Águia-negra-africana : habitat e características

A águia-negra-africana apresenta um cainismo obrigatório em que o irmão mais velho mata o mais novo em mais de 96% dos ninhos com dois ovos. Você quer saber mais sobre ela?
Águia-negra-africana : habitat e características

Última atualização: 12 Agosto, 2021

A águia-negra-africana é uma espécie conhecida por sua plumagem negra com manchas brancas, que se destacam no voo. Ela faz parte do grupo dos falconiformes, por isso também é uma excelente caçadora. Além disso, é uma ave especialista, pois costuma se alimentar de apenas um tipo de animal.

Neste artigo vamos falar sobre Aquila verreauxii, uma majestosa ave de rapina que faz parte do grupo das águias verdadeiras. Continue a leitura para conhecer tudo sobre essa águia.

O habitat da águia-negra-africana

Essa ave de rapina é um animal diurno que habita áreas rochosas como penhascos e montanhas. Por isso, vive em locais com pluviosidade inferior a 750 milímetros por ano, onde a pouca vegetação lhe permite caçar facilmente as suas presas.

A distribuição dessa espécie é bastante ampla, desde a Península Arábica até o Sudeste da África. A maior parte de sua população está concentrada nas montanhas da Etiópia, e nas terras altas do Chade, do Zimbábue e da África do Sul.

Características físicas

Devido ao seu formato, foi apelidada de a águia mais “fina” do gênero Aquila, com comprimento de até 96 centímetros. Por outro lado, seu peso pode ser superior a 4 quilos e medir 2,8 metros de asa a asa.

Essas aves são consideradas parte do grupo das águias verdadeiras, junto com espécies como a águia-real, pois seus tarsos têm penas. Além disso, têm bicos e garras característicos, bastante afiados e que servem para rasgar a comida. Ambas as estruturas seguem o mesmo padrão de cores, com tons amarelos na maior parte e pretos nas extremidades.

Nos adultos, as cores da plumagem são inteiramente pretas, com exceção de algumas áreas brancas na cauda e no dorso. Já os jovens apresentam uma mistura de penas marrons e brancas em diferentes graus e padrões, o que permite que sejam diferenciados. Na verdade, graças a isso, sabe-se que a cor “preta” do adulto é na verdade uma mistura de tons de marrom muito escuro.

 

Uma águia-negra-africana pousando no solo.

Como a águia-negra-africana se alimenta?

Essa espécie pode ser muito seletiva em sua dieta, visto que se alimenta de mamíferos hiracoides, mas principalmente de damão-do-cabo (Procavia capensis). Talvez porque seja a presa mais abundante na área, já que pesquisas realizadas pela Universidade de Cape Town constataram que essa águia pode mudar sua dieta sem consequências.

Em última instância, essa ave de rapina é uma caçadora oportunista, então ela selecionará a presa que estiver disponível com mais energia a oferecer. Embora sua comida favorita seja composta de damão-do-cabo, ela também pode caçar alguns dos seguintes seres vivos:

  • Pequenos mamíferos: como lebres, primatas ou ginetas.
  • Aves: galinhas-d’angola, pombos-malhados ou abutres-cabo.
  • Répteis (em poucos casos): que incluem varanídeos ou biútas.

Métodos de caça

O trabalho de um animal oportunista se resume a ficar alerta o tempo todo para poder atacar se necessário. Para isso, a águia-negra-africana faz descidas verticais repentinas para emboscar suas vítimas, matando-as na hora. Embora a maioria dessas presas sejam pequenas o suficiente para serem carregadas, as aves às vezes as rasgam para levar em pedaços aos seus ninhos.

A reprodução da águia-negra-africana

Essa é uma espécie monogâmica e sedentária, por isso passa a maior parte de sua vida em um só lugar, a menos que haja as circunstâncias necessárias para deixar o ninho. Além disso, seus territórios são um pouco pequenos, então é possível encontrar vários casais nas proximidades.

Cortejo

Para conseguir um companheiro, essas aves realizam um ritual de cortejo, no qual realizam complexos padrões de voo. São os machos que procuram atrair a atenção da fêmea, usando suas vocalizações e exibindo sua plumagem.

Uma vez que o par se estabelece, precisa selecionar seu território e começar a fazer seu ninho, utilizando as áreas mais altas que conseguir encontrar. Por esse motivo, esses animais costumam ficar próximos a penhascos ou falésias, já que são locais inacessíveis a predadores. Além disso, não existe uma época específica para a mãe colocar seus ovos, pois isso muda dependendo da área em que a ave de rapina vive.

Postura e incubação

Em geral, essa ave de rapina põe entre um e dois ovos, que eclodem cerca de 45 dias depois. Para isso, ambos os pais participam da incubação, sendo a fêmea quem mais fica com os ovos. Nesse ponto, o macho também fornece alimento para a fêmea, até o momento da eclosão.

