O veneno da vespa-asiática: tudo o que você precisa saber

A picada da vespa-asiática causa dor intensa e inchaço local, mas geralmente não leva a problemas mais graves. No pior dos casos, pode causar uma reação muito perigosa para o paciente.
O veneno da vespa-asiática: tudo o que você precisa saber

Última atualização: 09 Abril, 2021

Originária da Ásia, a vespa-asiática (Vespa velutina) tem obtido sucesso em sua multiplicação e expansão. Esses himenópteros conseguiram chegar a várias regiões da Europa e da América, por isso sua importância como praga está aumentando. Além da dinâmica populacional, você sabe como o veneno da vespa-asiática afeta os humanos?

O número de encontros com essa vespa está aumentando em todo o mundo, assim como o número de casos por picadas. Esse himenóptero conseguiu se adaptar aos climas da Europa, por isso é necessário ter precaução ao encontrar um espécime.

Quem é a vespa-asiática?

A vespa-asiática é de cor escura, com uma cabeça amarelo-alaranjada e faixas pretas ao longo do corpo. Seu tamanho é de aproximadamente 3 centímetros, por isso é uma vespa bastante grande, em comparação com as outras. Por outro lado, é uma espécie invasora capaz de deslocar outras e afetar o ecossistema.

Essa vespa não é nem mais nem menos agressiva do que qualquer outro himenóptero alado, mas é capaz de picar várias vezes. Ao contrário das abelhas, as vespas não perdem o ferrão, podendo introduzi-lo quantas vezes forem necessárias em seu agressor.

Essa situação implica que o veneno produzido por esses animais foi criado para ser letal e como meio de proteção. Em todo caso, o índice de letalidade das toxinas varia entre as diferentes espécies de vespas (Aculeata).

Uma vespa-asiática pousando em uma flor.

De que é feito o veneno delas?

Graças a diversos estudos científicos, foi possível analisar a composição do veneno da vespa-asiática. Foi identificado que o veneno desse himenóptero tem alguma semelhança ao das cobras, com componentes que podem afetar a coagulação do sangue e causar hemólise no hospedeiro.

Além disso, uma certa quantidade do veneno apresenta neurotoxinas, que afetam o sistema nervoso de suas vítimas. Todos esses componentes têm como objetivo causar inflamação, dor e dano generalizado nos tecidos. Dessa forma, a vespa-asiática pode atacar suas presas e se defender contra predadores.

Os humanos correm risco após uma picada? Felizmente, devido à diferença de peso e tamanho em relação a outros animais, não. No entanto, devemos ter em mente que isso não significa que sua mordida seja indolor.

Uma vespa com uma picada mortal?

Apesar do que se possa pensar, o veneno da vespa-asiática não é totalmente letal para o ser humano. A picada pode causar dor intensa e inchaço na área afetada, o que não significa que seja prejudicial à saúde. No entanto, há uma grande exceção: o veneno pode ser letal se a pessoa for alérgica.

A picada da vespa-asiática não é perigosa, o que preocupa é a reação alérgica que pode desencadear. Esse fator depende de cada pessoa, por isso é bastante difícil adivinhar quem pode ser alérgico e quem não pode. Apenas entre 0,4 e 0,8% das pessoas que tomam uma picada têm uma reação alérgica.

Além disso, a picada da vespa-asiática libera feromônios que incitam outras vespas ao ataque. Existe p caso de um homem que foi ferido com 18 picadas dessa vespa e, felizmente, sobreviveu para contar sua história. O fator que determina se a situação é ou não uma ameaça à vida é o tempo que se leva para receber atenção médica.

O que levar em consideração?

Infelizmente, já existem registros de falecimentos pela picada da vespa-asiática. Isso não significa que seja algo que você deva temer, apenas tenha cuidado ao observar essa espécie na natureza.

