Urso polar: características, comportamento e habitat

· julho 23, 2018

O “superpredador do Ártico” é um dos maiores mamíferos terrestres do mundo. Caracteriza-se por ter o pelo completamente branco, o que lhe permite se adaptar ao habitat gelado. Neste artigo, contaremos quais são as características, o comportamento e muito mais sobre o urso polar.

Urso polar: características e habitat

Junto com o Kodlak, trata-se de uma das maiores espécies de ursos do planeta, além de ser considerado o predador carnívoro mais potente de toda a cadeia alimentar, com exceção do homem.

Seu nome científico é Ursus Maritimus (urso marítimo) já que é um excelente nadador e passa grande parte de sua vida submerso nas águas congeladas do Ártico, onde vive há cerca de 120000 anos, de acordo com fósseis encontrados.

As maiores populações de ursos polares estão no Canadá (60% deles), Alasca, Groenlândia, Sibéria e Ilha de Wrangel. Acredita-se que deriva do urso pardo e que mudou a cor de seus pelos devido ao habitat, assim como também reduziu o tamanho das orelhas e do rabo, para poder manter o calor em um espaço tão frio.

urso polar

Sobre sua fisionomia, apresenta algumas diferenças em relação aos demais ursos: suas patas são mais desenvolvidas para poder caminhar sobre a neve e o gelo ou nadar distâncias longas. O focinho é mais comprido, e tem uma capa de gordura adicional. Ainda que não pareça, a pele do urso polar é negra para impedir os raios solares e evitar a perda do calor no inverno.

Em média, os machos adultos podem medir 2,6 metros e pesar cerca de 500 quilos, enquanto as fêmeas tem dois metros de altura e massa de 2,5 quilos. Antes de dar à luz, as ursas acumulam mais gordura e atingem o mesmo peso dos machos.

Urso polar: comportamento e alimentação

O urso polar é o Ursus mais carnívoro de todos, porque onde vive quase não nascem plantas, com exceção de algumas semanas no verão. Suas presas favoritas são os filhotes de foca e de baleia branca, mas também pode comer morsas e aves marinhas como o aarão.

A técnica de caça é a seguinte: fazem buracos entre os blocos de gelo e quando o animal marinho sai para respirar, o urso o captura. No caso dos animais terrestres, o urso se aproxima sigilosamente dos ninhos ou das colônias.

Mesmo sendo um animal bem solitário, geralmente tem alguns “amigos” entre os demais predadores do Ártico, como as raposas e os lobos, que se aproveitam da ferocidade do urso e de sua eficácia ao caçar para comer o que ele deixa em seu caminho.

Os ursos polares não hibernam, com exceção das fêmeas grávidas, e mantém seus hábitos apesar do frio extremo e da escuridão da região. Sobre sua reprodução, esse é o único momento em que os indivíduos se reúnem e se tratam de um jeito amistoso.

Entre abril e maio, acontece o acasalamento. No entanto, a fêmea “guarda’ os óvulos fecundados (essa capacidade é conhecida como “implantação diferida”) para que se desenvolvam a partir de setembro e, enquanto isso, armazena toda a gordura que pode.

ursos polares

As mães buscam abrigo no inverno, e dão à luz a até duas crias em um local que elas mesmas cavam no gelo. Durante a gravidez e o nascimento, as fêmeas não se alimentam de forma extrema, mas nutrem-se da gordura acumulada. Os quilos que perderam serão recuperados no verão.

Ao nascer, os filhotes são cegos, não têm dentes e pesam 700 gramas. Além disso, não são independentes até os cinco meses. A partir desse momento, a mãe os ensina a encontrar comida, caçar e a se proteger dos machos adultos, já que esses, em épocas de fome, podem comer os ursinhos.

Após dois anos juntos com a progenitora, os filhotes abandonar “o lar” e, aos quatro anos, atingem a maturidade sexual.