão-boca-grande”.

Esse peixe cartilaginoso é um parente próximo do tubarão-baleia, por isso é bastante vistoso em tamanho, mas não é uma espécie perigosa. Se você quiser saber mais sobre esse organismo, continue lendo.

Habitat do tubarão-boca-grande

Apesar da falta de informações sobre esse animal, porque não é fácil encontrá-lo, foi possível examinar algumas de suas características. Os registros das localidades onde essa espécie foi encontrada mostram que ela é cosmopolita, pois se distribui em mares com temperatura e clima tropicais.

Foi estabelecido que esse tubarão é capaz de viver pelo menos em 3 dos 5 oceanos do mundo: o Pacífico, o Atlântico e o Índico. Espécimes já foram identificados em lugares como Japão, Taiwan e Filipinas, onde os encontros com esse animal aumentaram.

Seus hábitos são comparáveis aos das espécies pelágicas, pois esse animal apresenta movimentos constantes para a superfície. Além disso, vive em profundidades médias de 20 metros à noite e 150 metros durante o dia.

Origem e classificação

Em 1976, enquanto a Marinha dos Estados Unidos levantava sua âncora flutuante, foi encontrado emaranhado um tubarão de 4,46 metros de comprimento. O espécime pesava 750 quilos e parecia ser uma espécie de filtradora, pois seu estômago estava cheio de krill. A partir desse momento, seus captores o chamaram de megamouth, devido à sua boca enorme.

O segundo encontro com esse animal só foi em 1984, na Califórnia, onde, da mesma forma, um tubarão-boca-grande ficou preso em uma rede de pesca. Nessa ocasião, o tubarão ainda estava vivo quando o encontraram, pesava 700 quilos e media 4,5 metros. De fato, o espécime está preservado e disponível para visualização no Museu de História Natural do Condado de Los Angeles.

Em 1983, Taylor, Compagno e Struhsaker descreveram e nomearam o tubarão-boca-grande. Desde então, ele foi classificado na ordem dos Lamniformes, como um primo próximo de espécies como o tubarão-baleia ou o tubarão-frade.

Devido à escassez de informações, sua origem evolutiva não foi determinada, mas existem duas hipóteses. O primeiro se baseia na morfologia de seus dentes em forma de coroa, o que significaria que esse organismo seria capaz de habitar as águas de 36 milhões de anos atrás. A teoria é baseada nos múltiplos registros fósseis que se assemelham a essa espécie.

A segunda hipótese é baseada na análise molecular, na qual, por meio de seu DNA, sua origem é estimada em 100 milhões de anos atrás. Essas discrepâncias não significam que uma ou outra suposição esteja errada, e sim que é impossível definir sua origem com as informações atuais. Ambas as hipóteses têm seus fundamentos, portanto, é uma questão de tempo até que esse quebra-cabeça seja resolvido.

Distribuição global

Embora esse organismo tenha uma ampla distribuição, é provável que seja afetado por padrões de sazonalidade. Em outras palavras, sua presença em vários oceanos pode aumentar ou diminuir, dependendo da época do ano. Isso ocorre porque seus padrões de movimento parecem estar ligados à disponibilidade de alimentos.

Características do tubarão-boca-grande

Uma das principais características do tubarão-boca-grande é o seu grande tamanho, pois pode atingir mais de 5 metros de comprimento. Na verdade, as fêmeas podem atingir até 7 metros de comprimento, sendo esse um claro exemplo do dimorfismo sexual da espécie.

Seu corpo é macio e flácido ao toque, enquanto seu formato é semelhante ao de um girino, com uma cabeça grande e um corpo que se estreita na direção da cauda. Sua boca é muito grande, com bordas arredondadas e chega até atrás dos olhos. Além disso, ele possui pequenos dentes em forma de coroa, com fileiras de 85 a 100 em cada mandíbula.

As fendas branquiais são bastante longas e apresentam duas pequenas barbatanas dorsais e uma barbatana anal. Sua cor é típica dos elasmobrânquios, com tonalidades entre o preto-azulado e o cinza, com ventres brancos.

