Tubarão de chifre: habitat e características

janeiro 2, 2019
Apesar de seu nome agressivo, esse tipo de tubarão é um dos menores de sua espécie. Saiba mais sobre ele aqui!

Nas profundezas do mar, existem inúmeras espécies que nos surpreendem todos os dias. Com relação aos tubarões, por exemplo, existem diferentes tipos, e cada um com características diferentes. Você gostaria de conhecer alguns deles? Bem, desta vez, vamos falar sobre o tubarão de chifre.

Tudo o que você precisa saber sobre o tubarão de chifre

Características

Seu nome científico é ‘Heterodontus francisci‘, o que pode nos levar a pensar em um animal grande, com um enorme chifre saliente.

Mas a verdade é que ele é o menor tubarão de todos que existem, além de ser muito especial, por causa das cores que apresenta.

Esta espécie foi reconhecida no ano de 1855, quando Charles Frederic Girard realizou a primeira pesquisa sobre ele, publicada no “Proceedings of the Academy of Natural Sciences of Philadelphia”.

Ele tem uma cabeça pequena, mas larga, e o focinho é arredondado. Ao contrário de outros peixes, o tubarão de chifre não possui membrana em seus olhos.

Sua mandíbula é curva e muito pequena, na qual é possível encontrar entre 19 e 26 fileiras de dentes na área superior, e de 18 a 29 fileiras na parte inferior.

Tubarão de chifre

Seu corpo tem a forma de um cilindro, embora seus dentículos dérmicos salientes se destaquem – que em nada são prejudiciais, pois são macios.

As cores da sua pele são muito marcantes, embora, via de regra, apresentem um tom com manchas mais escuras nas laterais.

Em média, podem chegar a medir até 1,2 metro, embora poucos indivíduos excedam um metro de comprimento.

Suas duas barbatanas são em forma de foice e têm um espinho espesso na frente, que é o menos protuberante entre os chifres de tubarões que vivem nos recifes, já que, devido ao atrito com estes, sofrem maior desgaste.

Habitat do tubarão de chifre

Os tubarões de chifre estão presentes no Oceano Pacífico, em áreas que vão da Califórnia até o Golfo desta região. Eles também já foram vistos em São Francisco, Equador e Peru.

Geralmente vivem em enseadas e a onze metros de profundidade no mar. Mas, quando chega a estação fria, eles se dirigem para as praias com até 30 metros de profundidade.

No entanto, os mais jovens, que não chegam a meio metro de comprimento, preferem profundidades de 40 a 150 metros e, à medida que crescem, deslocam-se para águas mais rasas.

Em relação ao seu território, este raramente excede 1000 metros quadrados de amplitude. Na verdade, acredita-se que a maior distância percorrida por um tubarão de chifre tenha sido de cerca de 16 quilômetros.

Quando escolhem um lugar para morar, podem ficar lá por toda a vida, independentemente de migrarem ou não. Após a migração, retornam ao mesmo local de origem. Isso é algo que poucos peixes fazem.

Filhote de tubarão de chifre

Comportamento

Quando ouvimos a palavra “tubarão“, a primeira pergunta que vem à mente é se é perigoso. Bem, não, o tubarão de chifre não é perigoso.

Na verdade, ele é um nadador lento e desajeitado, talvez porque sua visão não seja muito aguçada. Ele gosta de ficar sozinho e é um animal noturno.

Ou seja, à noite ele está ativo em busca de comida, enquanto durante o dia ele fica parado no mesmo lugar, que geralmente é uma caverna ou uma gruta.

Alimenta-se de moluscos de casca dura, como caranguejos e ouriços-do-mar, por exemplo. Acredita-se que sua mandíbula tem o poder de criar uma mordida muito forte, apesar de seu tamanho.

Eles sugam suas presas para introduzi-las em sua cavidade bucal e depois carregá-las para os dentes da frente, onde a destroem em pedaços, com a ajuda de seus dentes laterais.

Isso é tudo o que podemos dizer sobre o tubarão de chifre, uma obra de arte da natureza que nos surpreendeu e que queríamos que você também conhecesse.