Essa espécie tem um comportamento de cainismo, em que o irmão mais velho mata o mais novo, bicando-o repetidamente. Embora pareça trágico, isso acontece devido à falta de comida, portanto, ao matar o irmão, um dos filhotes garante sua sobrevivência. De fato, por essa razão, raramente é encontrado mais de um ovo no ninho.

Cuidados parentais

Os pais vão alimentar o filhote até que ele consiga se cuidar sozinho, reduzindo a quantidade de alimento oferecido em cada estágio. Entre 90 e 99 dias após o nascimento, os filhotes já estão com a plumagem completa e começam a sair do ninho. A partir desse momento, aprenderão todas as técnicas de voo e caça para que em 6 meses possam se defender sozinhos.

Estado de conservação

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, essa águia é classificada como uma espécie pouco preocupante. No entanto, governos locais da África a consideram uma espécie vulnerável, pois sua população foi reduzida em algumas áreas de distribuição.

Quais são as ameaças da águia-negra-africana ?

Essa águia é considerada uma espécie resistente, pois suas áreas de nidificação não são muito afetadas por ações do ser humano. Isso ocorre porque são áreas de difícil acesso, praticamente “intocadas” até agora. Por outro lado, suas presas podem ser afetadas, o que as obriga a se deslocar, gerando conflitos para a sua população.

Como de costume quando se fala em conservação, sua principal ameaça são as modificações causadas pelo ser humano, que podem erradicar suas presas e, consequentemente, essa espécie. Embora isso já tenha sido levado em consideração em várias investigações, é difícil prever o futuro dessa ave.

Não é fácil acreditar que um pássaro majestoso como esse esteja em risco, apesar de ser tão resistente. No entanto, essa é a capacidade do ser humano: destruir e erradicar os animais, não importa quanta resistência eles ofereçam. Pode parecer fatídico, mas é a realidade: embora pareça comum, a destruição de habitats é um evento catastrófico para a natureza. Infelizmente, isso é algo que não se consegue perceber.

É verdade que o ser humano precisa de recursos para sobreviver, mas o que devemos aspirar é um equilíbrio que permita a convivência. Dessa forma, o futuro dessa águia e o de todas as espécies, incluindo nós, estará protegido.

Pode interessar a você...
A águia-viúva: uma espécie da floresta tropical
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A águia-viúva: uma espécie da floresta tropical

Nos céus de grande parte do continente americano, vive um pequeno, solitário e excelente caçador: a águia-viúva. Saiba tudo aqui!



  • BirdLife International. 2016. Aquila verreauxiiThe IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22696067A95221980. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.20163.RLTS.T22696067A95221980.en
  • Padayachee, K., Malan, G., LÜBCKER, N., Woodborne, S., & Hall, G. (2021). Differences in the dietary habits of Verreaux’s Eagles Aquila verreauxii between peri-urban and rural populations. Bird Conservation International31(1), 96-110.
  • SIMMONS, R. (1988). Offspring quality and the evolution of cainism. Ibis130(3), 339-357.
  • Armstrong, A., & Avery, G. (2014). Taphonomy of Verreaux’s Eagle (Aquila verreauxii) prey accumulations from the Cape Floral Region, South Africa: implications for archaeological interpretations. Journal of archaeological science52, 163-183.
  • Ralston-Paton, S. (2017). Verreauxs’ Eagle and Wind Farms: Guidelines for impact assessment, monitoring, and mitigation. BirdLife South Africa occasional report series, BirdLife South Africa, Hoboken, NJ, USA.
  • Thompson, L. J., Clemence, L., Clemence, B., & Goosen, D. (2018). Nestling White-backed Vulture (Gyps africanus) eaten by a Verreaux’s Eagle (Aquila verreauxii) at a nest occupied for a record 21 years. Vulture News74, 24-30.
  • Murgatroyd, S. M. (2016). Ecology of the Verreaux’s eagle Aquila verreauxii in natural and agriculturally transformed habitats in South Africa.
  • Padayachee, K., Malan, G., LÜBCKER, N., Woodborne, S., & Hall, G. (2021). Differences in the dietary habits of Verreaux’s Eagles Aquila verreauxii between peri-urban and rural populations. Bird Conservation International31(1), 96-110.
  • Davies, R. A. (2007). Black eagle Aquila verreauxii predation on rock hyrax Procavia capensis and other prey in the Karoo (Doctoral dissertation, University of Pretoria).
  • Murgatroyd, M., Avery, G., Underhill, L. G., & Amar, A. (2016). Adaptability of a specialist predator: the effects of land use on diet diversification and breeding performance of Verreaux’s eagles. Journal of Avian Biology47(6), 834-845.
  • Baker, S. E. (2013). Accumulation behaviours and taphonomic signatures for extant Verreaux’s Eagle nests, Aquila verreauxii, in southern Africa (Doctoral dissertation).