Caráter e comportamento

Esse organismo geralmente prefere nadar em águas rasas, pois à noite atinge apenas entre 12 e 25 metros de profundidade. De qualquer modo, pode se mover até 120 ou 166 metros de profundidade durante o dia, em constante locomoção para se alimentar. Esse comportamento parece acompanhar a migração vertical do zooplâncton, que constitui grande parte de sua dieta.

As características do tubarão-boca-grande o tornam uma espécie lenta para nadar, pois atinge uma velocidade inferior a 1 metro por segundo. Isso é compreensível, já que sua musculatura é bastante fraca, suas nadadeiras são muito macias e o animal não tem quilha.

Dieta e alimentação

A base da dieta desse organismo é o krill, mas ele também consome alguns copépodes e zooplâncton. Isso o classifica como uma espécie filtradora, que também suga parte da água para capturar seu alimento.

O tubarão-boca-grande aproveita sua grande boca para absorver o máximo de comida possível. Embora, ao contrário de outros, e devido à debilidade de sua fisiologia, ele tenha que sugar em vez de perseguir ativamente suas presas, como o tubarão-frade faz.

Reprodução do tubarão-boca-grande

Essa espécie parece atingir a maturidade quando chega a 4 metros de comprimento no caso dos machos ou 5 metros no das fêmeas. Tem atividades reprodutivas durante todo o ano e dá à luz perto das regiões tropicais.

O tipo de fertilização que esses peixes cartilaginosos usam é interna e eles têm encontros destinados à cópula que podem até deixar cicatrizes. Esse tubarão é uma espécie ovovivípara, então seus filhos se alimentam de vitelo dentro de suas mães.

Proteção e estado de conservação

Esse organismo está classificado como uma espécie pouco preocupante. No entanto, isso se deve à falta de informações sobre suas populações. É provável que apesar disso a espécie tenha uma população estável, já que desde sua descoberta os encontros com esse animal têm aumentado lentamente.

Um tubarão nas profundezas do mar

O planeta é coberto por quase 3 quartos de água, então o número de espécies aquáticas que existem pode ser muito alto. É possível que no futuro continuemos a descobrir cada vez mais animais marinhos que podem nos surpreender, como esse tubarão. Não é necessário temê-los, e sim conhecê-los e compreendê-los.

Pode interessar a você...

Tubarão-águia: um fóssil de 93 milhões de anos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Tubarão-águia: um fóssil de 93 milhões de anos

O tubarão-águia tinha uma morfologia única. Era mais largo do que comprido graças às suas enormes nadadeiras peitorais. Saiba mais sobre ele!



  • Martin, A. P., Pardini, A. T., Noble, L. R., & Jones, C. S. (2002). Conservation of a dinucleotide simple sequence repeat locus in sharks. Molecular Phylogenetics and Evolution23(2), 205-213.
  • Shimada, K., & Ward, D. J. (2016). The oldest fossil record of the megamouth shark from the late Eocene of Denmark and comments on the enigmatic megachasmid origin. Acta Palaeontologica Polonica61(4), 839-845.
  • Watanabe, Y. Y., & Papastamatiou, Y. P. (2019). Distribution, body size and biology of the megamouth shark Megachasma pelagios. Journal of fish biology95(4), 992-998.
  • Nakaya, K. (2010). Biology of the megamouth shark, Megachasma pelagios (Lamniformes: Megachasmidae). In Proceedings of an international symposium—into the unknown, researching mysterious deep-sea animals. Okinawa: Okinawa Churaumi Aquarium (pp. 69-83).
  • Castillo-Géniz, J. L., Ocampo-Torres, A. I., Shimada, K., Rigsby, C. K., & Nicholas, A. C. (2012). Tiburón bocudo juvenil, Megachasma pelagios, capturado en la costa del Pacífico de México, y su relevancia para la diversidad de los peces condrictios en México. Ciencias marinas38(2), 467-474.