Para efeito de comparação, o número médio de mortes por picadas de abelha-europeia (Apis mellifera) nos Estados Unidos é de 40 a 50 casos. A vespa-asiática causa menos de 20 mortes por ano na Europa e apenas 40 na Ásia, seu local de origem.

A melhor maneira de se preparar é estar ciente de que as vespas estão se defendendo de seus agressores. Portanto, não tente provocá-las, manipulá-las ou capturá-las por conta própria. Se você não as incomodar, elas não vão tentar picar: injetar toxinas é um gasto de energia muito valioso para elas.

Mais do que apenas veneno

É verdade que o veneno da vespa-asiática apresenta algum risco à saúde, mas também pode ser útil para a medicina. Devido às suas propriedades, o veneno poderia ser usado como ferramenta medicinal, no tratamento de algumas doenças, como o câncer.

Ainda não existem produtos derivados do veneno de abelhas ou vespas, no entanto, existem vários estudos promissores que estão trabalhando nisso. Ter à disposição um novo veneno, com características diferentes, amplia a oportunidade de obtenção de medicamentos que sirvam para tratar diferentes doenças.

Como o objetivo dos tratamentos contra o câncer é destruir certas células com mutações em seu genoma, o veneno poderia ser uma resposta para esse propósito.

Uma vespa-asiática em um fundo branco.

A vespa-asiática não é uma grande ameaça à saúde humana, mas isso não significa que ela seja inofensiva. Lembre-se de que qualquer espécie, por menor que seja, sempre tentará se defender de qualquer agressão. Não se exponha, cuide-se e respeite o espaço que todos nós habitamos.

Pode interessar a você...
A picada de abelha ou vespa no cão: como agir
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A picada de abelha ou vespa no cão: como agir

Se a picada for dentro da boca ou se eles forem alérgicos ao veneno que foi injetado, as consequências podem ser graves para seu cachorro..



  • Moreno, M., & Giralt, E. (2015). Three valuable peptides from bee and wasp venoms for therapeutic and biotechnological use: melittin, apamin and mastoparan. Toxins7(4), 1126-1150.
  • Liu, Z., Chen, S., Zhou, Y., Xie, C., Zhu, B., Zhu, H., … & Ji, Y. (2015). Deciphering the venomic transcriptome of killer-wasp Vespa velutina. Scientific reports5(1), 1-9.
  • Thiéry, D., Bonnard, O., Riquier, L., de Revel, G., & Monceau, K. (2018). An alarm pheromone in the venom gland of Vespa velutina: evidence revisited from the European invasive population. Entomologia Generalis38(2), 145-156.
  • Le, T. N., Da Silva, D., Colas, C., Darrouzet, É., Baril, P., Leseurre, L., & Maunit, B. (2020). Asian hornet Vespa velutina nigrithorax venom: Evaluation and identification of the bioactive compound responsible for human keratinocyte protection against oxidative stress. Toxicon176, 1-9.
  • Vidal, C., Armisén, M., Monsalve, R., Gómez‐Rial, J., González‐Fernández, T., Carballada, F., … & González‐Quintela, A. (2020). Vesp v 5 and glycosylated Vesp v 1 are relevant allergens in Vespa velutina nigrithorax anaphylaxis. Clinical & Experimental Allergy50(12), 1424-1427.
  • Monceau, K., Bonnard, O. & Thiéry, D. (2014). Vespa velutina: a new invasive predator of honeybees in Europe. J Pest Sci 87, 1–16. https://doi.org/10.1007/s10340-013-0537-3
  • de Haro, L., Labadie, M., Chanseau, P., Cabot, C., Blanc-Brisset, I., Penouil, F., & for Toxicovigilance, N. C. C. (2010). Medical consequences of the Asian black hornet (Vespa velutina) invasion in Southwestern France. Toxicon55(2-3), 650-652.
  • Martínez, R. (2017). Intoxicación por picadura de abeja en Salud y enfermedad del niño y del adolescente. Editorial El Manual Moderno.