5 vírus que afetam os crocodilos

dezembro 4, 2019
Existem vírus que afetam exclusivamente os crocodilos e outros que eles compartilham com outros animais. Neste artigo, falaremos sobre os cinco tipos mais comuns.

Assim como acontece com outros animais, existem vírus que afetam exclusivamente os crocodilos, embora eles também possam se contagiar com aqueles que afetam outras espécies. Neste artigo, apresentaremos os cinco tipos mais comuns.

Vírus que afetam os crocodilos

Vírus da varíola

Este vírus é semelhante ao que afeta os seres humanos e é chamado de parapoxvírus. Afeta principalmente os filhotes e crocodilos jovens.

Este vírus foi detectado em áreas dos EUA, América do Sul e África do Sul, e também afeta os jacarés. O vírus costuma ser transmitido através da água.

Ele causa lesões na boca, na pele da cabeça, nas costas e nas patas. No início, essas lesões são circulares e muito pequenas, geralmente inferiores a um milímetro, e se localizam entre as escamas, quase imperceptíveis.

À medida que a doença evolui, a lesão cresce, torna-se irregular e fica coberta por uma crosta que pode incluir várias escamas.

A recuperação começa após um período prolongado sem sintomas, dependendo das condições ambientais. A recuperação total pode levar até seis semanas.

Vírus que afetam os crocodilos

Considera-se que os jacarés solitários abrigam o vírus sem desenvolver a doença.

Não há tratamento específico, mas é recomendável fornecer um abrigo cômodo e comida ​​para facilitar a recuperação. A prevenção envolve reduzir o estresse desses animais, melhorar a sua higiene e fornecer água limpa.

Vírus que afetam os crocodilos: infecção por adenovírus

O adenovírus normalmente afeta os filhotes de crocodilo. Foi diagnosticado principalmente em áreas da África do Sul.

A transmissão ocorre através da água, embora tenham sido descobertos casos em que houve suspeita de transmissão diretamente no ovo. A incubação dura entre duas e oito semanas. O vírus fica localizado no fígado e, às vezes, também no intestino e no pâncreas, ou até mesmo nos pulmões.

Crocodilo na beira da água

Os sintomas variam de letargia e anorexia a um simples desconforto. No entanto, o problema aparece quando o vírus causa hepatite crônica que leva à morte do animal.

Não existe tratamento contra o vírus, mas o uso de antibióticos pode ajudar a combater possíveis infecções secundárias, o que melhora a condição geral do crocodilo. A prevenção, entretanto, recai sobre a higiene e o uso de água limpa, bem como a redução do estresse.

Doença de Newcastle

O agente causador é um paramixovírus, assim como nas aves, que também sofrem dessa doença.

Embora não costume causar sintomas em crocodilos, foram descritas mortes nas quais, por necropsia, foram observadas lesões compatíveis, especificamente em criadouros onde esses animais foram alimentados com aves afetadas pela doença de Newcastle.

Crocodilo pegando comida

O paramixovírus será eliminado nas fezes e pode infectar outros espécimes, sejam crocodilos ou pássaros próximos.

Encefalite equina oriental

Embora essa doença, como o próprio nome sugere, seja típica de cavalos, foram encontrados anticorpos contra o vírus no sangue de jacarés, o que adiciona essa espécie à lista de animais afetados.

Nenhum caso mencionou a possibilidade de que os crocodilos desenvolvam sintomas, embora possam estar infectados.

Vírus que afetam os crocodilos: a gripe

O vírus que causa a gripe em todos os animais é o Influenza Tipo C. A doença geralmente está relacionada a altos níveis de estresse derivados de muitos animais em um mesmo espaço, manejo e flutuações de temperatura nos centros onde os crocodilos se encontram.

Crocodilo com a boca aberta

Foram descritos casos em que a mortalidade causada por essa doença foi bastante alta.

Coronavírus

Este vírus foi observado em crocodilos de 2 a 3 anos de idade, também associado a situações que aumentam o estresse desses animais. O manejo inadequado e as más condições ambientais predispõem os animais a sofrer mais infecções virais.

  • Huchzermeyer F. Crocodiles: biology, husbandry and diseases. Pages: 157-163