As abelhas morrem depois de picar?

As abelhas funcionam como uma unidade ou superorganismo e as operárias não hesitarão em picar se sentirem que sua colônia está em perigo. O que acontece depois?
As abelhas morrem depois de picar?

Última atualização: 18 Setembro, 2021

A questão levantada dessa vez é simples: as abelhas morrem depois de picar? Esses seres eussociais dão tudo de si por suas larvas e sua rainha, de modo que não hesitarão em usar seu ferrão se uma ameaça se aproximar da colmeia com más intenções. Esse ato pode colocar em perigo a vida das bravas operárias ou elas saem ilesas desse desentendimento?

Todos nós conhecemos os sintomas de uma picada de abelha, sua forma e seu comportamento tranquilo quando não é perturbada. Em todo caso, é difícil analisar um espécime depois de levarmos uma picada, pois o que mais queremos é colocar gelo e nos afastar do local. A seguir, vamos mostrar como esse evento acontece da perspectiva das abelhas. Não perca.

O que são as abelhas?

Antes de abordar a questão de saber se as abelhas morrem ou não após uma picada, é necessário saber identificá-las. Em primeiro lugar, deve-se notar que o termo “abelha” se refere a um grupo de insetos voadores pertencentes à ordem dos himenópteros (Hymenoptera), um táxon compartilhado com vespas e formigas.

Tanto as abelhas quanto as vespas pertencem à subordem Apocrita, mas as espécies que abordamos aqui estão incluídas no táxon Apoidea, que contém mais de 16 mil espécies. As abelhas são robustas e achatadas, têm pelos corporais muito mais evidentes e não têm a “cintura” das vespas, definida por uma constrição ou pecíolo.

A maioria das abelhas do mundo são seres solitários, com cores escuras e não possui organizações complexas. Em todo caso, aquelas que são utilizadas na agroindústria e que costumam ser observadas no campo (gênero Apis, especialmente Apis mellifera) têm tons amarelos muito marcantes, vivem em favos e separam suas sociedades em castas, com rainhas, operárias e machos.

Existem apenas 8 espécies de abelhas melíferas, embora um total de 43 subespécies diferentes tenham sido detectadas entre elas.

Nem todas as abelhas são seres sociais e de cor amarela.

O ferrão das abelhas

As abelhas pertencem a um grupo de insetos chamados aculeados (Aculeata). Junto com muitas vespas e formigas, eles se caracterizam por apresentar um ovipositor modificado associado a glândulas de veneno e glândulas de Dufour. Aquiloque para muitos invertebrados é uma ferramenta para enterrar os ovos no solo, nos aculeados tornou-se uma ferramenta de agressão e defesa.

A coloração de muitas abelhas é aposemática. Isso significa que, com seus tons geralmente estridentes de amarelo e metálico, elas alertam os predadores em potencial que carregam um ferrão capaz de inocular veneno. Para evitar a predação, muitas moscas e insetos adotam cores semelhantes e tentam imitar os padrões das abelhas e das vespas.

As abelhas não são agressivas. Elas só atacam se sentirem que sua colônia está em perigo.

As abelhas morrem quando picam?

A partir daqui, vamos focar nossa atenção nas espécies melíferas do gênero Apis, por serem as que mais interagem com os humanos. Para esse grupo, a resposta à pergunta é clara: as abelhas morrem depois de picar. Em todo caso, quem faz esse ato são as operárias, já que a rainha está dentro do favo e os machos não têm ovipositor (nem, portanto, ferrão).

O ferrão das abelhas tem na ponta uma espécie de “barba” ou “ponta”. Portanto, quando o espécime que picou um ser vivo o puxa, ele permanece embutido na epiderme. Então o animal deve se livrar de parte do seu abdômen para escapar. Literalmente, o ferrão fica preso na pele com um pedaço do inseto.

Curiosamente, essa seção do corpo da abelha pode funcionar por conta própria e continuar a inocular o veneno, uma vez que contém a glândula e o saco do veneno. A glândula de Dufour, por sua vez, parece secretar feromônios de alerta, atraindo outras operárias para o local da picada e informando-as de que uma ameaça está pairando sobre elas.

A abelha que picou fica com um buraco no abdômen e morre logo em seguida. No entanto, isso não é um problema para a colônia: cada favo contém mais de 60 mil operárias cujo objetivo é proteger a rainha e alimentar as larvas. A morte de um ou mais espécimes é um preço razoável a pagar para manter a sociedade.

As vespas têm um ferrão liso que, por isso, não fica incrustado na pele. Elas podem picar o intruso várias vezes e sair ilesas da batalha.

Como remover o ferrão de uma abelha?

Agora que você já sabe que as abelhas morrem ao picar um intruso, é normal que se pergunte o que se deve fazer no caso de levar uma picada. Nesses cenários, não basta colocar gelo e esperar que a dor passe, pois, como já dissemos, o ferrão fica incrustado na pele.

Conforme indicado pelo site Medlineplus, a extração desse elemento deve ser realizada raspando a pele com a parte cega de uma faca ou outro objeto de gume reto, sempre no sentido de expulsar o ferrão. Não se deve usar pinças, pois com elas corre-se o risco de apertar a glândula de veneno ao tentar extrair e inocular mais toxinas na área da picada.

Com uma leve raspagem, o ferrão deve sair sem problemas. Depois disso, é preciso lavar bem a área e aplicar gelo em intervalos de 10 minutos. Se houver algum sintoma de reação alérgica local ou sistêmica, é necessário procurar o pronto-socorro mais próximo.

A lesão deve ser monitorada até vários dias depois do acontecimento. Se pedaços do ferrão permanecerem na pele, podem ocorrer infecções.

Como você pode ver, a razão pela qual as abelhas morrem após uma picada é simples: seu ferrão tem espinhos, então o espécime não consegue removê-lo da pele a menos que rompa seu próprio abdômen. Sem dúvida, a perda de uma vida é um preço acessível na colônia se assim for possível evitar a morte da rainha ou das larvas.

Pode interessar a você...
A produção de leite de amêndoas está matando bilhões de abelhas
Meus Animais
Leia em Meus Animais
A produção de leite de amêndoas está matando bilhões de abelhas

O leite de amêndoas está matando as abelhas da América, ou pelo menos é isso que argumentam algumas fontes. Aqui contamos tudo sobre o tema.



  • Bee sting, Mayoclinic. Recogido a 17 de agosto en https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/bee-stings/symptoms-causes/syc-20353869
  • Abdalla, F. C., & Cruz-Landim, C. D. (2001). Dufour glands in the hymenopterans (Apidae, Formicidae, Vespidae): a review. Revista Brasileira de Biologia, 61, 95-106.
  • Burrell, B. D., & Smith, B. H. (1995). Modulation of the honey bee (Apis mellifera) sting response by octopamine. Journal of Insect Physiology, 41(8), 671-680.
  • Cassier, P., Tel-Zur, D., & Lensky, Y. (1994). The sting sheaths of honey bee workers (Apis mellifera L.): structure and alarm pheromone secretion. Journal of Insect Physiology, 40(1), 23-32.