Camurça, a cabra dos Pireneus

dezembro 11, 2019
A camurça ou cabra-montesa é um dos animais mais emblemáticos da região dos Pireneus.

De todos os ungulados selvagens que habitam a Península Ibérica, a camurça é um dos animais mais desconhecidos. Neste artigo, oferecemos um breve resumo sobre esse essa espécie misteriosa.

Camurça, a cabra dos Pireneus

A camurça é uma subespécie da camurça da Europa Central, que coabita com a subespécie cantábrica (Rupicapra rupicapra parva) na região dos Pireneus. Seu nome científico é Rupicapra rupicapra subsp. pirenaica.

Nos Pireneus Aragoneses, é conhecida pelo nome de sarrio, mas em outras áreas também é chamada de ‘chizar’ ou ‘icharzo’.

O seu habitat está localizado entre 1500 e 3000 metros de altitude, mas ela desce para altitudes mais baixas durante o inverno. São animais sociais, assim como todos os cervídeos, de modo que formam grupos de machos e fêmeas com seus filhotes.

Os adultos pesam entre 20 e 30 quilos e podem viver até 20 anos.

Ao contrário do que acontece com outros cervídeos, tanto o macho quanto a fêmea da camurça têm chifres. Embora em termos de tamanho eles possam ser substancialmente iguais, os das fêmeas são um pouco mais finos, crescem mais paralelos e têm uma curvatura menos acentuada.

O seu pelo é cor de terra, levemente avermelhado no verão.

Camurça vista de perto
Fonte: Herrero J, Escudero E, Fernández de Luco D, García-González R. A camurça dos Pireneus

Na Espanha, destaca-se a sua presença em Aragão, na Catalunha e em Navarra, com destaque para o Parque Nacional do Vale Ordesa e o Parque Nacional Francês dos Pireneus Ocidentais.

É um animal exclusivamente herbívoro. O cio ocorre em novembro e nos primeiros dias de dezembro; os filhotes geralmente nascem na segunda quinzena de maio ou no início de junho.

A fêmea tem um único filhote e, muito excepcionalmente, gêmeos.

Situação e manejo da espécie nos Pireneus Catalães

A população de camurças na Catalunha está distribuída por grande parte dos maciços dos Pireneus e em algumas montanhas pertencentes aos pré-Pireneus. A maior parte dessa população é controlada pelas reservas nacionais de caça subordinadas à Generalidade da Catalunha, sem esquecer a proteção de uma série de espécimes localizados no parque nacional.

A evolução histórica dessa população mostra uma tendência ascendente, o que permite o seu aproveitamento cinegético.

Uma das dificuldades enfrentadas para o crescimento dessa espécie nos Pireneus é o aparecimento de uma doença causada por um pestivírus, conhecida como doença da fronteira, que desde 2001 causa uma elevada mortalidade. Isso provocou mudanças no manejo da espécie, o que levou à proibição da sua caça durante uma temporada.

A cabra montesa

Com a finalidade de ter dados objetivos sobre a espécie nesta região, desde 2012 é realizado um Programa de Monitoramento da Camurça nos Pireneus Catalães. Este programa inclui censos, coleta de dados de espécimes caçados e encontrados mortos e organização da população por setores.

Situação e manejo da espécie na Comunidade de Navarra

Essa população está localizada nos maciços de Larra-Belagoa e Ezkaurre e em Ori-Lakartxela. Como um todo, esta é uma população pequena, com boa saúde e com características demográficas de populações de baixa densidade e ambientes de floresta.

Essa população é monitorada desde os anos 90 e, desde então, tem sido observado um aumento no número de indivíduos.

Situação e manejo da camurça nos Pireneus Aragoneses

Desde 1995, uma série de ações realizadas pelo Governo de Aragão permitiu consolidar o manejo das reservas de caça à camurça nos Pireneus Aragoneses. Foram estabelecidas 16 unidades de manejo constituídas por cadeias montanhosas e foram realizadas estimativas populacionais em cada uma delas.

Camurça, a cabra dos Pireneus