O chacal-dourado: estado de conservação

setembro 24, 2019
O chacal-dourado é um animal altamente social, com hábitos de caçador e carniceiro que, embora tenha uma péssima reputação há anos, pode não ter tido motivo para tal. Descubra este animal europeu a seguir.

O chacal-dourado, também conhecido como Canis aureus, é uma das espécies de canídeos com maior distribuição global. Está presente em muitas áreas da Europa e do sul da Ásia.

A expansão desta espécie – atualmente em andamento – no território europeu despertou a preocupação de pesquisadores, ambientalistas e moradores.

Essa preocupação está focada nos possíveis efeitos negativos que sua presença poderia ter, principalmente devido à sua natureza de um poderoso predador, o que faz com que especialistas tenham medo de que ele possa afetar as populações de outras espécies selvagens.

Hoje, há incerteza quanto às políticas de conservação dos chacais.

Atualmente, há uma necessidade de esclarecer as origens das populações de chacais. Esta espécie permaneceu ausente na maior parte da Europa até o século XIX, quando começou a se expandir lentamente neste território.

A dinâmica da sua distribuição mudou desde o final do século 20, quando começou a se expandir extremamente rapidamente na Europa.

Habitat, reprodução e ciclo de vida

O chacal-dourado é a espécie de chacal mais amplamente distribuída. Só se sobrepõe aos biótopos do chacal-de-dorso-negro nas savanas da África Oriental. Esta espécie prefere o campo aberto, prados áridos e paisagens de estepes. Por serem animais caçadores, eles têm muita energia.

Quanto à sua reprodução, esta espécie vive em pares e é estritamente monogâmica. Na maioria das famílias de chacais, há um ou dois membros adultos chamados de ‘ajudantes’.

Os ajudantes são chacais que permanecem com os pais por um ano após atingirem a maturidade sexual, sem se reproduzirem, para ajudar a cuidar da próxima ninhada. As ninhadas podem conter de um a nove filhotes.

Filhotes do chacal

O período de gestação é de 63 dias, o peso ao nascer é de 200 a 250 gramas e os filhotes são amamentados por cerca de oito semanas. Ambos os pais fornecem comida e proteção. Segundo alguns estudos, a maturidade sexual chega aos 11 meses, e eles podem viver 16 anos em cativeiro.

Os chacais são onívoros, e portanto não comem carne exclusivamente. De fato, os chacais-dourados consomem 54% de alimentos de origem animal e 46% de alimentos de origem vegetal.

Embora comam presas grandes, como gazelas jovens, também comem roedores, lebres, pássaros e ovos, répteis, sapos, peixes, insetos e frutas em quantidade suficiente. Às vezes eles comem carniça.

Importância econômica do chacal-dourado para o ser humano: aspectos positivos e negativos

Os chacais-dourados desempenham um papel importante na saúde, pois comem lixo e carniça em cidades e vilas. Além disso, eles beneficiam a agricultura, evitando o aumento no número de roedores.

Quando este animal é criado em cativeiro, pode ser domado. Tornam-se caseiros e se comportam de maneira muito semelhante a um cachorro, exceto pelo fato de permanecerem tímidos diante de estranhos e não se deixarem acariciar por eles.

No entanto, os chacais também podem afetar os seres humanos de maneira negativa, atacando plantações e rebanhos de ovelhas. Além disso, por serem animais caçadores selvagens, os chacais-dourados podem estar envolvidos na disseminação da raiva.

Chacal-dourado com sua presa

Estado de conservação do chacal-dourado

O chacal-dourado prevalece na Europa e não está ameaçado. De acordo com as categorias e critérios da lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), ele é considerado uma espécie de ‘menor preocupação’.

O chacal-dourado já foi declarado uma espécie estranha e potencialmente invasiva em todos os estados bálticos. Seu status requer uma revisão cuidadosa. Para ser considerada uma espécie exótica invasora (SAI), deve atender a pelo menos três critérios:

  1. Não ser nativo: alóctone, introduzido por pessoas.
  2. Ser uma ameaça à biodiversidade local.
  3. Apresentar um rápido crescimento populacional.

Embora tenha sido observado um aumento exponencial no tamanho de sua população, como na Hungria, os outros dois critérios não foram atendidos.

A má reputação do chacal tem motivo?

A expansão do chacal-dourado para o norte da Europa é o resultado da migração natural. Além disso, não há evidências de um efeito prejudicial sobre a fauna local. Também não há grandes queixas de que chacais-dourados causem danos a animais domésticos na Europa.

Estado de conservação do chacal-dourado

Acredita-se que relatos ocasionais de predação de gado por chacais costumem ser exagerados. Além disso, eles podem estar relacionados a uma identificação incorreta. Esta conclusão deriva da inspeção, e a genética forense é usada em alguns dos casos notificados.

Em relação ao risco para a saúde, estudos recentes indicam que a carga parasitária deste animal é semelhante ou menor que a de outros carnívoros da região, como a raposa-vermelha e o lobo cinza. Também não há registros de ataques deste animal a pessoas.

Por todas estas razões, as preocupações com os graves impactos negativos da expansão do chacal-dourado na Europa ainda parecem infundadas.

Quais medidas devem ser tomadas?

A expansão do chacal-dourado em grandes territórios parece justificar o início de uma ação internacional focada no acompanhamento da espécie na Europa. Várias agências sugeriram que é hora de desenvolver estratégias e documentos de gestão transfronteiriça.

Essas estratégias seriam semelhantes à gestão desenvolvida no caso dos grandes carnívoros da Europa.

O chacal-dourado é listado como uma espécie do Anexo V na Diretiva Habitats da UE. Como tal, deve ser protegido legalmente em todos os estados membros da UE. A violação desta regra tem implicações legais.

  • Trouwborst, A., Krofel, M., & Linnell, J. D. (2015). Legal implications of range expansions in a terrestrial carnivore: the case of the golden jackal (Canis aureus) in Europe. Biodiversity and Conservation, 24(10), 2593-2610.
  • Macdonald, D. W. (1979). The flexible social system of the golden jackal, Canis aureus. Behavioral Ecology and Sociobiology, 5(1), 17-38.
  • Giannatos, G., Marinos, Y., Maragou, P., & Catsadorakis, G. (2005). The status of the golden jackal (Canis aureus L.) in Greece. Belgian Journal of Zoology, 135(2), 145.
  • Yom-Tov, Y., Ashkenazi, S., & Viner, O. (1995). Cattle predation by the golden jackal Canis aureus in the Golan Heights, Israel. Biological Conservation, 73(1), 19-22.